Clique e assine a partir de 9,90/mês
Impacto Por Jennifer Ann Thomas Respirou, causou. Toda e qualquer ação transforma o mundo ao nosso redor.

“Proteger o meio ambiente é dever do governo”, diz ex-presidente do Ibama

Ministério do Meio Ambiente anunciou que vai suspender todas as operações contra desmatamento e queimadas

Por Jennifer Ann Thomas - Atualizado em 28 ago 2020, 19h06 - Publicado em 28 ago 2020, 18h42

Nesta sexta-feira, 28, o Ministério do Meio Ambiente divulgou uma nota em que informou a suspensão de todas as operações de combate ao desmatamento ilegal na Amazônia Legal, bem como todas as operações de combate às queimadas no Pantanal e demais regiões do país”. Entre agosto de 2019 e julho de 2020, o desmatamento aumentou 34% na Amazônia; o Pantanal enfrenta recordes de queimadas no bioma, com aumento de mais de 200% em comparação ao ano passado.

Para a especialista sênior em políticas públicas do Observatório do Clima e ex-presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Suely Araújo, a medida é inacreditável, inexplicável e injustificável. “O MMA tem um orçamento baixo em comparação com o caixa governamental. É difícil de entender. Não há o que justifique o governo se negar a prestar o dever constitucional de proteger o meio ambiente”, afirmou. 

De acordo com a nota do MMA, a Secretaria de Orçamento Federal bloqueou R$ 20.972.195,00 em verbas do Ibama e R$ 39.787.964,00 em verbas do ICMBio. No entanto, o Ibama ainda tem cerca de 62 milhões de reais assegurados pelo Fundo Amazônia, que paga os custos com o aluguel de caminhonetes e helicópteros. O órgão também recebeu dinheiro da Lava Jato para combater o desmatamento e as queimadas.

ASSINE VEJA

A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia
Clique e Assine

“Parece mais um teatro político do que qualquer outra coisa. Não importa de onde veio a decisão, o governo é um só. Em uma gestão normal, existe coordenação entre os ministérios e as decisões são alinhadas”, afirmou Suely.

De acordo com a nota, “as operações que serão afetadas já na segunda-feira, 31, compreendem, no âmbito do combate às queimadas no Ibama, a desmobilização de 1.346 brigadistas, 86 caminhonetes, 10 caminhões e 4 helicópteros. Nas atividades do IBAMA relativas ao combate ao desmatamento ilegal serão desmobilizados 77 fiscais, 48 viaturas e 2 helicópteros. No âmbito do ICMBIO, nas operações de combate ao desmatamento ilegal serão desmobilizados 324 fiscais, além de 459 brigadistas e 10 aeronaves Air Tractor que atuam no combate às queimadas”.

Continua após a publicidade
Publicidade