Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O impacto financeiro dos novos tratamentos do câncer

Os novos tratamentos contra câncer trazem resultados animadores, porém, alto impacto financeiro. O que fazer?

Pirro foi um grande general grego, rei do Épiro e da Macedônia, que invadiu o sul da Itália e derrotou os romanos. No entanto, seus exércitos sofreram tantas perdas que, ao ser parabenizado, respondeu que outra vitória como aquela seria seu fim.

Nos últimos anos, testemunhamos o renascimento da imunoterapia como tratamento do câncer. Novos conhecimentos sobre o controle de nossas defesas naturais e dos mecanismos utilizados pelos tumores para suplantá-las permitiram o desenvolvimento de tratamentos inovadores que têm se demonstrado extremamente ativos. Já temos comprovação de benefício em melanomas, tumores de pulmão e rins. A lista de potenciais alvos cresce diariamente.

O alto custo dos novos tratamentos

Na última semana, resultados animadores foram apresentados contra tumores de estômago, fígado, entre outros. Embora este sucesso deva ser comemorado por todos, não podemos deixar de sentir uma angústia crescente frente ao grande problema destes tratamentos: seu impacto financeiro. Terapias deste tipo podem facilmente chegar a centenas de milhares de reais por ano. A medida que as indicações aumentam, maior o impacto nas fontes pagadoras, privadas ou públicas. O que fazer?

O preço de um medicamento é muito difícil de se calcular. Depende dos investimentos em pesquisa, custo de produção, tempo de patente, impostos e expectativa de mercado. Afinal, as indústrias farmacêuticas são empreendimentos privados, que fazem grandes investimentos de altíssimo risco no desenvolvimento de novos produtos. Auferirem lucro é, portanto, justo. No entanto, um número maior de indicações, e portanto pacientes, candidatos ao mesmo tratamento deveria ser levado em consideração na precificação.

Custo versus benefícios

Hoje em dia, o custo destes tratamentos mais novos está sendo um ponto de difícil solução para seu uso em uma grande população de pacientes. Isso não afeta só o Brasil, mas outros países com economia mais desenvolvida que a nossa. Exatamente diante desse impasse, que é de suma importância, que nossos sistemas de regulação de pesquisa sejam aprimorados, modernizados, acompanhando tudo de novo que a ciência traz constantemente.

Isso acontecendo, mais pacientes terão a chance de participar de estudos clínicos com essas novas e promissoras medicações. Além disso, é uma maneira de estimular as indústrias farmacêuticas brasileiras a entrarem na luta contra a doença.

Limitações

A imunoterapia também apresenta limitações importantes a serem consideradas. Não se trata de um produto milagroso, e nem todos os pacientes com um determinado câncer responderão ao tratamento. Em certas situações, o benefício é mínimo e não justifica seu uso. Portanto, grandes esforços devem ser feitos para a identificação mais acurada possível dos pacientes que efetivamente podem se beneficiar deste tipo de terapia, poupando os que não responderiam do custo e dos efeitos colaterais.

Cabe a nós, médicos, também a obrigação de educar os pacientes e familiares sobre as limitações do tratamento e, evitarmos assim, a indicação sem uma base científica. Um tratamento com este custo tem que ser muito bem indicado.

Após suas vitórias desastrosas, Pirro soube como retirar-se de volta para a Grécia e terminou seus dias ainda como Rei. Da mesma forma, acredito que nossa sociedade tem o conhecimento e a maturidade para enfrentar o desafio que estas novas conquistas trazem ao nosso sofrido sistema de saúde, permitindo que todos os brasileiros possam se beneficiar dos avanços da medicina.

 

 (Ricardo Matsukawa/VEJA.com)

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista
Walmir Coutinho, endocrinologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s