Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça determina que União tome medidas contra vazamento

Mais de 150 praias registraram o aparecimento de manchas em 71 municípios de todos os estados da região

Mesmo que o óleo vazado no nordeste não seja do Brasil, a União tem o dever de proteger o meio ambiente e a saúde da população. Até o momento, manchas foram registradas em mais de 150 praias de 71 municípios em todos os estados da região.

É o que determinou o juiz plantonista Fábio Cordeiro de Lima, de Sergipe, que acolheu o pedido do Ministério Público Federal e concedeu a tutela para determinar que, “no prazo de 48 horas, a União Federal, junto com o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis), implante barreiras de proteção nos rios São Francisco, Japaratuba, Sergipe, Vaza Barris e Real, com o consequente monitoramento”. A multa para caso de descumprimento é de 100.000 reais.

O procurador da República que assina a ação, Ramiro Rockenbach, argumentou que a União está sendo omissa ao não adotar medidas de proteção a áreas ambientais sensíveis, em especial da foz de rios, pontos de captação de água, mangues e Unidades de Conservação. Para o MPF, o caso é de “inafastável interesse federal. Afinal, as consequências abrangem bens ambientais que pertencem à União, uma vez que envolvem danos (concretizados ou potenciais) a rios que banham mais de um estado, ao mar territorial, a faixa de praia e áreas compreendidas como terrenos de marinha (Zona Costeira), aos recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusiva, bem como lesões à fauna silvestre e à flora”.

Enquanto não for identificado um culpado a ser responsabilizado pelos danos, a obrigação passa a ser da União.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que: “[temos] uma certeza: não é do Brasil, não é responsabilidade nossa. A análise continua para saber se a gente consegue detectar de que país é, da onde veio, qual navio petroleiro que derramou esse óleo lá”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Rômulo Viel

    Decisão estapafúrdia… De onde o tal juiz acha que não se faz o que precisa para impor uma pena dessas? Um alucinado.

    Curtir

  2. ViP Berbigao

    A decisão do Magistrado está corretíssima!!! Basta olhar a nossa carga tributária absurda e os enormes lucros da Petrobras que vai para a bolsa de Nova York!!!

    Curtir

  3. ViP Berbigao

    Estão explorando o Brasil sem dó nem piedade. Depois barragens estouram e dizimam comunidades e rios… agora um oceano… e fica por isso mesmo? Só importam os lucros dos acionistas na Bolsa?

    Curtir

  4. ViP Berbigao

    Existe Planeta B, Brasil B, Amazonia B… ou coisa parecida?

    Curtir

  5. Gentil Peres

    Que tal o juiz dar uma sugestão de como fazer tal medida ? boçal de gabinete!!!!

    Curtir

  6. Paulo Bandarra

    Não vai adiantar. Gilmar vai mandar soltar.

    Curtir