Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sorte para o azar

Se tivesse juízo, o presidente Bolsonaro desistiria de medir força com as ruas

Jair Bolsonaro é presidente eleito, não precisa medir força com ninguém, muito menos com as chamadas ruas. Ainda assim, resolveu confrontar. Não vai às manifestações (era só o que faltava para se comparar os piores populistas/ditadores), faz um gesto supostamente institucional ao aconselhar ministros a não ir, mas tampouco desestimula de maneira contundente a participação sob o argumento de que o protesto a favor é “espontâneo”.

Se tivesse um pingo de juízo daria o dito por não dito. Como não tem, dá um passo à frente na direção da beira do abismo. A manifestação do próximo dia 26 tem tudo para dar errado, principalmente porque não conta com o apoio de setores mais articulados e consistentes do bolsonarismo.

E se der certo, levar multidões às ruas? Não vai significar nada no tocante à trajetória de governo. O Congresso não mudará e as tolices continuarão a ser cometidas. Por isso vários de seus apoiadores consideram a convocação desnecessária e, mais que isso, arriscada. Se levar pouca gente é ruim, se levar muita não necessariamente é bom.

De onde, desnecessária, arriscada e, sobretudo, tola a convocação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Paulo Bandarra

    Se Bolsonaro seguisse a opinião da Dora jamais teria sido eleito.

    Curtir