Clique e assine a partir de 9,90/mês
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

Ghiraldelli não é esquerdista? Querem mais prints?

Por Felipe Moura Brasil - Atualizado em 16 fev 2017, 11h20 - Publicado em 27 dez 2013, 18h24

Vejam alguns dos muitos comentários que recebi neste sentido:
 

 

 
Walmor Chagas: Também acho o Ghiraldelli um tanto quanto perturbado. Mas só para retificar o que foi postado no começo da matéria. Ghiraldelli não se define como esquerdista, pelo contrário, ele faz críticas ferrenhas aos esquerdistas e direitistas, ele não se define politicamente em nenhum dos dois polos. De qualquer forma, tendo em mente todo tipo de piadinha de mal gosto que ele já publicou, acho que dessa vez ele tá mesmo lascado!
 
Wellisson: Por que para essa revista todo desvio de conduta tem der originariamente da esquerda. [sic] Este Senhor não apresenta este posicionamento político, assim como fizeram com o Lobão, convidem-no para ser colunista.
 
Caroline: Me sinto ofendida cada vez que a grande mídia chama esse professor de esquerda. Ele é super conservador, machista e homofóbico. Acha que pobre não deve estar na universidade. Nunca será esquerda. Nós alunos da UFRRJ temos travado uma luta contra esse professor pedindo o posicionamento da Adm. Superior que tem sido omissa aos casos que tem sido relatados e os processos administrados que existem contra ele. Ele não é de esquerda.
 
Marcos Aurélio: O que tem a ver ser de esquerda com os desatinos do Giraldeli? [sic] (…) Não estou defendendo o Giraldeli,mas, [sic] usar seus erros para condenar toda a esqeurda [sic] é no mínimo, burrice.Ok, [sic] esqueci que estou falando da Veja.
 
Maurício: Ghiraldelli “filósofo esquerdista”??? só mesmo aqui nesse antro reaça e símbolo do que há pior em termos de jornalismo para achar alguém como o Ghiraldelli de esquerda…
 
Guilherme: (…) De esquerda ele não tem nada (…).
 
Comento:
 
Ninguém quer um Ghiraldelli para chamar de seu. Eu entendo. Ghiraldelli é mesmo o fim da picada. Não sei se meus comentaristas (ou seriam Corretores Automáticos Humanos?) são todos de esquerda, mas parece que os esquerdistas – sempre à flor da pele em matéria de identidade grupal – já estão gritando: “Ghiraldelli não me representa!”
 
Eles precisam salvar o esquerdismo da patetice do Ghiraldelli.
 
Os mais ousados (estou sendo gentil com a ofendida Caroline) tentam empurrá-lo para o colo dos conservadores. Eu não teria problema algum em reconhecê-lo como tal, se isto fizesse algum sentido. Quando vejo um cretino de direita, penso: “é um cretino de direita”. Mas, quando um esquerdista vê um cretino de esquerda, o máximo que pensa é: “não pode ser esquerdista”.
 
Vai ver, genocidas de esquerda, como Stalin, Mao, Castro, Guevara e companhia, também eram de direita, ou então heróis, que fuzilavam e mandavam fuzilar pelo bem da humanidade, é claro. “Como um ser que se diz filósofo mas é misógino, xenófobo e racista pode ser de esquerda?” Ué, se um genocida pode, os outros também. E não estou dizendo que Ghiraldelli é qualquer uma das quatro coisas. A Cristina é que o chamou de três.
 
Quem diz que Ghiraldelli é esquerdista – sinto informar – não sou eu, mas ele mesmo. No artigo “Boris Casoy, o filho do Brasil“, de 1 de janeiro de 2010, ele encarna o papel de ombudsman da esquerda brasileira, falando como um deles.
 
Este é um trecho do primeiro parágrafo:
 
“(…) Enquanto não entendermos que um homem de direita como Boris Casoy é tão ‘filho do Brasil’ quanto Lula, não vamos descrever o Brasil de um modo útil para os nossos propósitos de melhorá-lo.”
 
E esta é a confissão:
 
“(…) Sou um homem de esquerda. Minha condição de filósofo me dá alguns instrumentos para analisar de onde venho. Podem ficar tranqüilos. Aliás, sou uma pessoa que adora a frase de Fernando Henrique Cardoso, quando ele disse, se referindo a ele mesmo por conta de acreditar que sua política econômica, ela própria, já era política social: ‘não é necessário ser burro para ser de esquerda’. (…)”
 
[A maior das “críticas ferrenhas aos esquerdistas” – palavras do leitor Walmor – feitas pelo Ghiradelli deve ser esta última: considerar-se acima da média deles.]
 
Captura de tela 2013-12-27 às 14.45.24
 
Esta é outra declaração em uma série de respostas (mas deve ter sido de um hacker):
 
Captura de tela 2013-12-27 às 15.30.04
 
Isso mesmo: “Bem, sou um cara de esquerda, talvez meno tonto.”
 
Ghiraldelli, acredite, um dia já foi pior.
 
Em todo caso, o fato de se dizer um homem (ou cara) de esquerda não significa que ele não possa posar (Emir Sader diria “pousar”) de isento quando lhe soa mais conveniente, para dar maior credibilidade a seus incomparáveis ataques à “direita”, ainda mais se cristã.
 
Parece que é o que ele vinha fazendo, o que naturalmente engana muitas criancinhas.
 
Só posso sugerir a elas que façam seus deveres de casa, antes de vir passar mais uma vergonha ghiraldelliana por aqui.
 
Ghiraldelli Bacanal Inferno
Felipe Moura Brasil – https://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/

Publicidade