Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Letra de Médico Por Adriana Dias Lopes Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

De acne a depressão: o botox previne mais do que rugas

Essa substância, normalmente usada em procedimentos de beleza, também pode ajudar no tratamento de outras doenças

Por Jardis Volpe Atualizado em 7 Maio 2018, 14h41 - Publicado em 7 Maio 2018, 14h40

A toxina botulínica já é uma velha conhecida na hora de corrigir rugas e marcas de expressões, sendo um dos procedimentos estéticos não cirúrgicos mais realizados no Brasil e no mundo. Ela age interrompendo a ação entre o nervo motor e o músculo, o que paralisa a musculatura. Desse modo, eliminamos as rugas, já que estas são consequências da contração muscular. Porém, com o avanço da ciência e das pesquisas no campo, novas – e até curiosas – indicações para o uso da toxina botulínica surgiram.

Acne – O tratamento da acne com o auxílio da toxina botulínica ainda está sendo estudado. Porém, a experiência clínica de diversos dermatologistas mostra melhora nas espinhas após o uso da substância, principalmente devido a sua ação anti-inflamatória e de redução da oleosidade, com melhora também nos poros abertos em aplicação mais superficial.

Rosácea – Doença inflamatória crônica que deixa a pele extremamente sensível e é caracterizada pelo surgimento de bolinhas e vermelhidão na região das bochechas, queixo, testa e nariz, a rosácea também pode ser tratada com toxina botulínica. Nesse caso, ela age diminuindo a inflamação e regulando o fluxo sanguíneo nos vasos, o que melhora o avermelhamento causado pela rosácea.

Para afinar o rosto – Ao tratar o bruxismo, com a aplicação do produto no masseter (músculo da mastigação), médicos notaram que o método afina o rosto. Dessa forma, é indicado para as mulheres que querem ter um rosto em formato de V. Outra aplicação é na flacidez de pescoço, quando o músculo platisma puxa o pescoço para baixo durante sua contração.

  • Depressão – Emoções negativas como raiva, medo e tristeza, que prevalecem na depressão, estão associadas com a ativação dos músculos corrugador e prócerus na região glabelar da face. O tratamento da região glabelar com toxina botulínica produz mudança relativa nas expressões faciais de nervoso, tristeza e medo para expressão de felicidade, podendo impactar no emocional, segundo estudo da Universidade do Texas.

    Cicatrizes – Há benefícios também no uso da toxina botulínica para auxiliar a cicatrização adequada. Ela pode ser usada preventivamente já no dia da cirurgia ou quando há necessidade de dar pontos na pele para reduzir a tensão local e auxiliar na cicatrização adequada. Para cicatrizes avermelhadas, também tem um papel de melhora.

    Continua após a publicidade

    Hiperidrose – Caracterizada por transpiração excessiva em áreas específicas do corpo, principalmente mãos, pés, axilas, face e couro cabeludo, a hiperidrose é uma condição comum que atinge cerca de 3% da população mundial e pode desencadear problemas psicológicos, sociais e ocupacionais. A toxina botulínica mostrou-se um método seguro e eficaz para o tratamento da doença, pois a substância bloqueia a liberação do suor pelas glândulas sudoríparas na área, sem aumentá-la em outros lugares do corpo.

    Além dessas novas aplicações, novos estudos estão em desenvolvimento, dentre os quais: nova toxina que pode durar 50% mais tempo que as convencionais; e aplicação para dores musculares crônicas a fim de reduzir o consumo de opióides.

     

     

    Quem faz Letra de Médico

    Adilson Costa, dermatologista
    Adriana Vilarinho, dermatologista
    Ana Claudia Arantes, geriatra
    Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
    Antônio Frasson, mastologista
    Artur Timerman, infectologista
    Arthur Cukiert, neurologista
    Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
    Bernardo Garicochea, oncologista
    Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
    Claudio Lottenberg, oftalmologista
    Daniel Magnoni, nutrólogo
    David Uip, infectologista
    Edson Borges, especialista em reprodução assistida
    Fernando Maluf, oncologista
    Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
    Jardis Volpi, dermatologista
    José Alexandre Crippa, psiquiatra
    Ludhmila Hajjar, intensivista
    Luiz Rohde, psiquiatra
    Luiz Kowalski, oncologista
    Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
    Marianne Pinotti, ginecologista
    Mauro Fisberg, pediatra
    Miguel Srougi, urologista
    Paulo Hoff, oncologista
    Paulo Zogaib, medico do esporte
    Raul Cutait, cirurgião
    Roberto Kalil, cardiologista
    Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
    Salmo Raskin, geneticista
    Sergio Podgaec, ginecologista
    Sergio Simon, oncologista

    Continua após a publicidade
    Publicidade