Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A emoção erótica do brasileiro (e 20 motivos para evoluir)

Captura de tela 2013-12-26 às 14.54.41
O primeiríssimo dos 20 motivos pelos quais um suposto americano, casado com uma brasileira, odiou viver por três anos no Brasil foi justamente o tema do meu artigo “Zeca Pagodinho e o heroísmo erótico”, de 5 de janeiro de 2013, que caiu como uma bomba na internet naquele momento em que todos se limitavam a exaltar o então herói da semana, na tragédia de Xerém.
 
Diz o americano, na listinha que vem circulando pelas redes [o original em inglês está aqui]:
 
1. Os brasileiros não têm consideração com as pessoas fora do seu círculo de amizades e muitas vezes são simplesmente rudes. Por exemplo, um vizinho que toca música alta durante toda a noite… E mesmo se você vá pedir-lhe educadamente para abaixar o volume, ele diz-lhe para você “ir se fud**”. E educação básica? Um simples “desculpe-me “, quando alguém esbarra com tudo em você na rua simplesmente não existe.
 
Reproduzo aqui meu artigo a respeito (que também vale ser lembrado em função das tragédias de verão que já se repetem pelo país, como sempre, nesta época de tempestades):
 
Zeca Pagodinho e o heroísmo erótico [05/01/2013]
 
por Felipe Moura Brasil
 
“Dá nojo de político”, disse Zeca Pagodinho, o herói da semana em Xerém. Mas de qual político, Zeca? Não seria a hora de você se desculpar por ter apoiado Lula tantas vezes? Sim, eu sei, o governador não é ele; é Sérgio Cabral, eleito com o apoio dele. Não é uma trágica ironia ver o naufrágio de uma cidade abandonada pelo afilhado político – e maior discípulo moral – do seu candidato?
 
Mais do que isso: não é estranho ter nojo de político que nada faz para evitar a morte de 2 moradores, o desaparecimento de mais alguns e o desalojamento de outras centenas em função de uma tempestade de verão (e que mal se move para socorrê-los); e apoiar político que nada faz para evitar, ou melhor, tudo faz para fomentar o assassinato de até 50 mil compatriotas por ano em tempos de “paz”? Não é estranho, Zeca, ter nojo de alguém só quando as vítimas de seu descaso nos são próximas?
 
Não, respondo eu. Não é estranho. É brasileiro. Zeca Pagodinho representa a índole da cultura nacional. O Brasil é tradicionalmente o país da chamada emoção erótica. Uma emoção limitada ao contato, à proximidade, ao vínculo familiar ou social. Brasileiro é muito unido a quem está dentro de seu círculo e muito indiferente a quem está fora. Ele ama e se preocupa apenas com os seus.
 
Meira Penna descreve este traço no livro ‘Em berço esplêndido’, o estudo mais útil já escrito sobre o assunto. Diz ele: “O brasileiro traduz literalmente o mandamento cristão de amar o próximo. Acredita que a caridade começa em casa… e talvez nela termine. É a solidariedade do contíguo e do consanguíneo. O próximo é antes de tudo o parente, mas também o amigo, o sócio, o cliente; todos os conhecidos, aqueles com quem se convive e se trabalha; que podem ser vistos, ouvidos e sentidos diariamente. Só estes merecem a expansão específica da cordialidade e da philia. Os desconhecidos, que se danem!”
 
José Ingenieros, em seu incontornável livro ‘O homem medíocre’, descreve esta mesma limitação afetiva como sintoma de mediocridade: “O medíocre limita seu horizonte afetivo a si mesmo, à sua família, aos seus camaradas, à sua facção; mas não sabe estendê-lo até a Verdade ou a Humanidade, que apenas pode apaixonar ao gênio.”
 
Longe de mim recriminar Zeca Pagodinho por dirigir seu quadriciclo “desde 6 da manhã” pela cidade alagada, ajudando as vítimas da tragédia serrana. Este é o Zeca que representa justamente o que o brasileiro tem de melhor: o amor aos seus. É o Zeca afetuoso com seus amigos e vizinhos, e solidário quando estes mais precisam dele. É o Zeca que eu ia assistir moleque no antigo Imperator, no Méier, e no Teatro Rival, na Cinelândia – quando seu público ainda cabia ali -, e com quem tanto aprendi sobre simplicidade, espontaneidade e afeto por quem nos é próximo, como ele nunca cansou de demonstrar no palco e na carreira a seus músicos, ídolos, padrinhos e afilhados. Na verdade, há 20 anos acostumado com este Zeca, nem sequer me foi surpresa vê-lo encharcado e emocionado na TV, fazendo pelos seus o que os políticos não fizeram.
 
Mas Zeca é brasileiro e, como tal, diria Olavo de Carvalho, “decide as questões mais graves do destino humano pelo mesmo critério de atração e repulsa imediatos com que julga a qualidade da pinga ou avalia o perfil dos bumbuns na praia. Daí sua tendência incoercível de tomar a simpatia pessoal, a identidade de gostos (…) como sinais infalíveis de alta qualificação moral”. Não à toa, o sambista já se referiu a Lula como “um homem de bem”, defendendo que ele certamente “não sabia de nada”, porque “Eu mesmo às vezes não sei de coisas da minha vida”.
 
Em outras palavras: Zeca é tão solidário às pessoas próximas, como Lula, que nem se importa em saber o efeito das ações delas na vida alheia, mesmo quando esses efeitos respingam em seu próprio quintal e até o devastam. O ódio ao conhecimento, a maior desgraça “deste país”, é isso: uma forma de indiferença – um “que se danem!” – ao desconhecido e aos desconhecidos, que sempre acaba por prejudicar, mesmo da maneira mais indireta, aqueles que se conhece. Quem não sabe estender seu horizonte afetivo “até a Verdade ou a Humanidade” pode até praticar o bem com uma mão, mas o mais provável é que, consciente ou inconscientemente, esteja afagando o mal com a outra.
 
Zeca Pagodinho faria muito bem à população que o aplaude se dissesse ter nojo, especificamente, de Cabral e de Lula, confessando a vergonha de ter apoiado este último, que não só se aproveitou da cisão afetiva nacional, como também, pelo exemplo e pelas atitudes, elevou-a até os limites da crueldade pura e simples, favorecendo sempre os “companheiros” (inclusive os terroristas das Farc), enquanto deixava 50 mil brasileiros desconhecidos morrerem assassinados por ano. Se não fizer isso, Zeca é apenas mais um cidadão ativista que luta bravamente para limpar na vizinhança a sujeira que ajudou a criar no país.
 
Na sociedade erótica brasileira, como se sabe, até os heróis são (amigos dos) bandidos.
 
******
 
A quem interessar, seguem aqui os demais itens da listinha do gringo, muitos deles, sem dúvida, derivados do primeiro:
 
2. Os brasileiros são agressivos e oportunistas, e, geralmente, à custa de outras pessoas. É como um “instinto de sobrevivência” em alta velocidade, o tempo todo. O melhor exemplo é o transporte público. Se eles vêem uma maneira de passar por você e furar a fila, eles o farão, mesmo que isso signifique quase matá-lo, e mesmo se eles não estiverem com pressa. Então, por que eles fazem isso? É só porque eles podem, porque eles vêem a oportunidade, por que eles querem ganhar vantagem em tudo. Eles sentem que precisam sempre tomar tudo o que podem, sempre que possível, independentemente de quem é prejudicado como resultado.
 
3. Os brasileiros não têm respeito por seu ambiente. Eles despejam grandes cargas de lixo em qualquer lugar e em todos os lugares, e o lixo é inacreditável. As ruas são muito sujas. Os recursos naturais abundantes, como são, estão sendo desperdiçados em uma velocidade surpreendente, com pouco ou nenhum recurso.
 
4. Brasileiros toleram uma quantidade incrível de corrupção nos negócios e governo. Enquanto todos os governos têm funcionários corruptos, é mais comum e desenfreado no Brasil do que na maioria dos outros países, e ainda assim a população continua a reeleger as mesmas pessoas.
 
5. As mulheres brasileiras são excessivamente obcecadas com seus corpos e são muito críticas (e competitivas com) as outras.
 
6. Os brasileiros, principalmente os homens, são altamente propensos a casos extraconjugais. A menos que o homem nunca saia de casa, as chances de que ele tenha uma amante são enormes.
 
7. Os brasileiros são muito expressivos de suas opiniões negativas a respeito de outras pessoas, com total desrespeito sobre a possibilidade de ferir os sentimentos de alguém.
 
8. Brasileiros, especialmente as pessoas que realizam serviços, são geralmente malandras, preguiçosas e quase sempre atrasadas.
 
9. Os brasileiros têm um sistema de classes muito proeminente. Os ricos têm um senso de direito que está além do imaginável. Eles acham que as regras não se aplicam a eles, que eles estão acima do sistema, e são muito arrogantes e insensíveis, especialmente com o próximo.
 
10. Brasileiros constantemente interrompem o outro para poder falar. Tentar ter uma conversa é como uma competição para ser ouvido, uma competição de gritos.
 
11. A polícia brasileira é essencialmente inexistente quando se trata de fazer cumprir as leis para proteger a população, como fazer cumprir as leis de trânsito, encontrar e prender os ladrões, etc. Existem Leis, mas ninguém as aplica, o sistema judicial é uma piada e não há normalmente nenhum recurso para o cidadão que é roubado, enganado ou prejudicado. As pessoas vivem com medo e constroem muros em torno de suas casas ou pagam taxas elevadas para viver em comunidades fechadas.
 
12. Os brasileiros tornam tudo inconveniente e difícil. Nada é simplificado ou concebido com a conveniência do cliente em mente, e os brasileiros têm uma alta tolerância para níveis surpreendentes de burocracia desnecessária e redundante. Brasileiros pagam impostos altos e taxas de importação que tornam tudo, especialmente produtos para o lar, eletrônicos e carros, incrivelmente caro. E, para os empresários, seguir as regras e pagar todos os seus impostos torna quase impossível o negócio ser rentável. Como resultado, a corrupção e os subornos em empresas e governo são comuns.
 
14. É quente como o inferno durante nove meses do ano, e não há ar-condicionado nas casas, porque as casas não são construídas para ser herméticamente isoladas ou incluir dutos de ar.
 
15. A comida pode ser mais fresca, menos processada e, geralmente, mais saudável do que o alimento americano ou europeu, mas é sem graça, repetitiva e muito inconveniente. Alimentos processados, congelados ou prontos no supermercado são poucos, caros e geralmente terríveis.
 
16. Os brasileiros são superssociais e raramente passam algum tempo sozinho, especialmente nas refeições e fins de semana. Isso não é necessariamente uma má qualidade, mas, pessoalmente, eu odeio isso porque eu gosto do meu espaço e privacidade, mas a expectativa cultural é que você vai assistir (ou pior, convidar amigos e família) para cada refeição e você é criticado por não se comportar “normalmente” se você optar por ficar sozinho.
 
17. Brasileiros ficam muito perto, emocional e geograficamente, de suas famílias de origem durante toda a vida. Como no #16, isto não é necessariamente uma má qualidade, mas pessoalmente eu odeio porque me deixa desconfortável e afeta meu casamento. Adultos brasileiros nunca “cortam o cordão” emocional e sua família de origem (especialmente as mães) continuam se envolvendo diariamente em suas vidas, nos problemas, decisões, atividades, etc. Como você pode imaginar, este é um item difícil para o cônjuge de outra cultura onde geralmente vivemos em famílias nucleares e temos uma dinâmica diferente com as nossas famílias de origem.
 
18. Eletricidade e serviços de internet são absurdamente caros e ruins.
 
19. A qualidade da água é questionável. Os brasileiros bebem, mas não morrem, com certeza, mas com base na total falta de aplicação de leis e a abundância de corrupção, eu não confio no governo que diz que é totalmente seguro e não vai te fazer mal a longo prazo.
 
20. E, finalmente, os brasileiros só tem um tipo de cerveja (aguada) e realmente é uma porcaria, e claro, cervejas importadas são extremamente caras.
 
Felipe Moura Brasil – https://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/
 
PS: Quem tem pavor de “generalizações”, como se as exceções não estivessem nela embutidas e como se criá-las não fosse objetivo da análise de um povo ou de uma cultura à medida que traz à luz da consciência também os seus traços gerais negativos, favor ir ler Turma da Mônica. A vida intelectual não é para bocós.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    fabí

    Concordo em tudo. Sou brasileira e os itens 14,15,16e 19 me dāo nojo, e o fato de ter vivido anos no exterior e estar no Brasil há 4 meses me provoca horror. Nunca me sinto bem e à
    vontade.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Genival Pessoa

    Não sejamos hipócritas. Penso que o Brasil só despontaria e viraria um País de verdade, caso houvesse investimentos pesados em Educação. Agora, convenhamos, não somos um País, somos sim, na verdade, uma fazenda, e uma das grandes. O povo é tratado como gado. Exemplos disso são os bolsas rações que o governo disponibiliza, que mantendo “os bois” na mesmice, só engordando e sem nenhum crescimento intelectual. E como um colega disse aqui, com uma adaptação, quem tem ódio ao conhecimento não é só o povo brasileiro, os políticos também. E as razões todos sabem.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Cléber

    Infelizmente é tudo verdade. Todas as vinte observações do gringo foram muito boas e pertinentes.
    O povo brasileiro precisa evoluir muito como pessoas adultas, tanto intelectualmente como emocionalmente, pois se comportam como crianças, como dizia Renato Russo: “São crianças como você, porque você vai ser, quando você crescer…”

    Curtir

  4. Comentado por:

    Ana

    “16. Os brasileiros são superssociais e raramente passam algum tempo sozinho, especialmente nas refeições e fins de semana. Isso não é necessariamente uma má qualidade, mas, pessoalmente, eu odeio isso porque eu gosto do meu espaço e privacidade, mas a expectativa cultural é que você vai assistir (ou pior, convidar amigos e família) para cada refeição e você é criticado por não se comportar “normalmente” se você optar por ficar sozinho.”
    Sou brasileira e, OMG, como sofri essa pressão crescendo. O recado da minha mãe era “Você não é normal”. Credo.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Ana

    A frase “com licença” sumiu há muito do vocabulário do brasileiro. E eu tô falando tanto da periferia quanto do supermercado Santa Luzia.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Maria

    Alem de tudo que o Americano disse (com excessao do calor, que eu adoro!), o que me deixa mais envergonhada com os brazucas,eh como eles sao papudos; e como eles nao tem a menor nocao da propria ignorancia, eles SEMPRE acham que estao certos.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Marcelo

    Felipe, fantástica sua colocação. Traduz a indignação que as milhares (milhões?) de pessoas de bem Brasil afora tem com esta mentalidade provinciana e reducionista. Não poderia descrever melhor o desconforto que é viver ao lado de compatriotas com esta visão medíocre e limitada. A força do bem pode ser bem maior do que nossos olhos alcançam. Parabéns por esta bela contribuição.

    Curtir

  8. Comentado por:

    Charles A.

    Li alguns comentários e me deparei com alguns que ironizam o rapaz por ter ficado por aqui “somente” 03 anos.Esse tempo,segundo os críticos,seria insuficiente para as críticas que fez.Discordo disso;um ano já dá para sentir e conhecer muita coisa da rotina das pessoas e da organização do local onde se vive.Três anos dá até para viajar bastante e sentir muitas diferenças regionais.Além disso,o juízo imparcial e objetivo dos fatos que nos cercam não é coisa que brasileiro aprecie muito.Por exemplo,eu conheço muitos brasileiros que passam três dias em Paris e voltam dizendo arrogantemente que o “pão de lá é péssimo” ou que “francês é sem educação”(essa já ouvi muito;no máximo,houve 5 minutos de convivência para esse juízo de valor),ou que estiveram de passagem por New York e consideram que “tudo lá é muito caro “(ouvi uma senhora dizer que “a cidade fede”;outra, que as pessoas são “frias”). Há os que passam um final de semana em Buenos Aires e voltam dizendo que “a carne brasileira é muito melhor do que a da Argentina”. Há outros que,durante a excursão de 04 dias pela Europa toda,acharam Roma “muito suja”,o povo alemão “sério”e que o Museu do Louvre ,visto da janelinha do ônibus da CVC,é”sem graça”. Outros,exaltando nosso desmedido bairrismo,disseram que o Cristo Redentor(que muitos só viram na tela da Globo)é” mais bonito do que a torre Eiffel”,vista da mesma janelinha. Houve aqueles que disseram que, naquela rápida olhadela em alguns monumentos da Grécia, só viram “velharias”. Outros,pasmem,que passaram um tempo maior em algum país com um grau de civilização mais elevado,falam que liberdade existe mesmo é por aqui,onde se pode fazer churrasco na sacada do prédio até a hora que quiser,com muita barulheira e fumaça,doa a quem doer! Eu nasci,há mais de 60 anos, aqui nesse país que ainda se chama Brasil,que ainda não mudou de nome para petê ou lulladaciuva,e juro que não entendo nada.E foi isso mesmo que o rapaz disse em suas críticas.Não dá para entender um país como esse;o comportamento dos habitantes tupiniquins é,muitas vezes, simplesmente inexplicável. Em resumo, nosso povo é superficial, arrogante, sem educação,ignorante,com horror ao conhecimento e muito,mas muito egoísta,além de ser intelectualmente preguiçoso.Se não fosse assim ,por que estaríamos perdendo o que há de bom por aqui,como a qualidade da comida que dia a dia se torna mais insossa e horrorosa,com a invasão de fast foods de quase tudo,todos péssimos, e dos famigerados “restaurantes por quilo”? Quem consegue ,todos os dias, cozinhar o arroz , preparar o feijão na panela de pressão, temperar a carne, ,lavar as folhas da salada,descascar as batatas e cozê-las,cozinhar ou fritar os ovos,depenar o frango,preparar uma feijoada inteira e ainda ter tempo para comer? O jeito é apelar para o cachorro quente regado a maionese , catchup e coca-cola do carrinho da esquina.Dá para entender porque um povo que poderia ter tudo de bom continua a eleger vagabundos e vagabundas? E por que se permite e se tolera por aqui construções toscas,sem isolamento térmico ou acústico,edifícios de 30 ou até 40 andares construídos sem planejamento urbano,sem pensar nas consequências futuras de abastecimento de água , escoamento de esgotos,trânsito,etc? Um país onde prédios caem,estradas matam,buracos e crateras decoram as ruas e rodovias,calçadas são artigos de luxo e atropelamentos fazem parte da rotina deveria mesmo é procurar se conhecer melhor e não ter seus brios nacionalistas ofendidos. “Povo acolhedor”,que só é solidário durante catástrofes,que ignora o bem estar dos vizinhos, que só divide o som insuportável dos alto-falantes infernais dos carros tocando sertanejos,pagodes,funks e o c… a quatro, todos péssimos,invadindo,porque podem,o sossego alheio? Ele ainda nos poupou do vexame da insegurança pública,das grades nas janelas,do roubos e assassinatos a céu aberto,de dia e de noite, faça chuva ou faça sol,isso sem falar dos “coletivos”lotados caindo aos pedaços,que param nos pontos de ônibus de péssima localização,que quase sempre se resumem a um pequeno poste de madeira sob um sol escaldante ou sob chuvas torrenciais.Ainda bem que há abençoadas exceções que mantém essa terra habitável e que,na maioria das vezes,sustenta os vagabundos que a consomem.Que Deus,em sua infinita paciência, continue a abençoar as exceções!

    Curtir