Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Megatubarão”: ação à americana, inocência à chinesa

Algumas cenas de ação divertidas e um Jason Statham muito bem-comportado não escondem o descompasso entre duas visões tão diferentes de entretenimento

Nada me divertiu mais em Megatubarão – embora talvez não fosse essa a intenção do filme – do que uma sequência em que o bicharoco do título ataca uma praia lotada no Sul da China: a moda praia chinesa é uma coisa, com rapazes de calção saint-tropeito e moças com biquínis que aqui dariam para uma toalha de mesa, mas provavelmente tocam fogo nos recatados balneários comunistas. Megatubarão é uma coprodução Estados Unidos/China segundo a definição mais ao pé-da-letra do termo. Jason Statham divide o topo dos créditos com a estrela chinesa Li Bingbing (que tem em fofura o mesmo tanto que tem de canastrice); as locações são quase todas chinesas (ou passam-se por chinesas), e os personagens chineses são bons, competentes e heróicos. A ingenuidade atinge níveis hiperglicêmicos – pela cartilha chinesa (que é extensa, detalhadíssima e tem de ser obedecida à risca, porque os órgãos de censura ficam em cima), não pode rolar nem o mais palavrão mais bobinho, nem muito menos qualquer sugestão sexual.

Megatubarão

 (Warner/Divulgação)

De forma que os indícios de romance entre Statham e Li Bingbing se resumem a uns olhares envergonhados, o coeficiente de ironia é próximo de zero e as piadas são fraquinhas, fraquinhas. É engraçado ver Jason Statham, que fez coisas impublicáveis em filmes como Adrenalina e é um virtuose do diálogo cheio de palavrões, tentando se manter no seu melhor comportamento. De resto, é aquilo que o título já diz: cientistas sem querer libertam das profundezas do oceano um Megalodon, colossal tubarão pré-histórico que se acreditava extinto – mas que está bem vivo, sim senhor, e com um belo apetite. Há algumas cenas deliciosamente absurdas, mas em geral a ação é filmada de maneira algo banal pelo diretor Jon Turteltaub (de A Lenda do Tesouro Perdido, Enquanto Você Dormia e Jamaica Abaixo de Zero – ou seja, nada de especial). Turteltaub falha, sobretudo, em conseguir unificar duas visões tão diferentes de entretenimento quanto a chinesa e a americana, e em pôr as duas partes do elenco à vontade uma com a outra. Mas é claro que ninguém vai ver um filme chamado Megatubarão pela dramaturgia; o espectador, então, que decida o quanto ele está disposto a suportar em prol das cenas de desastre.


Trailer

MEGATUBARÃO
(The Meg)
Estados Unidos/China, 2018
Direção: Jon Turteltaub
Com Jason Statham, Li Bingbing, Cliff Curtis, Winston Chao, Rainn Wilson, Ruby Rose, Shuya Sophia Cai, Robert Taylor, Olafur Darri Olafsson, Masi Oka
Distribuição: Warner
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s