Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Esquerdistas disputam com Lula quem se faz mais de sonso

Felipe Moura Brasil comenta sonsice da esquerda após delações da Odebrecht

Veja resumão em notas e tuitadas:

– Minha síntese da sonsice de Lula bombou no Facebook, no Twitter e no Instagram durante o feriadão de Páscoa. No primeiro, foram mais de 7.000 compartilhamentos, mais de 16.400 curtidas, mais de 567.000 pessoas alcançadas. Mas Lula não curtiu, nem compartilhou.

– General Golbery, que teria dito a Emílio Odebrecht que “Lula não tem nada de esquerda”, é apenas um “bon vivant”, não entendia que um líder esquerdista é precisamente isto.

– Promover a igualdade dos outros na miséria, sendo poderosamente desigual na riqueza, é a prática real e inevitável do líder esquerdista. Vide o bilionário ditador Fidel Castro, parceiro de Lula.

– “A imprensa sabia de tudo”, disse Emílio Odebrecht. Parte sabia calada. Outra, menor, denunciava. Agora parte da primeira finge ser segunda.

– Plantar matéria sobre acordão de anistia a fim de persuadir potenciais delatores a se calarem “é gópi” de mafioso desesperado. #FalaPalocci

– Marcelo Odebrecht disse que “desarmou” Dilma Rousseff e Graça Foster quando quiseram saber de dinheiro ao PMDB e ele disse que PT recebia também. Nunca antes na história deste país um desarmamento foi tão eficaz.

– Ordem de grandeza: Mega-Sena mega-acumulada vai pagar na quarta-feira (19) R$ 75 milhões – apenas a METADE do que Marcelo Odebrecht disse ter disponibilizado para a campanha de Dilma.

– Até para comprar dossiê contra José Serra em 2006, integrantes do PT usaram dinheiro do esquema da Odebrecht com a Itaipava, disse o delator Luiz Eduardo Soares. Sempre em defesa da “democracia”, claro.

– Na ocasião, integrantes do PT foram presos pela PF em hotel de SP tentando comprar dossiê contra Serra. Lula minimizou o caso, chamando-os de “bando de aloprados”.

– Hoje, revelada toda a dinheirama da Odebrecht a serviço de Lula, por que ele não chama a si próprio de “aloprado” também? É o aloprado máximo.

– Piada do dia (15), na Folha: “Intelectuais e artistas lançam manifesto contra ‘desmonte do país'”. Fato: militantes do partido que desmontou o país fazem mimimi.

– Estadão ouviu uma porção de especialistas para destacar no domingo (16) o que tuitei na terça (11), mas eles, claro, não destacaram Jair Bolsonaro.

Cinco dias depois… (Twitter de FMB / Instagram de Estadão/Reprodução)

– Bolsonaro é o “até” na matéria: “Depois dele [João Doria], Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e até Jair Bolsonaro (PSC) podem se fortalecer”.

– Quanto ao editorial do Estadão “A responsabilidade de Lula” e à matéria de José Fucs “O pregador incansável do liberalismo“, sobre o centenário de Roberto Campos, ambos estão ótimos, perfeitamente condizentes com o que este blog comenta há anos, em prosa e vídeo.

* Eis um trecho do editorial:

“(…) Há um antes e um depois de Lula na corrupção nacional, capaz até de assustar Emílio Odebrecht. ‘O pessoal dele (de Lula) estava com a goela muito aberta. Estavam passando de jacaré para crocodilo’, disse (…). A novidade trazida pelo ex-sindicalista foi a transformação de todos os assuntos estatais em negócio privado. Sem exagero na expressão, Lula da Silva pôs o Estado à venda. A Odebrecht e outras empresas envolvidas no escândalo apenas compraram – sem nenhuma boa-fé – o que havia sido colocado na praça (…).”

* Eis um trecho da matéria:

Roberto Campos “morreu em 2001 e não viveu para ver a crise profunda que atingiu a economia do País, em decorrência das políticas estatistas implementadas durante os governos do PT, nem a multiplicação dos escândalos de corrupção em empresas estatais ocorrida no período. Segundo o economista Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central e sócio da Gávea, uma empresa de investimento, o aniversário de 100 anos de Roberto Campos [nesta segunda-feira, 17] deveria servir para resgatar as suas ideias, de redução da presença do Estado na economia. ‘O Roberto Campos estaria repetindo o que disse a vida inteira, que o Brasil andou para trás’, afirma Fraga. ‘Hoje, há uma janela de oportunidade para consertar esse modelo que não deu certo.’”

– Como íamos dizendo…

(* Veja também aqui no blog: “Como o socialismo arruinou meu país“, “Até pesquisa do PT comprova o que falei no vídeo da PragerU“, “Quem odeia corrupção tem de combater inchaço do Estado“, “Carta aberta de introdução ao Brasil“, “Por que eu, brasileiro, sou conservador“.

– Por toda parte na imprensa e na internet, há agora esquerdistas fingindo desgosto com a consequência inevitável de suas ideias e tentando, como sempre, imputá-la a desvios individuais ou acidentes de percurso, quando não às próprias correntes e forças adversárias. Como escreveu há mais de 30 anos o filósofo inglês Roger Scruton no livro “Os pensadores da Nova Esquerda”, de 1985: “não há um simples pensador de esquerda, até onde consigo enxergar, que esteja disposto a responsabilizar-se pelas crueldades perpetradas em nome de seu ideal”. Quando há algum, de fato, ele vira um Roberto Campos.

– A piada do dia 13, ou melhor, a piada do século – mas obviamente dita a sério por Luciana Genro (PSOL-RS) como elogio a Glenn Greenwald – confirma a incurável sonsice esquerdista, mesmo nesses tempos de revelação do maior esquema de corrupção do mundo em estatais:

(Twitter/Reprodução)

– O petista Tarso Genro, pai de Luciana, disse ao Valor: “A ‘refundação’ de um partido de esquerda, de caráter democrático, baseado nas ideias do socialismo democrático, é uma exigência da falência das experiências, tanto do socialismo real, como da social-democracia.” Socialismo democrático, como dizia Olavo de Carvalho, é um quadrado redondo. Tirar tal coisa da “falência das experiências” esquerdistas é apenas repeti-la de modo dissimulado.

– “Se o Estado controla toda a economia, e você tem lá cinco ou seis potentados que estão aliados ao Estado, quem pode contra isto? Ninguém [do povo] pode. A liberdade política, cultural e religiosa pressupõe a livre empresa. Pressupõe que haja um predomínio total da livre empresa e, mais ainda, que a iniciativa econômica e a criatividade financeira do povo sejam incentivadas.” (O. de C.)

– O Brasil é tão carente de direita que o único candidato a propor a privatização da Petrobras na TV (Pastor Everaldo) foi, segundo delação, pago e pautado pela Odebrecht para isso.

– Jornal Nacional da semana de Páscoa superou qualquer série policial do Netflix. E é nisto que este velho Brasil terá de ser transformado.

– Esquerda unida contra Escola Sem Partido só confirma argumento do projeto e necessidade de aprová-lo.

Sem a doutrinação ideológica de crianças, adolescentes e jovens (incluindo estudantes de jornalismo), quem acreditará nos esquerdistas, não é mesmo? (Meme do ESP/Reprodução)

Felipe Moura Brasil ⎯ https://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Marly Camargo

    “– General Golbery, que teria dito a Emílio Odebrecht que “Lula não tem nada de esquerda”, é apenas um “bon vivant”, não entendia que um líder esquerdista é precisamente isto.”

    Margaret Thatcher já havia dito um dia: O socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros.

    Curtir

  2. Rodrigues Junior

    Felipe, imperdível o artigo de Vilma Gryzinski na Veja sobre os primeiros meses do governo Trump. E sim, chega desta vigarice da esquerda sem ética e descaradamente mentirosa.

    Curtir

  3. Gilberto Mendes

    A esquerda brasileira é um ATRASO geral para os brasileiros, alias eles acham que somos BUCÉFALOS.

    Curtir

  4. Paulo Marcelo Farias Moreira

    Para o pessoal de TI da VEJA:
    Acho que está havendo problemas em comentários.
    Que muitas vezes já posta o comentário que é exibido.
    Mas outras vezes não e volta a pagina sem sabermos se foi ou não aceito.
    E algumas vezes diz que estamos postando rápido demais.

    Curtir

  5. Rodrigues Junior

    Verdade, Paulo Marcelo. Mas não sei se é coincidência, tenho mais problemas na coluna do Augusto Nunes; aqui na de Felipe M.B., não! Perdi muitas postagens lá e estou desistindo, uma pena! Mas continuo um leitor assíduo. Aproveito para um desabafo ao Felipe, já que no blog do Reinaldo Azevedo seria censurado… Como ele está chato, coitado! Nem é pelas bobagens que fala, mas pelo jeito dele mesmo. Ontem assisti parte do vídeo dele com o Silvio Navarro e não consegui ir até o final. Um cara tão inteligente mas tão bobinho, vaidoso, arrogante, agressivo e falso moralista. Essa coisa de “direita xucra” (diz ter cravado a expressão, mas apenas ele quem usa!) é o verdadeiro massacre da serra elétrica. Ele implicar com o Ministério Público e com o dr. Sérgio Moro já virou piada, acho que ninguém leva a sério. E continuar repetindo que o Sérgio Machado teve uma pena leve mas que no Supremo a dosimetria é mais rigorosa (ele dá como exemplo apenas o núcleo operacional do Mensalão). Será que ele pensa que os leitores são otários? Virou mesmo motivo de chacota com todo mundo que converso.

    Curtir

  6. Felipe, endosso o comentário de PAULO MARCELO FARIAS MOREIRA. Dá vontade de não comentar mais.

    Curtir