Clique e assine a partir de 9,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A nova polêmica entre Leonardo DiCaprio e o governo Bolsonaro

Ator reproduz reportagem sobre queimadas na Amazônia, e o vice-presidente Hamilton Mourão rebate: "vamos fazer uma marcha de oito horas pela selva"

Por Mariana Zylberkan - Atualizado em 19 ago 2020, 14h43 - Publicado em 19 ago 2020, 14h11

O ator Leonardo DiCaprio está de novo em meio a uma polêmica com o governo Jair Bolsonaro  – e novamente por causa da Floresta Amazônica. No ano passado, ele foi criticado pelo próprio presidente, que o acusou de apoiar ONGs que estavam botando fogo na Amazônia. Agora foi desafiado a marchar no meio da mata da região pelo vice-presidente general Hamilton Mourão.

ASSINE VEJA

A encruzilhada econômica de Bolsonaro Na edição da semana: os riscos da estratégia de gastar muito para impulsionar a economia. E mais: pesquisa exclusiva revela que o brasileiro é, sim, racista
Clique e Assine

A nova controvérsia começou depois que, na sexta-feira 14, o ator americano compartilhou no Instagram uma reportagem do jornal britânico The Guardian sobre o aumento das queimadas na Amazônia (abaixo). “O número de queimadas na Amazônia brasileira em julho aumentou 28% em relação ao mesmo mês do ano ano passado, de acordo com dados do Inpe”, reproduziu. E acrescentou: “O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, está sob pressão internacional para conter os incêndios, mas ele duvidou publicamente da gravidade deles no passado, alegando que oponentes e comunidades indígenas foram os responsáveis”.

View this post on Instagram

From The @Guardian: The number of fires burning in Brazil's Amazon in July was up 28% on the same month last year, according to data from Brazil's space research agency INPE. Early numbers for August also show a 7% increase. Brazil's president, Jair Bolsonaro, is under pressure internationally to curb the fires, but he has publicly doubted the severity of them in the past claiming opponents and indigenous communities were responsible. Last year's Amazon wildfires were devastating enough, but with the weather being drier this year so far, as well as the Coronavirus pandemic which has killed more than 99,000 Brazilians, there is growing concern that the ongoing deforestation isn't getting enough attention. . . . . . . #Brazil #Amazon #Rainforest #Wildfires #Deforestation

A post shared by Leonardo DiCaprio (@leonardodicaprio) on

Nesta quarta-feira, 19, Mourão respondeu ao ator fazendo um desafio, “Eu gostaria de convidar nosso mais recente crítico, o nosso ator Leonardo DiCaprio, para ele ir comigo a São Gabriel da Cachoeira (AM) e fazermos uma marcha de oito horas pela selva”, disse o vice-presidente no Fórum Mundial Amazônia+21. “Ele vai aprender, em cada socavão (cavidade) que ele tiver que passar que a Amazônia não é uma planície, e aí entenderá melhor como funcionam as coisas nesta imensa região”, continuou.

DiCaprio já esteve na Amazônia antes. O ator, que é conhecido por seu ativismo em prol do meio ambiente, visitou uma tribo indígena no Parque do Xingu, no Mato Grosso, em 2004, acompanhado pela então namorada, a modelo brasileira Gisele Bündchen.

A modelo brasileira Gisele Bündchen e o ator americano Leonardo DiCaprio, durante visita a índios no Parque do Xingu, no Mato Grosso ./Divulgação

Em 2019, Bolsonaro acusou DiCaprio de financiar ONGs que colocavam fogo na floresta para obterem promoção internacional e dinheiro. “O pessoal da ONG, o que eles fizeram? O que é mais fácil? Botar fogo no mato. Tira foto, filma, a ONG faz campanha contra o Brasil, entra em contato com o Leonardo DiCaprio, e o Leonardo DiCaprio doa US$ 500 mil para essa ONG. Uma parte foi para o pessoal que estava tocando fogo, tá certo? Leonardo DiCaprio tá colaborando aí com a queimada na Amazônia, assim não dá”, afirmou. O ator respondeu: “Neste momento de crise para a Amazônia, eu apoio o povo do Brasil que trabalha para salvar seu patrimônio natural e cultural”.

Continua após a publicidade
Publicidade