Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Amanda” e a única coisa que importa dizer: “Eu estou aqui”

No filme protagonizado pelo excelente Vincent Lacoste, um jovem tio se vê repentinamente responsável pela sobrinha pequena

Com seu naturalismo calmo e gentil, o francês Amanda põe em cena um dos pares de atores mais acertados que já vi: o jovem Vincent Lacoste, que literalmente cresce a cada papel que faz, e a pequena Isaure Multrier, uma menina tão sem afetação, tão inteligente mas tão livre de precocidade excessiva, que simplesmente olhar para ela sendo criança já é um prazer. Os dois interpretam David, de 24 anos, que faz bico como zelador de apartamentos para turistas em Paris, e a Amanda do título, a filha de 7 anos de Sandrine, irmã do rapaz. David e Sandrine cresceram longe da mãe, e o pai deles já morreu. Também Sandrine cria Amanda sozinha. Os três são muito ligados – mas, de um instante para outro, David se vê diante de uma responsabilidade muito além da sua idade ou da sua experiência: vai ter de assumir a sobrinha como sua. Nem ele nem a menina estão preparados para essa reviravolta em suas vidas (e como poderiam estar?). Mas não há alternativa, claro. E, no entanto, com seu olhar direto, que não dramatiza demais e não apela para clichês, o diretor Mikhaël Hers argumenta que mesmo quando não há escolha é preciso escolher – escolher aceitar, escolher estar lá, escolher ficar junto.

Amanda

 (Imovision/Divulgação)

Há três anos, Mikhaël Hers fez outro filme muito bonito sobre as repercussões de uma morte repentina, chamado Aquele Sentimento de Verão. Aqui, porém, ele amplia o tema: a escolha de continuar e de se dispor a viver na eventual beleza do momento mesmo depois de uma tragédia não é só de David e Amanda – é toda a Paris dos atentados que tem de tomar essa decisão (e, por extensão, toda cidade do mundo que já tenha enfrentado uma violência como essa). David e Amanda andam de bicicleta, conversam depois da escola, dividem um lanche, fazem uma viagem curta mas muito importante. É assim, de passo em passo, que eles acham um lugar para a tristeza e se conectam com a profundidade que agora se faz necessária. E, quando o tio consola a sobrinha em um momento pior mostrando a ela que outros momentos se seguirão àquele, ou dizendo a ela “Eu estou aqui”, a frase readquire toda a sua importância real. Não é maneira de falar, ou um conforto vazio; ele está mesmo, com tudo que isso significa – e essa é a única coisa que de fato importa.


Trailer

AMANDA
França, 2018
Direção: Mikhaël Hers
Com Vincent Lacoste, Isaure Multrier, Stacy Martin, Ophélia Kolb, Marianne Basler, Greta Scacchi, Jonathan Cohen, Bakary Sangaré
Distribuição: Imovision

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s