Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mitos e verdades sobre a maconha

Para especialista, antes de discutir a legalização é preciso entender os efeitos da maconha para a saúde física e mental

Com o passar dos anos e o aumento da polêmica sobre sua legalização ou não, a maconha tem sido cada vez mais discutida, tanto pela mídia como pela área científica em geral. O Relatório Mundial Sobre Drogas de 2018 mostrou que a cannabis foi a droga mais consumida em 2016, com 192 milhões de pessoas utilizando-a ao menos uma vez no período de um ano.

Com a popularidade do tema, várias informações desencontradas sobre o assunto começam a surgir. Existem diversos mitos e verdades sobre a substância e vamos discorrer um pouco mais sobre eles ao longo deste texto.

A maconha é um remédio

Mito. Partindo do princípio de que remédio é qualquer substância ou recurso utilizado para obter cura ou alívio, percebemos que esse não é o caso da maconha, que é um alucinógeno e não um fármaco. Afirmo novamente que existe uma enorme diferença entre o ato de fumar a droga e o uso terapêutico de uma substância presente em sua composição. Realmente, a cannabis sativa, planta que dá origem à maconha, possui mais de 500 elementos. Dentre eles podemos destacar dois: o canabidiol (CBD) e tetra-hidrocanabinol, o conhecido THC (princípio ativo da maconha).

Alguns componentes da cannabis sativa extraídos em laboratório são utilizados para a fabricação do canabidiol  e do THC. Ambos são liberados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para determinados fins. O canabidiol, por exemplo, é utilizado para tratamento de epilepsia.

Assim, é importante diferenciar a maconha de parte de seus componentes. O canabidiol não provoca alucinações, não contém o THC, sendo, portanto, um medicamento. Já a maconha é uma substância psicoativa perturbadora do sistema nervoso central, que causa dependência, problemas respiratórios, alterações da atenção, concentração e memória, dentre outros problemas.

A maconha é uma droga relativamente inofensiva, por isso deve ser legalizada

Novamente, mito. Antes de se argumentar sobre uma possível legalização, a discussão deveria ser: qual o impacto que o uso da maconha tem na saúde, principalmente mental, das pessoas? A maconha, como droga perturbadora do sistema nervoso central, pode causar dependência e até psicose em pessoas que já têm a predisposição para essa doença. Portanto, de inofensiva não tem nada. Sou médico, estudioso do assunto e não posso aceitar o fácil acesso a substâncias que podem causar dependência e o crescimento de doenças psiquiátricas.

É importante considerar que, além do risco da dependência, da síndrome amotivacional, dos efeitos agudos e crônicos causados pelo uso da maconha, com a sua legalização provavelmente teremos muitos problemas idênticos aos causados pelas drogas lícitas, o álcool e o tabaco. Vale destacar ainda uma sobrecarga ao Sistema Único de Saúde (SUS) e que o uso de drogas não prejudica apenas o usuário, é um problema que atinge toda família, bem como a sociedade.

Sabemos que a facilitação para portar drogas vai aumentar o consumo e o número de dependentes, lembrando que do ponto de vista da saúde pública é inadequado legalizar as drogas para fins recreativos. O ideal seria promover a prevenção e realizar tratamento especializado baseados em evidências e não em ideologia, como, por exemplo, a desculpa mais comum dos defensores da legalização: eliminar o mercado do tráfico da maconha. As organizações criminosas serão favorecidas com a legalização, já que o número de usuários e dependentes aumentará e, assim, os traficantes expandirão cada vez mais suas vendas, como já fazem com o álcool e cigarro (sejam falsificados ou contrabandeados).

A maconha é a porta de entrada para o uso de outras drogas consideradas mais pesadas

Depende. Trata-se de uma questão polêmica, que gera discussões. O que se sabe é que a pessoa que já usou maconha está mais propensa a experimentar outras substâncias psicoativas do que o outro que nunca sequer experimentou maconha.

A erva causa síndrome de abstinência

Verdade. A síndrome de abstinência de maconha tem sido descrita por sintomas que desaparecem com a retomada do consumo. Os principais são: desconforto generalizado, fissura, diminuição do apetite, perda de peso, inquietação, problemas para dormir, agressividade, irritabilidade, tremores, angústia, cansaço, sonhos estranhos e sintomas depressivos.

A droga não atinge ou prejudica as funções cognitivas

Mito. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou em relatório que vê indícios de que o uso diário da maconha durante anos produz perdas persistentes de memória e cognição, especialmente quando seu uso começa na adolescência. A maconha age principalmente nas áreas cerebrais responsáveis pela coordenação, percepção do tempo e espaço, julgamento e memória, além de atingir indiretamente o sistema de recompensa cerebral, podendo afetar o funcionamento do indivíduo no dia a dia.

O uso da erva pode desencadear quadros psicóticos

Verdade. A maconha pode estar relacionada com o surgimento de quadros psicóticos em pacientes com alguma suscetibilidade, agindo como fator desencadeante. Em altas doses, proporciona alucinações e delírios paranóicos, sintomas maníacos e alteração do humor, gerando quadro semelhante ao da esquizofrenia ou, quando esta já está presente, piorando sua apresentação.

O dependente de maconha não necessita de tratamento

Mito. Sim, ele necessita por vários motivos, como para tratar a dependência ou a síndrome de abstinência. O tratamento se faz necessário também devido ao aparecimento de quadros psicóticos, outras doenças psiquiátricas (como a depressão) ou para tratar outros males relacionados ao uso de maconha, como prejuízos nas funções cerebrais como memória, atenção e iniciativa intelectual.                                                                        

Essa afirmação é muito comum, pois a maioria dos dependentes de maconha encontra-se no estágio da pré-contemplação, ou seja, o usuário não encara seu uso como problemático ou causador de problemas, tampouco considera algum tipo de mudança. Geralmente não busca ajuda ou mesmo tratamento voluntariamente, e sim por pressão dos pais, da família, pedido da escola, do trabalho ou por questões relacionadas com a justiça.

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida

Eduardo Rauen, nutrólogo
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Franklin Torres

    Reportagem mais mentirosa só se escrever de novo

    Curtir

  2. Andrew Slovak

    “Sou médico, estudioso do assunto e não posso aceitar o fácil acesso a substâncias que podem causar dependência e o crescimento de doenças psiquiátricas.” Parece piada isso

    Curtir

  3. Caio Fonseca

    Prof. Ronaldo quero parabenizá-lo pelo excelente conteúdo apresentado em seu texto. Muitos podem não aceitar a realidade científica dos fatos, mas a verdade precisa ser apresentada.

    Curtir