Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ensino público: o rico deve pagar

É injusto que o pobre financie o curso superior dos mais abastados

O Brasil tem 8 milhões de universitários. Três quartos frequentam escolas privadas e pagam por seus estudos. O restante cursa universidades públicas, gratuitamente. O aluno rico estuda de graça nessas universidades, mas o filho do motorista da família paga para obter o diploma de curso superior. Você acha isso justo?

Na verdade, não existe educação gratuita. As universidades federais e estaduais são financiadas por impostos pagos por todos, inclusive os pobres. Os menos favorecidos contribuem com uma proporção maior de sua renda do que os ricos. Além de pagarem pelo estudo de seus filhos, os pobres arcam proporcionalmente mais do que os ricos com impostos para financiar as instituições de ensino públicas. Você acha isso justo?

Trata-se de grande injustiça neste país de desigualdades, mas segmentos da esquerda e corporações de professores acham tudo isso muito natural e se opõem à cobrança de mensalidade no ensino superior. Esgrimem argumentos que a maioria aceita sem perceber que apoia privilégios dos ricos.

Dizem que nenhum país financia as universidades públicas apenas com mensalidades. Procede. Em nações ricas, as mensalidades costumam cobrir 15% das despesas. O restante vem do governo, de parcerias com o setor privado e de rendimentos decorrentes de um fundo patrimonial. Cobrar dos ricos tem a ver com justiça social, e não com financiamento integral do ensino superior público.

Outro argumento: a cobrança de mensalidade dos ricos criaria uma lógica perversa. “Se eu pago, eu posso definir o que vou aprender e estudar”. O interesse particular prevaleceria sobre o público. Assim fosse, universidades de alta qualidade que cobram mensalidade, como a Fundação Getulio Vargas e as Pontifícias Universidades Católicas, não teriam autonomia para definir seus currículos.

“Não existe educação gratuita. As universidades federais são financiadas pelos impostos de todos”

As universidades públicas respondem por cerca de 90% da pesquisa básica. Isso é razão para que continuem a receber recursos do governo, não para eximi-las de cobrar mensalidade de quem pode pagar.

Na China, país comunista, as universidades públicas cobram mensalidade. Lá, estudantes de famílias de menor renda recebem bolsas de estudos do Estado. Cerca de 25 milhões de alunos chineses pagam por seus cursos em universidades públicas e privadas.

A Universidade Harvard, privada, tem 22 000 estudantes, mas 55% dos alunos de cursos de graduação ganham bolsa de estudos. Aproximadamente 20% dos pais com renda anual inferior a 65 000 dólares nada pagam. As famílias mais abastadas contribuem mais do que as pobres. Ex-­alunos, seus pais e outros doadores contribuem generosamente para reforçar o fundo patrimonial da instituição — o maior do mundo, diga-­se. É um bom exemplo.

Estima-se que médicos e engenheiros, em sua maioria formados por universidades públicas, ganharão, em sua vida profissional, quinze a vinte vezes mais do que a média nacional. Em menor grau, isso acontece em outras profissões. Também por isso é regressivo e socialmente injusto que os ricos estudem de graça.

Publicado em VEJA de 7 de agosto de 2019, edição nº 2646

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s