Clique e assine a partir de 9,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ao contrário de Bolsonaro, Mourão será cabo eleitoral na disputa deste ano

Enquanto o presidente ainda tenta criar o seu partido e promete distância das eleições, o vice pretende gravar vídeos com candidatos da sua sigla, o PRTB

Por Eduardo Gonçalves - Atualizado em 24 jul 2020, 11h40 - Publicado em 24 jul 2020, 11h11

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) diz que vai se manter distante das campanhas municipais deste ano, o vice-presidente Hamilton Mourão decidiu que participará do pleito como garoto-propaganda dos candidatos do seu partido, o PRTB.

Em um almoço na quinta-feira 24, entre Mourão e o presidente do partido, Levy Fidelix, ficou combinado que o vice gravará vídeos com os principais candidatos da sigla. Sem fundo partidário e tempo de televisão para oferecer, o general virou a principal moeda de troca para atrair bolsonaristas órfãos do Aliança pelo Brasil, o partido da família Bolsonaro que não conseguiu ser criado a tempo das eleições de 2020.

ASSINE VEJA

Os ‘cancelados’ nas redes sociais Leia nesta edição: os perigos do tribunal virtual. E mais: nova pesquisa sobre as eleições presidenciais de 2022
Clique e Assine

Além do PRTB, os apoiadores do presidente que precisavam de legenda para concorrer neste ano também foram atrás do PTB, de Roberto Jefferson; do Patriota, de Adilson Barroso; e do Republicanos, ligado à Igreja Universal. Alguns também decidiram permanecer e parar de brigar com o PSL, comandado por Luciano Bivar.

Fidelix explicou que Mourão irá gravar os vídeos durante os fins de semana de setembro para “não atrapalhar” as suas atividades como vice e que os deslocamentos serão pagos com a verba partidária. “Temos chances reais. Vamos lançar dezoito candidatos a prefeito nas capitais”, diz o dirigente que está otimista com o vácuo deixado pelo Aliança.

Continua após a publicidade

Entre os candidatos da sigla, há parlamentares estaduais e líderes de movimentos de direita que passaram praticamente todos os últimos fins de semana fazendo atos a favor do governo Bolsonaro, como o deputado estadual Bruno Engler, que disputará a Prefeitura de Belo Horizonte, e Edson Salomão, que tentará uma cadeira na Câmara Municipal de São Paulo. O próprio Fidelix sairá candidato a prefeito em São Paulo. Será a sua décima primeira tentativa a um cargo público.

Publicidade