Clique e assine com 88% de desconto
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

É oficial: Amazon já está preparando série de “O Senhor dos Anéis”

História vai se passar na Segunda Era da Terra Média, antes dos eventos da trilogia de Peter Jackson

Por Isabela Boscov - Atualizado em 4 set 2019, 18h09 - Publicado em 4 set 2019, 17h09

Nenhuma série jamais entrou em produção com um preço tão alto: pelo menos 1 bilhão de dólares. Isso é o que – por baixo – a Amazon vai investir nas duas primeiras temporadas, de um total de pelo menos cinco, de seu O Senhor dos Anéis. Só pelos direitos, a plataforma pagou o recorde de 250 milhões de dólares. E, assim mesmo, teve de concordar com algumas regras bem rigorosas impostas pelos herdeiros do autor J.R.R. Tolkien: vai ter de seguir com fidelidade as linhas do tempo e tramas que ele estabeleceu em seu vários escritos sobre o tema (uma ótima notícia para os fãs mais zelosos), e tem de estrear em pelo menos dois anos (o que evita enrolação e desistência). Outras coisas que se sabe com certeza até aqui: hoje o americano Will Poulter, de Detroit, O Regresso e Midsommar, foi escalado para um papel ainda não revelado, assim como o da australiana Markella Kavenagh, recrutada algumas semanas atrás; a história vai se passar – ou pelo menos começar – na Segunda Era da Terra Média, período anterior à Terceira Era em que transcorre a trilogia de Peter Jackson; e a Nova Zelândia, novamente escolhida como locação principal, está em polvorosa com a chegada iminente desse circo, que deve movimentar seus negócios com intensidade igual ou maior que a filmagem da trilogia.

O Senhor dos Anéis
Mapa da Terra Média Amazon/Divulgação

A Segunda Era é um período que o cinema e a TV ainda não exploraram. É o trecho da história em que os anéis do poder – inclusive o anel de Sauron – foram forjados, e em que Sauron foi derrotado (não para sempre, como se sabe) pela Última Aliança dos Homens. A série, portanto, levará o espectador a locais que ele nunca teve chance de ver recriados, como a ilha de Númenor, que tem papel de destaque nos acontecimentos. A confirmação de que essa é a fase escolhida veio nos mapas que a Amazon divulgou meio de surpresa em março: na Terceira Era, Númenor já não existia mais; foi para o fundo do mar na terrível batalha contra Sauron.

O Senhor dos Anéis
Aragorn no filme “O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel” Warner/Divulgação

Uma das implicações da escolha é que provavelmente nenhum dos personagens mais conhecidos do público estará na série, uma vez que eles estão a centenas ou até a milhares de anos de nascer. Gandalf é a exceção possível: os magos de Tolkien vivem por séculos, e nada impede que ele participe dessa trama. Ian McKellen, que imortalizou o personagem, já andou no Twitter avisando que só não disse “sim” porque ninguém ainda o convidou – mas deu a entender que não passaria Gandalf de boa vontade a algum outro ator. Sobre Aragorn, ainda pairam dúvidas. Inicialmente, especulou-se que a série acompanharia a juventude do rei exilado e aventou-se o nome do inglês Tom Payne, o Jesus de The Walking Dead, para o papel. Mas a linha do tempo agora confirmada exclui essa possibilidade por pelo menos algumas temporadas: também os homens da linhagem de Aragorn vivem muito, mas um Tolkienmaníaco calculou que faltariam ainda 931 anos para ele entrar em cena. Os nomes decisivos, entretanto, já são conhecidos: os da equipe de criação e produção, que incluem gente vinda de Game of Thrones e de Breaking Bad, mais o diretor J.A Bayona, de O Impossível e Jurassic World: Reino Ameaçado. Peter Jackson seria bem-vindo, diz a Amazon, nem que seja só para dar uma bênção. Governando todos eles estará Tom Shippey, um especialista em Tolkien de credenciais impecáveis.

Publicidade