Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O incrível 7 a 1 de Gilmar Mendes

O juiz do STF já tem um Bretas paulista para chamar de seu: Maria Isabel do Prado não gosta de corruptos. Nem de holofotes. E prende quem ameaça testemunhas

Demorou, mas a teia de corrupção na Petrobras, desvendada a partir da Lava Jato, e que já levou tanta gente pra cadeia no Rio de Janeiro e em Curitiba, começa a abalar o establishment político de São Paulo.

Principal reduto do PSDB, o Estado mal aparecia nas denúncias mais cabeludas de propinas, cartéis, fraudes em licitações, lavagem de dinheiro ou caixa dois de campanha.

Foi a partir da delação da Odebrecht que a documentação contra alguns caciques tucanos começou a criar corpo.

Mencionados por nada menos que sete delatores da empreiteira, o senador José Serra e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, são p, hoje, alvo de inquérito no Supremo.

Relatoria: ministro Gilmar Mendes.

Outro personagem chave acusado pelos mesmos delatores, porém, não tem foro privilegiado.

Trata-se de Paulo Vieira de Souza, antigo assessor de confiança de Serra e de Aloysio, que por muitos anos foi diretor da Dersa (rodovias São Paulo).

Mais conhecido no partido pelo apelido de Paulo Preto, foi preso em 6 de abril, por ordem da juíza Maria Isabel do Prado, da 5a. Vara Federal de São Paulo, e a pedido da força tarefa local da Lava Jato.

Recaem sobre ele graves suspeitas de roubo de dinheiro público.

A prisão preventiva, segundo a magistrada, é necessária para que 17 testemunhas, algumas funcionárias da Dersa, possam prestar depoimentos com tranquilidade, sem risco de ameaças.

(Não seria a primeira vez que Paulo Preto recorreria a avisos sinistros. Em 2010, quando seu nome surgiu como importante “arrecadador”de dinheiro ilegal para campanha tucana, Serra disse que não o conhecia. O engenheiro revidou na hora com a frase: “não se deixa um líder ferido na estrada”. Serra mudou de ideia rapidamente e disse que o conhecia, sim.)

Muito bem.

Do dia 6 de abril em diante, a decisão de Maria Isabel do Prado foi vista e revista por nada menos que seis outros juízes.

De segunda e terceira instâncias.

Todos concordaram que a prisão é necessária nesta fase do processo.

Dá só uma olhada nessa linha do tempo, que compreende 36 dias corridos:

6 de abril: primeira instância (juíza Maria Isabel) manda prender.

12 de abril: segunda instância, instada a rever a decisão, deixa tudo igual. Por ordem do desembargador André Nekatschalow, Tribunal Regional Federal da 3.ª Região.

13 de abril: o pedido de liberdade chega ao Superior Tribunal de Justiça, em Brasília. Um terceiro juiz, o ministro Reynaldo Soares da Fonseca, revê os votos dos dois colegas e nega a liminar impetrada pela defesa.

7 de maio: de novo no STJ, mais quatro magistrados, agora no âmbito da chamada Segunda Turma, dão seus pareceres. Além de Soares da Fonseca, pronunciam-se os ministros Félix Fischer, Jorge Mussi, Ribeiro DantasJoel Ilan Paciornik.

Por 5 a zero, eles voltam a confirmar a prisão preventiva.

Nada muda.

11 de maio: depois que sete juízes olharam os autos e mantiveram o réu preso, Gilmar Mendes, do STF, diz que está tudo errado. Manda soltar Paulo Preto, ordem cumprida no mesmo dia.

Um mês antes, em 11 de abril, e a propósito de outro pedido de liberdade da turma dos corruptos, Gilmar, em mais uma de suas muitas críticas a Sérgio Moro, saiu-se com essa: “ele pensa que fala com Deus?”

Depois de ter contrariado também o juiz Marcelo Bretas, pondo em liberdade notórios presos muito ricos do Rio de Janeiro, o magistrado da Suprema Corte realmente segue destemido.

O que me leva a uma singela pergunta: afinal, nesse meio jurídico, quem será que, de fato, fala com Deus?

Você tem algum palpite?

Recebi da assessoria do ministro Aloysio Nunes Ferreira as seguintes observações: “Os depoimentos citados na coluna estão relacionados ao inquérito 4428, do qual o ministro Aloysio Nunes Ferreira não é parte. Por manifestação da PGR e decisão do STF, o 4428 foi desmembrado no ano passado. Com novo número, 4660, a apuração se restringe agora à doação
eleitoral pela Odebrecht em sua campanha ao Senado, em 2010, conforme último parecer do relator, o ministro Gilmar Mendes, anexado neste
e-mail.” 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Qual o caminho para um Impeachment de ministro do stf ?? Um general , com muita classe,
    mandar -lo pra casa ? Se esse for o caminho, nós, o povo, mandamos o General lá!!!

    Curtir

  2. hildo molina

    relatoria GM? deu em nada, sorte dos corruptos.

    Curtir

  3. Getúlio Fava

    Ele não fala com Deus, eis que ele é o próprio!
    Isso tem que acabar.

    Curtir

  4. paulo andre p. marques

    Todos os dias eu rezo para que este desprezível, maldito soltador de bandido morra. Rezo intensamente para que isso não demore muito a acontecer. Maldito Ministro!

    Curtir

  5. paulo andre p. marques

    Este desprezível ser deve ter pacto com o cramunhão. Não é admissível que alguém possa ser tanto desassociado daquilo que emana o povo. Não é possível que exista neste mundo alguém que reza na cartilha do mal o tempo todo. Parece que sente prazer em descontentar àqueles que querem ver este país livre desses que são a maior praga do Brasil, os corruptos. Maldito seja!

    Curtir

  6. Até renomados juristas já entraram com pedido de impeachment contra esse senhor.Até hoje não se ouviu falar mais nada a respeito.Que estranho!Ninguem do STF pode se pronunciar a respeito?Libertar insistentemente personagens prá lá de suspeitos também se torna suspeito né?

    Curtir