Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A saúde paga caro pelo ‘barato’ das drogas

O tema do Dia Mundial da Saúde, “Saúde para Todos”, levanta uma questão: estamos lidando corretamente com a discussão sobre a legalização das drogas?

Hoje em dia é extremamente comum vermos a banalização do consumo de certas drogas, como o álcool ou a maconha, que inclusive está sendo legalizada em alguns países. Tal banalização não começou agora, vem se desenvolvendo há anos e, sem dúvidas, gera uma série de conseqüências para a sociedade e, principalmente, para o usuário. Porém, quais seriam elas?

Este é um cenário que diversos especialistas no mundo inteiro buscam entender. No caso da maconha, um grupo deles, liderados pela pesquisadora Yvonne Terry-McElrath, da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, analisou padrões de consumo de aproximadamente 10.000 usuários de cannabis participantes do estudo “Monitorando o Futuro”, do Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas dos Estados Unidos. Estes usuários relataram suas experiências com drogas dos 18 aos 50 anos, a partir de 1976.

Consequências do uso de maconha

A principal conclusão a que chegaram é que o uso de maconha está relacionado ao desenvolvimento de problemas de saúde no decorrer da vida, em comparação com quem não consome a droga. Os pesquisadores identificaram duas categorias principais de usuários: uso moderado (71% dos participantes) e uso abusivo (29%). Estas categorias resultaram em um total de seis subdivisões, que vão do “uso decrescente ou interrompido aos 21/22 anos” até “uso abusivo e contínuo aos 50 anos”.

Com os dados em mãos, os estudiosos concluíram que todos os padrões de uso estavam associados com atendimentos psiquiátricos recentes ou problemas psiquiátricos até os 50 anos. Além disso, os resultados indicaram que os padrões de uso persistentes estavam relacionados a dificuldades cognitivas dos usuários, doenças físicas e problemas com uso de álcool até os 50 anos.

Os pesquisadores indicam que, apesar de não ser possível afirmar que a maconha necessariamente seja a causa dos problemas de saúde dos usuários, existe uma correlação com o fato, pois, dentre os participantes, os que fizeram uso persistente da droga reportaram níveis maiores de problemas de saúde. Tais dados permaneceram mesmo após a aplicação de controles demográficos e de características comportamentais.

O que é importante notarmos é que esse estudo compreende períodos que contavam com políticas de proibição ao consumo de drogas. Imagine agora o quadro com o consumo de mais substâncias sendo liberado, como está acontecendo em diversos estados americanos com a cannabis? Com certeza nesses locais existe o risco do consumo de maconha tornar-se similar ao de álcool, por exemplo, trazendo consigo todas as consequências negativas tão conhecidas pela sociedade e também pela medicina.

Veja também

Estes e outros estudos nos fazem questionar se a atual corrente em busca da legalização das drogas lida com a questão do uso de substâncias psicoativas da forma correta. Não apenas da maconha, do álcool também. Tal pergunta deve ser feita, afinal, o tema do Dia Mundial da Saúde (07/04) deste ano foi “Saúde para todas e todos. Em todos os lugares”. 

A promoção de saúde não é apenas a oferta de tratamento – ela passa pela prevenção também. Ao defenderem a legalização de mais uma droga, os representantes de governos estão realmente ofertando “saúde para todas e todos”? Não estariam eles ignorando o exemplo do tabaco e do álcool, substâncias legalizadas que provocam dependência química, transtornos mentais e físicos? Os prejuízos causados apenas por estas duas drogas à vida dos usuários e também ao sistema de saúde pública são monumentais!

Existem inúmeros exemplos de como lidar com o assunto realmente em prol da saúde da população. Recentemente falei aqui no blog sobre o exemplo dado ao mundo pela Islândia, mas não precisamos ir tão longe. Em São Paulo, temos a primeira rede estadual de tratamento de dependentes químicos do Brasil, o Programa Recomeço, que busca lidar com a questão da dependência química em diversas frentes, com mais de 3 mil vagas disponíveis de maneira totalmente gratuita à população.

O tema do Dia Mundial da Saúde de 2018 é muito pertinente quando pensamos nestes assuntos. O papel dos governantes e também de nós, especialistas em saúde, é garantir que a promoção de saúde, prevenção e tratamento cheguem a todos. Para isso, é preciso questionar: o que realmente atende aos interesses do país e de seus habitantes? Dependendo da resposta, não há mal algum em corrigir o rumo, buscando o melhor para todos.

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Cassio Wiemes

    Dr Ronaldo, sua argumentação é falha porque a proibição não impede ninguém de adquirir maconha, diametralmente o oposto disso, hoje é muito mais fácil para um adolescente adquirir maconha do que álcool justamente por não haver regulação.
    O senhor já esteve no Brasil? Seu desconhecimento é tamanho que parece ter vindo de outro planeta.

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    Esta é a questão. Não existe tratamento e rede de graça. Quem paga é o cidadão trabalhador. O cidadão produtivo.

    Curtir

  3. Paulo Bandarra

    Infelizmente se minimiza a tragédia do consumo de álcool.

    Curtir

  4. Paulo Bandarra

    E a proposta não se restringe a liberação da maconha, mas todas as drogas.

    Curtir

  5. Paulo Bandarra

    Além do traficante não irá virar trabalhador de carteira assinada, mas migrará para outro ramo criminoso apenas.

    Curtir

  6. Cassio Wiemes

    Dr Ronando, seu artigo sobre a Islândia está impecável, mas com que base o senhor afirma que a proibição diminui o consumo? Poderia me citar um lugar no mundo onde a proibição resultou em diminuição do consumo? Poderia me dizer um ponto positivo atingido com a proibição?
    O senhor não pensa a questão do ponto de vista do usuário. Lhe explico porque a proibição não surte qualquer efeito: Quando um traficante é preso, imediatamente é substituído e a distribuição segue inalterada, apenas o governo terá que gastar para mantê-lo preso.
    Concordo que o uso de drogas causa danos, mas a proibição é ordens de grandeza pior. A proibição não é a solução, a proibição é o problema.

    Curtir