Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Pfizer e Moderna preveem fim da pandemia em 2022, com prevenção contínua

Covid-19 obrigou a indústria de medicamentos a uma revolução corporativa, com mudanças na pesquisa, produção, digitalização, e desburocratização de decisões

Por José Casado Atualizado em 27 set 2021, 13h50 - Publicado em 27 set 2021, 08h00

A pandemia como se conhece hoje deve acabar em alguns meses, acham Albert Bourla, presidente da Pfizer, e Stéphane Bancel, principal executivo da Moderna. Eles preveem volta à vida normal  “em um ano”.

Bourla e Bancel comandam empresas responsáveis pela pesquisa e desenvolvimento bem-sucedido de vacinas contra a Covid-19 em tempo recorde — o processo levava uma década mas foi abreviado para um ano.

A pandemia obrigou a indústria de medicamentos a se arriscar numa revolução corporativa. Foram introduzidas mudanças na estrutura de pesquisa, desenvolvimento, produção, com digitalização integral, em todas as etapas, e principalmente, desburocratização do processo interno de tomada de decisões, transferindo-se iniciativa e responsabilidade a escalões inferiores da gerência.

O êxito de parcerias, como a da Pfizer com a  BioNTech na vacina contra a Covid-19, alavanca perspectivas de mais inovação e aumento progressivo no faturamento. No caso da Pfizer, neste ano, para um recorde de vendas estimado em US$ 15 bilhões (cerca de R$ 80 bilhões). O melhor retorno, no entanto, tem sido na imagem pública da indústria farmacêutica em todo o mundo.

Bourla, da Pfizer, vê o retorno a um padrão de vida próximo da normalidade pré-pandemia como absolutamente possível, desde que observadas algumas cautelas.

Continua após a publicidade
.
Albert Bourla, presidente da Pfizer — Reprodução/ This Week, ABC News/VEJA

Uma delas é a vacinação contínua, anualmente, porque o vírus continuar se propagando com novas variantes”, disse ao programa This Week da rede americana ABC News, no fim de semana.

Porém, como se trata de Ciência, acha necessário “esperar e ver os dados” sobre extensão da imunização contra variantes.

.
Stéphane Bancel, diretor-executivo da Moderna — Reprodução/ Moderna/VEJA

Bancel, da Moderna, acredita que até meados de 2022 haverá produção em escala suficiente para vacinar toda a população do planeta.

Na sequência, vai se manter uma rotina de prevenção. A agência estatal americana FDA, equivalente à brasileira Anvisa, considera necessária extrema cautela com vacinações de reforço em massa, de forma indiscriminada.

Bancel supõe que o reforço será aplicado de maneira diferenciada por faixa etária: vacinação anual para os mais velhos e a cada três anos para jovens — exemplificou em entrevista ao repórter Giorgio V. Müller, do jornal suíço Neue Zürcher Zeitung.

Continua após a publicidade
Publicidade