Clique e assine com até 92% de desconto
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

Desespero: Lula ataca Sergio Moro por meio de Wadih Damous e exige cumplicidade de Paes. Ai de ti, prefeito!

Escalado por Lula para atacar o juiz Sergio Moro e a Operação Lava Jato, como informou a coluna Radar no início de abril, Wadih Damous, ex-presidente da OAB do Rio de Janeiro, já está cumprindo sua missão. Veja o que ele falou no patético encontro “Jornada pela Democracia” do último domingo, no qual também acusou […]

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 31 jul 2020, 01h37 - Publicado em 15 abr 2015, 13h54
Montagem Lula Moro

Moro e Lula

Escalado por Lula para atacar o juiz Sergio Moro e a Operação Lava Jato, como informou a coluna Radar no início de abril, Wadih Damous, ex-presidente da OAB do Rio de Janeiro, já está cumprindo sua missão.

Veja o que ele falou no patético encontro “Jornada pela Democracia” do último domingo, no qual também acusou os manifestantes anti-Dilma de sonegação de impostos:

Wadih-Damous-2

Wadih Damous

1) “É muito preocupante faixas saudando o juiz Sérgio Moro. Nós não podemos deixar o combate à corrupção ser uma bandeira da direita, até porque é mentira. Aliás, estava lá uma grande maioria de sonegadores.”

(Alô, manifestantes! Que tal um processo contra Damous?)

Continua após a publicidade

2) “Está se formando uma República de Curitiba. Esse juiz está agindo em todo o território nacional, se tiver jurisdição para isso. Esses procuradores, a grande maioria não tem nem 30 anos de idade. Agora posam de intocáveis nas primeiras páginas de jornais. E resolveram governar o país. Esse esquema de elementos golpistas, ele é integrado pela mídia, pelo Congresso, mas é integrado também por elementos do Poder Judiciário, comandado pelo ministro Gilmar Mendes.”

Pior: a pedido de Lula, segundo O Globo, o PT do Rio de Janeiro pressiona o prefeito Eduardo Paes a abrigar um deputado do partido em seu secretariado para abrir caminho para Damous, que é suplente na Câmara.

A intenção, claro, é que o deputado possa defender o PT dos escândalos de corrupção.

Ai de ti, prefeito!

Se pressionado é um poeta, como afirmei aqui, desafio-o a vir a público afirmar que não será cúmplice do desespero de Lula e do seu golpe contra a operação que lava a jato a alma do país.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://www.veja.com/felipemourabrasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Continua após a publicidade
Publicidade