Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Letra de Médico Por Cilene Pereira Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

O consumo de álcool e o risco de câncer de mama

No grupo feminino, 5.646 novos tumores foram relacionados com a ingestão de bebidas alcoólicas

Por Antônio Frasson Atualizado em 1 out 2018, 19h44 - Publicado em 1 out 2018, 16h13

O consumo de álcool vem aumentando mundialmente, especialmente pelas mulheres. As modificações do seu papel na sociedade, assim como fatores sociais e culturais estão relacionados ao maior consumo de bebidas desse tipo neste grupo. De acordo com o relatório da Organização Panamericana da Saúde (OPAS), as mulheres bebem preferencialmente cerveja, embora o consumo de vinho e destilados também tenha aumentado.

Além disso, o consumo tem começado mais cedo. A maioria da população tem conhecimento de que o uso abusivo de bebidas alcoólicas está relacionado a problemas de saúde, porém muitos desconhecem sua relação com o risco aumentado de desenvolvimento de neoplasias. O álcool contribui para o surgimento de tumores de boca, faringe, laringe, esôfago, estômago, fígado, intestino e mama, para mulheres na pré e pós-menopausa.

No Brasil, em 2012 foram diagnosticados 437.592 novos casos de câncer, excluindo o câncer de pele não melanoma. Destes, se estima que 4,8% sejam causados pelo consumo de álcool, ou seja, 21.000 novos casos por ano. No grupo feminino, 5.646 (2,6%) novos tumores foram relacionados com a ingestão de bebidas alcoólicas. Estimativas globais de 2012 mostraram que aproximadamente 144.000 novos casos de câncer de mama e 38.000 mortes pela neoplasia foram atribuídas ao consumo de álcool, sendo cerca de 18% destes casos em mulheres que consomem pequena quantidade de álcool.

Apesar de muitas mulheres acreditarem que apenas o uso abusivo do álcool aumenta as chances de desenvolvimento de tumores de mama, diferentes estudos têm demonstrado que o consumo de quantidades moderadas de álcool regularmente também estão associados com risco aumentado de neoplasia: mulheres que consomem cerca de três doses de bebidas alcoólicas por semana fazem parte desse grupo de risco. Por isso, evitar ou até mesmo diminuir o consumo de álcool são prevenções que todas devem adotar.

  • Risco aumentado

    Esta foi durante muito tempo uma dúvida para profissionais da saúde, muitas hipóteses foram geradas e uma pesquisa recentemente publicada respondeu a esta questão. Pesquisadores da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, demonstraram em estudo utilizando modelo animal que o álcool danifica permanentemente o DNA de células tronco do sangue aumentando a chance do surgimento de diferentes neoplasias, dentre elas a de mama.

    Continua após a publicidade

    O trabalho mostrou ainda que a enzima aldeído desidrogenase 2 (ALDH2) remove os acetaldeídos, subprodutos da metabolização do álcool, que permanecem no organismo. Entretanto, parte da população não possui esta enzima ou apresenta deficiência na atividade da mesma, o que os torna mais suscetíveis a doenças relacionadas à ingestão de bebidas etílicas.

    O consumo de álcool por mulheres e sua relação com o desenvolvimento de neoplasia de mama evidenciam a importância de programas de prevenção com foco na redução ou suspensão do uso de bebidas alcoólicas, poupando muitas mulheres de desenvolverem a doença. “O controle de câncer de mama deve priorizar a prevenção e a detecção precoce.”

     

    Doutor Antonio Frasson

     

    Quem faz Letra de Médico

    Adilson Costa, dermatologista
    Adriana Vilarinho, dermatologista
    Ana Claudia Arantes, geriatra
    Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
    Antônio Frasson, mastologista
    Artur Timerman, infectologista
    Arthur Cukiert, neurologista
    Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
    Bernardo Garicochea, oncologista
    Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
    Claudio Lottenberg, oftalmologista
    Daniel Magnoni, nutrólogo
    David Uip, infectologista
    Edson Borges, especialista em reprodução assistida
    Fernando Maluf, oncologista
    Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
    Jardis Volpi, dermatologista
    José Alexandre Crippa, psiquiatra
    Ludhmila Hajjar, intensivista
    Luiz Rohde, psiquiatra
    Luiz Kowalski, oncologista
    Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
    Marianne Pinotti, ginecologista
    Mauro Fisberg, pediatra
    Miguel Srougi, urologista
    Paulo Hoff, oncologista
    Paulo Zogaib, medico do esporte
    Raul Cutait, cirurgião
    Roberto Kalil, cardiologista
    Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
    Salmo Raskin, geneticista
    Sergio Podgaec, ginecologista
    Sergio Simon, oncologista  

    Continua após a publicidade
    Publicidade