Clique e assine com até 92% de desconto
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

“Casamentos não têm um só vilão”, diz intérprete de Charles em ‘The Crown’

Pela segunda temporada seguida no papel do príncipe, o ator Josh O’Connor falou a VEJA

Por Isabela Boscov Atualizado em 13 nov 2020, 12h56 - Publicado em 13 nov 2020, 06h00

Você nasceu dez anos depois de Charles e Diana ficarem noivos. Quanto desse suposto conto de fadas chegou até você? Não importa qual a sua idade, esse momento está no repertório passivo de qualquer inglês ou inglesa. É uma história tão cheia de drama que faz parte do nosso subconsciente.

O relacionamento dos dois foi sempre um furacão de mídia. Como você filtrou todo esse ruído para chegar a uma fundação sólida para Charles? O ruído é tão grande que torna todo o material sobre eles imprestável: seja a cobertura de imprensa, sejam os testemunhos de pessoas próximas, tudo está distorcido por vieses. Então, parti de um princípio simples e, creio, verdadeiro: que tudo em Charles deriva do desejo intenso, e não realizado, pelo carinho materno. Acho que tudo que ele sempre quis é um abraço da mãe.

+ Leia resenha sobre a quarta temporada de The Crown

Na terceira temporada, esse desamor tornou Charles muito comovente. Agora, porém, ele tem momentos de indiferença terrível para com Diana. Ainda bem que tive a terceira temporada para fazer o espectador compreender o lado de Charles; se só tivesse entrado em cena agora, todo mundo me odiaria pura e simplesmente. Mas casamentos raramente têm um só vilão. Charles ama — sempre amou — Camilla. E Diana era incapaz de dar a ele coisas de que ele necessitava, e vice-versa. Temos aqui uma pessoa cuja existência tem um único propósito: o de se tornar rei. Mas ele está completando 72 anos e esse propósito ainda não se cumpriu. Em qualquer vida, seria um abismo monstruoso com o qual lidar. Foi difícil ser tão cruel com (a atriz) Emma Corrin. Espero que ela tenha me perdoado.

Publicado em VEJA de 18 de novembro de 2020, edição nº 2713

Continua após a publicidade
Publicidade