Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

Se Cunha é derrota para o PT, estamos mal mesmo, hein

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 31 jul 2020, 02h12 - Publicado em 2 fev 2015, 16h02

Cunha vence

Comentei no domingo, após a vitória de Eduardo Cunha (PMDB) com 267 votos na eleição para presidente da Câmara dos Deputados:Captura de Tela 2015-02-02 às 15.03.44

Lendo os jornais de hoje, fiquei com a impressão de que Winston Churchill assumiu a Câmara dos Deputados para derrotar o PT. Até que veio a notícia (banho de água fria nos antipetistas):

Pedido de impeachment de Dilma é descabido, diz Cunha.

“Não há a menor possibilidade de minha parte. Não há de se discutir fatos de um mandato anterior. Todos querem que o país siga sua estabilidade. Pedido de impeachment ou qualquer coisa nesse sentido é descabido.”

“Nesse sentido”, Cunha decretou que o Petrolão prescreveu. No entanto, a Lava Jato continua, os acordos de delação premiada entre empreiteiras e Ministério Público estão sendo negociados, e já surgiram denúncias graves contra o ex-governador Sergio Cabral e seu sucessor, Luiz Fernando Pezão, dois comparsas de Dilma, depois dos quais ela também poderia cair.

Qualquer cidadão ou entidade da sociedade civil pode pedir o impeachment de um presidente, mas é prerrogativa do presidente da Câmara avaliar o cabimento do pedido, podendo engavetá-lo sumariamente.

Hoje, até mesmo para proteger o seu partido, também envolvido no escândalo de corrupção da Petrobras, Cunha diz que “não há a menor possibilidade”. Se irá engavetar ou não o pedido quando aumentar o volume de acusações, e o PMDB tiver eventualmente conseguido jogar nas costas do PT as maiores responsabilidades, não se sabe ao certo.

Continua após a publicidade

Mas, como sempre, convém cobrar mais do que esperar.

II.

O psolista Chico Alencar ficou em último lugar na disputa com 8 votos, atrás de Júlio Delgado (PSB-MG) com 100 e Arlindo Chinaglia (PT-SP) com 136. O PSOL é sempre uma vergonha. Ninguém quer o partido de Jean Wyllys, de modo que ele fica muito magoado e acaba dando piti. Só falta, como o psolista recém-empregado no governo Francisco Bosco, escrever o artigo “Odeio o Brasil”.

Jean sobre Cunha

III.

Blogs sujos do lulopetismo já estão atacando Dilma, até por não demitir Graça. Os petistas querem se limpar na própria sujeira, como sempre.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Continua após a publicidade
Publicidade