Clique e assine a partir de 8,90/mês
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Piada pronta

Há a comédia, mas há a tragédia no caso da cueca do senador 

Por Dora Kramer - Atualizado em 16 out 2020, 10h50 - Publicado em 16 out 2020, 10h40

A anedota é inevitável e irresistível. Mas, se há a parte comédia, a parcela tragédia é maior no caso do senador Chico Rodrigues ora afastado do cargo por pego em flagrante com maços de dinheiro escondidos na cueca e mais além. 

Ruim para o parlamentar, muito ruim ficou para o presidente da República que se jacta da inexistência de corrupção em seu entorno e ameaça dar “voadoras no pescoço” de quem sair na linha em seu governo. 

Vice-líder no Parlamento é parte do governo, como bem designa a denominação de integrantes do colégio de líderes “do governo”. Fora isso, Chico Rodrigues e Jair Bolsonaro sempre celebraram a proximidade como uma vantagem para ambos. 

O episódio, ao qual vem se juntar investigações relativas a atividades extra curriculares e dois filhos do presidente e de dois líderes “do governo” (Ricardo Barros, na Câmara, e Fernando Bezerra, no Senado) evidencia o risco das relações da Presidência com um grupo parlamentar de notórias complicações com a Justiça. Disso já deram fartas notícias as alianças do PT com esse mesmo grupo.

Ademais, o caso ainda traz de volta à tona outra mazela: a do método de escolha dos suplentes de senador. No lugar de Chico Rodrigues, assume o filho, Pedro Oliveira. Assim quase sempre é com senadores colocando na suplência parentes, amigos e financiadores de campanha.

Continua após a publicidade
Publicidade