Clique e assine a partir de 9,90/mês
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

Dilma agrediu empregada com cabides e auxiliares pagaram para Jane não revelar o caso, diz colunista do Globo. Comprar silêncios é especialidade do PT

Dilma Rousseff agrediu sua empregada, Jane, no Palácio do Alvorada. Sim: Dilma Rousseff, aquela que fez campanha em repúdio à violência contra as mulheres, posando ainda de “mãe” dos pobres. O caso foi narrado por Ricardo Noblat, em O Globo: “Um dia, Dilma não gostou da arrumação de seus vestidos. E, numa explosão de cólera, jogou cabides […]

Por Felipe Moura Brasil - Atualizado em 31 jul 2020, 01h38 - Publicado em 13 abr 2015, 15h00

Dilma cabideDilma Rousseff agrediu sua empregada, Jane, no Palácio do Alvorada.

Sim: Dilma Rousseff, aquela que fez campanha em repúdio à violência contra as mulheres, posando ainda de “mãe” dos pobres.

O caso foi narrado por Ricardo Noblat, em O Globo:

“Um dia, Dilma não gostou da arrumação de seus vestidos. E, numa explosão de cólera, jogou cabides em Jane. Que, sem se intimidar, jogou cabides nela.

O episódio conhecido dentro do governo como ‘a guerra dos cabides’ custou o emprego a Jane.

Mas ela deu sorte. Em meio à campanha eleitoral do ano passado, Jane foi procurada pela equipe de marketing de um dos candidatos a presidente com a promessa de que seria bem paga caso gravasse um depoimento sobre a guerra dos cabides.

Dilma soube. Zelosos auxiliares garantiram a Jane uma soma em dinheiro”.

Continua após a publicidade

O silêncio da empregada de Dilma não foi o único comprado pelo PT às vésperas da eleição, sabe-se lá com que dinheiro.

VEJA revelou, em setembro, que Enivaldo Quadrado foi pago pelo partido para manter em segredo o golpe que resultou no desvio de 6 milhões de reais da Petrobras, em outro caso de chantagem que envolveu o então ministro Gilberto Carvalho, o mensaleiro José Dirceu e o ex-presidente Lula.

O PT, como se sabe, também subornou parlamentares no primeiro mandato de Lula e, quando descoberto o mensalão, tentou comprar o silêncio do operador do esquema, Marcos Valério (antes de encontrar formas – como direi? – menos sutis de constrangê-lo na prisão).

Agora que o Movimento Brasil Livre marcou uma marcha até Brasília, sugiro aos manifestantes levar um monte de cabides para Dilma pendurar a faixa presidencial, sair de fininho e libertar o país da opressão.

Marcha

Felipe Moura Brasil
http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Continua após a publicidade
Publicidade