Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

Vídeo: “Boas notícias para os cristãos decapitados”

Depois de “Como falar a língua da esquerda“, “O que quer que digam os esquerdistas, é o ‘Dia do Contrário’!” e “Quais vidas de negros importam?“, trago mais um divertido vídeo legendado do premiado escritor, roteirista e comentarista de mídia Andrew Klavan, autor, entre outros, dos livros True Crime, que deu origem ao filme “Crime verdadeiro” de Clint Eastwood, […]

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 31 jul 2020, 02h00 - Publicado em 28 fev 2015, 22h42

Depois de “Como falar a língua da esquerda“, “O que quer que digam os esquerdistas, é o ‘Dia do Contrário’!” e “Quais vidas de negros importam?“, trago mais um divertido vídeo legendado do premiado escritor, roteirista e comentarista de mídia Andrew Klavan, autor, entre outros, dos livros True Crime, que deu origem ao filme “Crime verdadeiro” de Clint Eastwood, e Don’t say a word, que resultou no filme “Refém do silêncio” com Michael Douglas.

Dessa vez, Klavan ironiza o anticolonialista Barack Hussein Obama por ter dito em entrevista à Vox acreditar “absolutamente que a mídia “às vezes exagera o nível de alarme que as pessoas devem ter sobre o terrorismo” em oposição à mudança climática”. A Casa Branca enrolou, enrolou, mas, na prática, reiterou a tese obamista de que a mudança climática é uma ameaça maior que o terrorismo. Como disse o escritor best seller David Limbaugh:

Captura de Tela 2015-02-28 às 21.20.34

“A propósito: ‘mudança climática’ tem algum significado discernível a não ser ‘nós vamos elaborar à medida que avancemos’?”

Claro que não. Mas Obama, o Brizola do mundo, precisa avançar a agenda esquerdista com qualquer pretexto engana-trouxa e menosprezar o terrorismo islâmico que se expandiu com a sua conivência, conforme descrito neste blog aquiaquiaquiaqui, aqui, entre outros posts.

Klavan cuida bem do impostor. Divirta-se.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=nYUTxOw8QIk?wmode=transparent&fs=1&hl=en&modestbranding=1&iv_load_policy=3&showsearch=0&rel=1&theme=dark&w=620&h=349%5D

Eu sou Andrew Klavan, e esta é a “Verdade Revoltante”.

Boas notícias, cristãos decapitados! O terrorismo não é uma ameaça existente. O presidente dos Estados Unidos ele próprio nos contou. Ele diz que a fantasiosa ameaça das mudanças climáticas é muito pior que a ameaça da jihad islâmica mundial existente. Provavelmente é por isso que ele estava tirando selfies com caras e bocas enquanto os bobos do ISIS cortavam as cabeças de 21 de vocês na Líbia. Vocês terem suas cabeças cortadas não esquenta o clima… ou esfria… ou seja lá o que deveria ocorrer ao clima. Então, essa não é uma ameaça existente, exceto para vocês. Não é uma maravilha?

E aliás, talvez vocês tenham notado que a Casa Branca não mencionou as palavras “islâmico” ou “cristão” quando emitiu sua declaração sobre o totalmente lamentável incidente das decapitações. Vocês podem pensar: “Por que não? Esse foi o motivo de termos perecido. Nossos assassinos nos decapitaram em nome de Alá porque seguimos o que eles chamam de ‘a ilusão da cruz’.” Mas nã-nã-não — este é o tipo de pensamento confuso que você tem quando… perde a cabeça.

Continua após a publicidade

Vejam, o inteligentíssimo presidente Obama explica que “nenhuma religião é responsável pelo terrorismo”. Aposto que é um alívio para vocês, não é? Os terroristas que mataram vocês apenas pensavam que agiam por motivos religiosos. Tolinhos! Suponho que eles estavam apenas seguindo seus… corões e cimitarras.

E ouçam, só porque vocês foram mortos em nome de um Alá militarista e opressivo por louvar a um Cristo de amor e liberdade, não significa que vocês podem empinar os narizes… Afinal, como Obama salientou, algumas pessoas fizeram algumas coisas ruins em nome de Cristo, tipo, há uns mil anos… Então, sério, vocês meio que tiveram o que mereceram, não é? Apenas tentem manter isto em mente. Desculpe… talvez isso tenha sido insensível.

E há algumas boas notícias para judeus mortos também. Eu sei que islâmicos têm metido bala em vocês e assolado seus locais de culto, e que lhes têm intimidado e aterrorizado nas ruas das outrora civilizadas cidades europeias. E talvez vocês tenham pensado: “Céus! Onde foi parar o ‘nunca mais’?” Sobre aquilo de “nunca mais”, lembram-se do “esperança e mudança”? Isso mudou.

Vejam, vocês podem pensar que os ataques implacáveis do Islã militante contra os judeus, assim como o apoio tácito da esquerda a esses ataques em sua campanha perversa e estúpida contra a existência de Israel, sejam apenas parte da guerra milenar do mal contra o povo da Bíblia. Grandes notícias: de forma alguma o são. Em sua resposta à carnificina islâmica contra quatro pessoas em um supermercado judaico em Paris, Obama disse que as vítimas eram apenas “quaisquer uns”… mortos aleatoriamente por outros quaisquer uns que matavam quaisquer uns de forma aleatória. Então, judeus, vocês não têm com o que se preocupar. Não é formidável?

Vejam bem, todo o seu povo está sendo morto pelo ISIS, pela Al Qaeda, pelo Talibã, pelo Boko Haram, pelo Al-Shabaab e por outros grupos islâmicos ao redor do mundo. Oh, e todas as suas mulheres estão sendo indizivelmente violentadas por eles. Vocês têm sorte de nosso presidente Barack Obama ser sábio o suficiente para não fazer coisa alguma para ajudá-los, porque ele entende que os terroristas estão no lado errado da história. Então tudo o que ele tem que fazer é se sentar no lado certo da história. É estar certo, enquanto vocês sofrem e morrem. Não são ótimas notícias?

Eu sou Andrew Klavan, com a “Verdade Revoltante”.

* Traduzido pelos Tradutores da Direita para o blog de Felipe Moura Brasil na VEJA.com.

** Veja também aqui no blog: Dilma contra “pessimistas”, Obama contra “cínicos” – e a realidade contra ambos

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Continua após a publicidade
Publicidade