Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sobre dar um beijo na velhinha e a metade da dose

Considerações e esclarecimentos sobre o que faz um geriatra

Dados do Ministério da Saúde apontam um momento presente e um futuro próximo bem importante aos olhos de uma mulher que envelhece e coincidentemente é uma geriatra, como eu. A maioria das pessoas desconhece a importância desta realidade, mas não será poupada de encará-la de uma forma possivelmente sombria e terrível: lidando com o seu envelhecimento, com o envelhecimento de pessoas a sua volta e principalmente, precisando lidar com a falta de conhecimento de numerosos profissionais de saúde, incluindo médicos.

Geriatria e Gerontologia como especialidade

A especialidade da Geriatria e Gerontologia surgiu há poucas décadas, mas já se torna uma prioridade na formação de bons médicos. Infelizmente, ainda se acredita que atender um bom número de pessoas com mais de 65 anos torna o profissional um “geriatra”. Como eu gosto de dizer para elucidar essa bobagem explico: a pessoa que atende no caixa preferencial de idosos no banco passa o dia inteiro atendendo pessoas com mais de 65 anos, mas não fica dizendo para todos que é geriatra por isso.

O estudo dedicado e responsável ao processo fisiológico do envelhecimento e o manejo adequado de múltiplas doenças simultâneas, somado a todo o desafio de manejar contextos delicados no núcleo familiar e pessoal de uma pessoa idosa que precisa encarar a progressiva perda de autonomia e independência que tanto assombra o envelhecer no nosso mundo é também base do conhecimento e da prática de todo geriatra e gerontólogo com formação reconhecida. Portanto seria excelente esclarecer algumas informações bem úteis para as pessoas que desejam saber por que um geriatra é importante nos cuidados médicos de quem envelhece.

O aumento da população idosa no país

Saibam que, de acordo com projeções das Nações Unidas (Fundo de Populações), “uma em cada nove pessoas no mundo tem 60 anos ou mais, e estima-se um crescimento para uma em cada cinco por volta de 2050″. Neste cenário destaca-se a feminilização da velhice (assunto muito bom para um outro artigo) com um uma população idosa brasileira que cresce 55% em 10 anos e que representa 12% da população total do país. O número de idosos dobrou nos últimos 20 anos no Brasil, segundo o IBGE e a projeção é que em 2050, um em cada cinco brasileiros, terá mais de 60 anos de idade.

De acordo com o relatório da OMS, um brasileiro que vive 75 anos, teria uma média de 65 anos com qualidade de vida, sendo os últimos 10 associados a doenças, dependência de cuidados especiais e deficiências. Isso significa que este idoso brasileiro estará exposto a falhas recorrentes da assistência a sua saúde, pois os profissionais envolvidos nestes cuidados são treinados com base em formação que qualifica tratamentos e intervenções apenas em pessoas abaixo de 65 anos.

Idosos e medicamentos

Estudos científicos mostram que a prescrição inadequada é um fator de risco importante e possivelmente evitável para reações adversas a medicamentos em idosos, e estudos baseados em hospitais mostraram que uma grande proporção de internações é resultado de destas reações. A conclusão mais frequente destes estudos mostra que o uso de muitos medicamentos prescritos por vários especialistas que atendem a pessoa idosa ao mesmo tempo é algo comum e que este uso inadequado de medicações está associado à hospitalização aguda em idosos que vivem na comunidade. Estes resultados indicam que é desejável com o conhecimento atual, reduzir estas complicações através de informações aos médicos e prescrição cuidadosa.

Parece meio que óbvio que os grandes avanços médicos não poderiam acontecer sem a generosidade dos participantes de ensaios clínicos jovens e velhos. Seria muito importante que os estudos clínicos tivessem participantes de diferentes idades, sexo, raça e etnia. Quando uma pesquisa clinica envolve um grupo de pessoas que são semelhantes, as descobertas podem não se aplicar ou beneficiar a todos. O paradoxo que vivemos na medicina atual é que os idosos são os usuários majoritários de muitos medicamentos.

Dados de literatura mostram que, embora pessoas com idade ≥65 anos representem apenas cerca de 13% da população, elas consomem quase um terço de todos os medicamentos. As pessoas idosas podem responder de maneira diferente dos pacientes mais jovens à terapia medicamentosa. Alterações fisiológicas relacionadas à idade podem afetar a farmacocinética e farmacodinâmica da droga.

A população de pacientes mais velhos está mal representada nos ensaios clínicos, com até 35% dos ensaios publicados excluindo os idosos. Recentemente, argumentou-se que a crise do envelhecimento deve ser abordada pelo desenvolvimento de ampla especialização e pesquisa em farmacologia geriátrica. Descobriu-se que os idosos são sub-representados em ensaios clínicos de câncer, mais pronunciados em estudos para câncer em estágio inicial do que em estudos para cânceres em estágio avançado.

Há evidências e conhecimentos inadequados sobre as respostas dos pacientes geriátricos aos medicamentos. Nos EUA, embora os idosos com idade ≥65 anos respondam por 61% de todos os novos casos de câncer e 70% de todas as mortes por câncer, nos ensaios clínicos ativos entre 1993 e 1996, os idosos eram apenas 25% dos participantes do estudo oncológico.

Um estudo teria auditado 226 propostas de pesquisa clínica registrando a exclusão de pacientes com base em um limite superior de idade arbitrário e descobriu que uma proporção significativa (13,7%) de ensaios clínicos excluíram pacientes com base arbitrária em um limite superior de idade. No entanto, nenhum (9,8%) dos ensaios submetidos pelos geriatras excluíram os pacientes com base apenas na idade. Mais de 50% dos estudos submetidos por neurologia/psiquiatria excluíram pacientes com base em um limite superior de idade.

Os efeitos adversos podem ser graves, ou menos tolerados, e ter sérias consequências do que a população mais jovem. E os médicos especialistas e generalistas são treinados em terapêuticas baseadas apenas no resultado obtido em estudos em populações não idosas. Somado a isso, os especialistas não recebem formação adequada sobre o processo fisiológico de envelhecimento e suas consequências pertinentes a funções dos rins, do fígado, do sistema nervoso, do sistema cardiovascular, pulmonar, imunológico e hormonal. Ou seja, tragédia prevista… cegos conduzindo cegos.

Sobre a expressão “dar um beijo na velhinha”

As pessoas estão sim vivendo mais, envelhecendo. E mesmo assim esperam que os tratamentos curem e melhorem sua qualidade de vida. Portanto, há uma clara necessidade de farmacoterapia baseada em evidências em pacientes idosos. Sabemos que não oferecer a eles esse direito de serem vistos e tratados de acordo com sua realidade física e biográfica é exatamente o oposto dos preceitos da boa prática médica e pode até ser considerado antiético.

Ainda vale uma breve consideração sobre a expressão “dar um beijo na velhinha”: O amor e o respeito imensuráveis que um bom geriatra tem por seus pacientes e seus familiares faz parte do seu dia a dia como médico, colabora nos resultados do tratamento baseado em vínculo humano seguro e traz sentido de vida ao bom profissional desta área. As pessoas não desejam mais bons “técnicos” em medicina que se atrevem sem ética alguma a tratar seus pacientes como objetos de estudo e pratica de procedimentos e prescrição de medicamentos incapazes de trazer uma vida feliz a um ser humano, como eu e você.

Parafraseando Manuel de Barros, as pessoas não merecem mais ser vistas por pessoas razoáveis.

Fontes:
Dados sobre envelhecimento no Brasil – Ministério da Saude,
Pesquisas sobre Envelhecimento e mortalidade – National Library of Medicine, National Institutes of Health,
Bibliografia citada no livro “Mortais” – Atul Gawande
Poesia de Manuel de Barros

 

 (Ricardo Matsukawa/VEJA)

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s