Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Letra de Médico Por Cilene Pereira Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

Olheiras: os principais tratamentos para eliminá-las

Olheira tem solução, mas para um tratamento adequado e eficaz, é importante o diagnóstico adequado da causa do problema

Por Adriana Vilarinho Atualizado em 30 jun 2017, 12h08 - Publicado em 30 jun 2017, 12h00

Cada vez mais o tratamento de olheiras tem sido pauta frequente no consultório dermatológico. Para o tratamento adequado, é importante diagnosticarmos a causa da olheira, o que interfere diretamente na escolha do tipo de tratamento que será realizado.

Tipos de olheira e melhores tratamentos para cada uma

Basicamente existem quatro causas de olheiras:

  1. Olheira profunda ou estrutural – Geralmente de causa genética, ocorre por falta de tecido na região, formando uma sombra na goteira lacrimal, o que deixa o aspecto de “olhos fundos”. Pessoas que emagrecem muito podem também apresentar esse tipo de olheira e algumas pessoas com o envelhecimento tem perda de massa óssea, o que acaba por também deixar esse sulco mais pronunciado.
    O tratamento mais adequado para esses casos é o preenchimento com ácido hialurônico, que corrige a depressão na goteira lacrimal e deixa com aspecto bem natural.
  2. Olheira com componente vascular – De coloração mais arroxeada, azulada ou avermelhada ocorre por um aumento da vascularização local ou por depósito de hemossiderina (um componente da degradação das hemácias). Pioram com cansaço, com a alteração da circulação local e são mais visíveis quando a pele é muito fina, deixando os vasos dessa região mais aparentes.
    O tratamento mais indicado para esse tipo é realizado com lasers que atingem os vasos – Nd:YAG ou Dye Laser. Pode ser realizado preenchimento com ácido hialurônico em pacientes que tenham pele muito fina nessa região. Podem ser utilizados cremes com substâncias que ativem a circulação local, como cafeína, nodema, ginkgo biloba.
  3. Olheira com componente pigmentar – De coloração mais castanha, ocorre por deposição de melanina (pigmento) na pele. Tem também tendência genética, mais frequente em pacientes com pele morena e é muito comum em pacientes com antecedente de rinite (alérgicos).
    O tratamento desse tipo de olheiras pode ser feito com cremes que possuam substâncias clareadoras como alfa arbutin, ácido tranexâmico, ácido tioglicólico e além disso podem ser feitos peelings seriados ou lasers que atingem o pigmento como a luz intensa pulsada, QSwitched Nd:YAG ou mais atualmente o laser de Picosegundos. Se houver flacidez da pele associada pode ser realizado laser de CO2 ou microagulhamento com radiofrequência local com drug delivery de substâncias clareadoras.
  4. Olheira mista – Tipo mais comum de olheira, é uma combinação dos subtipos listados acima.
    Nesses casos a combinação de tratamentos é a melhor opção.

 

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Continua após a publicidade
Publicidade