Clique e assine a partir de 9,90/mês
Letra de Médico Por Adriana Dias Lopes Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

Apareceu um mioma uterino no exame de ultrassom: e agora?

Oito em cada dez mulheres vão ter o problema ao longo da vida

Por Sergio Podgaec - Atualizado em 7 nov 2017, 19h24 - Publicado em 6 nov 2017, 12h46

Uma mulher faz um ultrassom pélvico ou transvaginal solicitado por seu ginecologista como parte da rotina dos exames periódicos e se depara com o resultado indicando a presença de um “nódulo uterino sugestivo de mioma”. Essa situação é extremamente frequente e, muitas vezes, a informação contida no laudo do exame irá gerar dúvidas e um certo grau de ansiedade. Fato é que a maioria das mulheres, cerca de 80%, vai ter um mioma no útero durante a vida e, para grande parte delas, isso não vai ter nenhum significado!

Nódulos

Miomas são nódulos que se desenvolvem de células do músculo uterino, provavelmente por alterações genéticas e que têm comportamento variável em relação ao crescimento, ou seja, podem ou não aumentar de tamanho com o passar do tempo. Além disso, a importância clínica dos miomas varia com a posição deles no útero. Se estiverem localizados mais externamente, em geral, não provocam qualquer sintoma, exceto se muito volumosos (acima de 7 ou 8cm), quando podem provocar aumento do volume abdominal e vontade de urinar com frequência, de forma similar à gravidez (que também faz o útero crescer e pressionar a bexiga). Quando na parede do útero, também não provocam muitos sintomas, exceto se crescerem, podendo causar dor pélvica e aumento do fluxo menstrual. Por fim, os miomas podem surgir dentro da cavidade uterina, esses sim causam normalmente aumento mais intenso do fluxo menstrual, mesmo os de pequenas dimensões.

Vemos assim, que a simples presença de um mioma só terá importância se provocar algum sintoma, que surge dependendo do tamanho e da posição desse nódulo uterino. No entanto, na maioria das vezes, os miomas permanecem pequenos, sem provocar qualquer alteração clínica. Um seguimento com o ginecologista consegue facilmente monitorizar essa situação tão comum para as mulheres.

Médico Sergio Podgaec

Continua após a publicidade

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Publicidade