Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
José Casado Por José Casado Informação e análise

Auditoria mostra auxílio emergencial como um caso de sucesso

Revisão pedida por CGU e TCU identificou R$ 249 milhões em irregularidades cadastrais, somente 0,08% do programa que transferiu R$ 294 bilhões aos pobres

Por José Casado Atualizado em 25 jul 2021, 01h58 - Publicado em 25 jul 2021, 09h30

O governo tem motivos para celebrar o êxito do programa de auxílio emergencial na pandemia, de acordo com dados recebidos pela CPI do Senado.

Em 2020 foram transferidos mais de R$ 294 bilhões. O dinheiro chegou aos bolsos de 68,2 milhões de adultos inscritos no cadastro único de programas sociais.

São provedores de famílias integradas por 118,7 milhões de brasileiros — 55,8% da população.

A rapidez da operação, coordenada com a Dataprev e a Caixa Econômica Federal, surpreendeu pelo padrão habitualmente lento da burocracia.

Casos pontuais de desvios foram registrados — a polícia Federal abriu um milhar de inquéritos. E motivaram pedidos de revisão, ainda no ano passado, da Controladoria Geral e do Tribunal de Contas da União.

Continua após a publicidade

As suspeitas começaram em R$ 40 bilhões, no terceiro trimestre de 2020. Caíram para R$ 10 bilhões, em dezembro.

O Ministério da Cidadania passou os últimos seis meses auditando o programa. Concluiu que conceitos, bases de dados e metodologias diferentes induziram a CGU e o TCU a erros de avaliação dos dados dos beneficiários inscritos no cadastro único federal.

“Não há indícios de fraudes”, comunicou o ministério à CPI da Pandemia na semana passada. Foram, sim, encontrados pagamentos de R$ 249 milhões a pessoas beneficiárias que não atendiam os critérios estabelecidos. Esse valor representa 0,08% do total transferido. E cerca de R$ 15 milhões “já foram devolvidos”.

O auxílio emergencial foi um caso de sucesso governamental em 2020, em plena pandemia. No Congresso, até hoje não se entende por que Jair Bolsonaro decidiu, de forma abrupta, suspender a partir de janeiro a ajuda à maioria pobre, todos portadores de título de eleitor.

Saiu de R$ 294 bilhões no dia 31 de dezembro para o zero absoluto no 1º de janeiro. O presidente ainda levou cerca de quatro meses para entender que havia dado um tiro no pé do candidato à reeleição. Agora Bolsonaro se diz convencido de que, a exemplo de Lula com o Bolsa Família, terá um trunfo eleitoral para a disputa de 2022.

Continua após a publicidade
Publicidade