Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Spike Lee volta a denunciar o racismo americano em ‘Destacamento Blood’

No longa da Netflix, o diretor prossegue seu diálogo sobre o que é ser negro nos EUA Diante dos fatos recentes, o filme soa ameno — mas não menos oportuno

Por Isabela Boscov Atualizado em 22 jul 2020, 16h30 - Publicado em 12 jun 2020, 06h00

Nos dias de hoje, quatro velhos amigos se reúnem em um hotel confortável na cidade de Ho Chi Minh: Otis (Clarke Peters), Paul (Delroy Lindo), Melvin (Isiah Whitlock Jr.) e Eddie (Norm Lewis) combateram na Guerra do Vietnã, nos anos 60, e deixaram para trás no Sudeste Asiático um companheiro morto e um tesouro — um baú de barras de ouro, perdido na mesma ação em que morreu seu comandante e amigo idolatrado, Norman (Chadwick Boseman, o Pantera Negra). A ideia é retornar ao ponto da selva em que tudo se passou cinco décadas antes para recuperar os restos mortais de Norman e, de quebra, o butim. Assim, com um roteiro inspirado no clássico de 1948 O Tesouro de Sierra Madre, de John Huston, e que transita do cômico para o dramático, o diretor Spike Lee expande em Destacamento Blood (Da 5 Bloods, Estados Unidos, 2020), disponível na Netflix, um diálogo que vem travando ininterruptamente com a plateia desde sua estreia — uma discussão sobre as incontáveis maneiras em que ser negro, nos Estados Unidos, é completamente diferente de ser branco. O debate começa na própria existência de Destacamento Blood: os soldados negros na Guerra do Vietnã somavam o dobro de sua proporção na população americana, mas até hoje se contam nos dedos de uma mão os filmes que tratam do conflito sob a perspectiva deles.

+ Compre o filme Malcom X, de Spike Lee
+ Compre o livro Infiltrado na Klan
+ Compre o e-book Spike Lee, the Eternal Maverick

Desde o início, enquanto bebem e jogam conversa fora no bar do hotel, os quatro amigos sentem a força não só do que sempre os uniu, como também do que agora os separa: vidas muito diversas e, consequentemente, pontos de vista divergentes (Paul, o mais amargo do grupo, deixa os amigos entre o desconsolo e a indignação quando declara ser um eleitor de Donald Trump). Em uma excelente fase, puxada pelo recente Infiltrado na Klan, Lee tem se dedicado a frisar que a “experiência negra” nada tem de homogênea, exceto em um particular — o de que há 155 anos a promessa de igualdade deixa de ser cumprida de forma acintosa, e frequentemente violenta. Diante do chocante assassinato de George Floyd por policiais brancos de Minneapolis, das manifestações que tomaram as ruas dos Estados Unidos desde então e das odiosas reações divisivas de Trump, Destacamento Blood talvez pareça ameno. Mas não é menos oportuno, tampouco menos lúcido.

VEJA RECOMENDA | Conheça a lista dos livros mais vendidos da revista e nossas indicações especiais para você.

Publicado em VEJA de 17 de junho de 2020, edição nº 2691

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


Malcom X, de Spike Lee

Infiltrado na Klan

Spike Lee, the Eternal Maverick

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade