Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Headlines Por Blog Histórias que ganharam as manchetes pelo mundo

Hackers trancam fechaduras eletrônicas de hotel e exigem resgate

Um destino tradicional nos Alpes austríacos teve seu sistema "sequestrado" e precisou pagar resgate para liberar os quartos dos hóspedes

Por Da redação - Atualizado em 31 jan 2017, 15h14 - Publicado em 31 jan 2017, 15h11

Um sistema moderno de fechaduras eletrônicas trouxe o caos para o tranquilo hotel Romantik Seehotel Jaegerwirt, inaugurado há 111 anos à beira de um lago nos Alpes da Áustria. Em um domingo de lotação máxima na pousada, funcionários confusos se depararam com hóspedes irritados, que tentavam sem sucesso acessar seus quartos. Um e-mail enviado à gerência explicava a confusão: hackers invadiram o sistema de chaves eletrônicas e exigiam resgate em dinheiro.

De acordo com o gerente do hotel, Christoph Brandstaetter, os invasores enviaram uma mensagem educada e informaram que liberariam a rede mediante o pagamento de duas Bitcoins, a moeda eletrônica (cada Bitcoin equivale a cerca de 3.000 reais). Se a demanda não fosse atendida até o fim do dia, 22 de janeiro, o valor seria dobrado.

“Estávamos em nossa capacidade máxima com 180 hóspedes e decidimos que era melhor ceder”, explicou Brandstaetter ao jornal The New York Times. “Os hackers foram muito insistentes”, comentou.

De acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, “sequestros” digitais quadruplicaram em 2016 e chegaram à média de 4.000 ao dia, atingindo desde arquivos pessoais até câmeras de seguranças. As vítimas normalmente recebem um e-mail com um link ou anexo que, se aberto, torna o computador “refém” até que os hackers permitam o acesso. O resgate costuma ser pedido em Bitcoin, pois é mais difícil para as autoridades descobrirem quem recebe o dinheiro.

Com o sistema recuperado, a gerência do hotel planeja uma nova forma de se proteger: fugir das tecnologias. Segundo Brandstaetter, a solução será voltar à convencional fechadura com chave. “O jeito mais seguro para não ser hackeado é ficar offline”, comentou o gerente.

Publicidade