Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Letra de Médico Por Cilene Pereira Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

Dor de barriga é muito comum na infância

A dor de barriga em crianças nem sempre necessita de tratamento. Tentar entender a causa do problema é essencial para evitar intervenções desnecessárias

Por Mauro Fisberg 23 jan 2017, 12h40

A dor de barriga ou dor abdominal é um sinal muito frequente na criança e adolescente. Apesar de bastante comum, nem sempre necessita de tratamento, e tentar entender a causa do problema é muito mais importante para evitar medicamentos ou intervenções de longo prazo sem necessidade.

A cólica do recém-nascido pode aparecer muitas vezes logo após o nascimento e, apesar de ser considerada um fato normal para o desenvolvimento da criança, assusta muito os pais e muitas vezes, também o pediatra. Quase a metade das crianças tem espasmos e cólicas, gases frequentes e irritabilidade. A ansiedade dos pais pode agravar o problema e, se as crises forem repetitivas, levam o profissional de saúde a mudar o esquema de alimentação dos bebês. Já vimos até a retirada do aleitamento materno por causa de cólicas mal manejadas. Se a criança está tomando leites artificiais, começa o troca-troca de produtos, sem diagnóstico clínico adequado. Existem hoje inúmeras fórmulas lácteas que foram desenhadas pela indústria para modificar a ocorrência de gases, cólicas, regurgitação, fezes amolecidas ou endurecidas. Essas fórmulas não são mágicas, e o pediatra deve entender o que está ocorrendo, antes de modificar a alimentação do bebê.

Devemos lembrar que, na linguagem popular, a cólica ou dor de barriga é muitas vezes associada ao funcionamento do intestino, tanto a diarreia como a constipação. É frequente, quando a criança reclama de dor de barriga, que os pais sugiram que ela “vá ao banheiro, que passa…”.

No entanto, a dor abdominal aguda pode ter muitas causas, desde uma simples alteração do ritmo intestinal, com cólicas associadas, até doenças mais importantes, de condição cirúrgica. Devemos prestar atenção a todos os outros sinais e sintomas que estão presentes juntamente com a dor. É essencial anotar a frequência, em que local ou atividade acontece a dor, se há febre, alterações de pele, do ritmo do intestino, sinais de alergia, náusea e vômitos, perda de peso e outros. Faz parte da história clínica ver investigar se mais alguém da família tem queixas abdominais, como úlceras, constipação intestinal, diarreias e outros sinais. Pode haver uma herança genética ou uma cópia de comportamento dos pais por parte das crianças. Se algum dos sintomas acima estiver relacionado a dor abdominal, o pediatra deve ser acionado imediatamente.

As dores funcionais são bastante frequentes, e podem aparecer em 15 a 20% das crianças maiores e adolescentes. Quase sempre os exames bioquímicos ou radiológicos são normais, e as dores resistem a sintomáticos. Muitas vezes na vigência de uma dor crônica mal diagnosticada, recorre-se à retirada total de grupos de alimentos, sem uma justificativa clara. Assim, a retirada de derivados lácteos, glúten (proteína dos cereais mais comuns) ou outros alimentos acaba acontecendo, restringindo ainda mais a dieta das crianças.

Cabe ao pediatra fazer o primeiro diagnóstico do que está ocorrendo, lembrando que algumas situações podem estar acontecendo sem sinais claros. Uma infecção urinária em crianças pequenas pode estar ocorrendo sem a presença de queixas de dor ou modificação da cor, volume ou aspecto da urina. A enorme quantidade de crianças ou adolescentes que tem dor de barriga de forma crônica obriga o profissional de saúde a pensar em uma triagem mais ampla de problemas, que vão desde uma queixa apenas para que a criança falte à escola ou a alguma atividade social, até doenças mais complexas. Quando esgotadas as possibilidades, um especialista, quase sempre o gastroenterologista pediátrico, deve ser consultado. Busca-se com isso afastar a presença de doenças e pensar nas situações funcionais, que vão exigir muitos cuidados de orientação e seguimento, para impedir que as queixas tenham grande duração e que possam impedir a vida normal da criança ou adolescente.

letra-de-medico-mauro-fisberg

                                                            Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Continua após a publicidade
Publicidade