Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Letra de Médico Por Adriana Dias Lopes Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil. Este blog voltará a ser atualizado em 10 de fevereiro

Reeducação alimentar, onde mora a solução?

A reeducação alimentar ajuda o indivíduo a comer de forma mais saudável e nas quantidades correta, independente do objetivo da dieta

Por Daniel Magnoni - 23 ago 2017, 15h04

Na atualidade, a grande preocupação das pessoas reside no controle do peso e na redução da obesidade. Nesse sentido, muitas vezes tentamos, sem sucesso, uma reeducação alimentar. De maneira geral, a reeducação alimentar gera um impacto positivo, independente do objetivo da dieta, seja o emagrecimento ou a busca por um estilo de vida mais saudável.

A reeducação alimentar ajuda o indivíduo a comer de forma mais saudável e nas quantidades corretas. Sempre comendo o que sente vontade, porém da maneira certa. Por exemplo, no caso do açúcar, que muitas vezes é classificado como vilão da saúde, sua restrição exagerada pode comprometer o funcionamento correto de muitos órgãos e sistemas, como o sistema nervoso.

O corpo precisa de açúcar e gorduras – na quantidade certa

O prazer que sentimos com alimentos de sabor adocicado é inato. A predileção por doces ajudou nossos ancestrais a distinguirem os alimentos seguros e que dariam mais energia dos alimentos potencialmente tóxicos ou inadequados para consumo. Além de fornecerem carboidratos e energia, eles adicionam sabor, deixando alguns alimentos mais apetitosos e satisfatórios. Sem abuso, o açúcar entra numa dieta equilibrada.

Já a restrição da ingestão de gorduras pode interferir na reserva energética que protege o corpo das alterações de temperatura e na produção hormonal e de membranas celulares. Devemos reduzir a ingesta das gorduras saturadas (gordura animal), mas precisamos das gorduras mono e polinsaturadas (gordura vegetal na forma de óleos) para o adequado funcionamento metabólico e hormonal. Já a gordura hidrogenada, a famosa gordura trans, essa sim deve ser excluída.

Publicidade

Dietas restritivas são prejudiciais

Dietas da moda que excluem, por exemplo, as proteínas, são extremamente prejudiciais aos indivíduos de qualquer idade. O consumo de proteínas em torno de 15% das nossas necessidades calóricas está relacionado a formação da massa magra, os músculos. A redução proteica exagerada leva à sarcopenia, que pode ser definida como a perda de músculos e a desnutrição.

A reeducação alimentar

De forma objetiva, a reeducação alimentar reduz o peso, reduz os níveis do colesterol e controla o nível da glicemia. Esses resultados impactam diretamente na incidência de hipertensão, aterosclerose e a possibilidade de acidentes vasculares cerebrais, aterosclerose coronariana e doença cerebrovascular.

O ideal é diminuir as quantidades gradualmente, para o corpo ir se acostumando com as porções menores. Porém, não é necessário excluir nenhum grupo para emagrecer ou ter um estilo de vida mais saudável. No caso dos produtos de reino vegetal, como frutas, legumes e verduras, o consumo de cinco porções diárias é extremamente necessário.

O segredo para diminuir quantidades e comer melhor está no consumo equilibrado, seja do que for. Nada em excesso faz bem e, ao mesmo tempo, o corpo precisa de todos os nutrientes para o funcionamento adequado do organismo.

Publicidade

 

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Publicidade