Clique e assine a partir de 9,90/mês
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Nome a zelar

Teich saiu para não ter a reputação moída de vez por Bolsonaro

Por Dora Kramer - Atualizado em 15 maio 2020, 16h47 - Publicado em 15 maio 2020, 16h45

Em seu pronunciamento final, Nelson Teich não disse o que motivou sua saída do ministério da Saúde, nem precisava: deixou o cargo para não ter seu nome destruído de vez pela máquina de moer reputações chamada Jair Bolsonaro.

Teich não tinha o respaldo social e político de Sergio Moro para acusações frontais contra o presidente, mas deixou dois pontos muito claros. Não quis se associar à insensibilidade de Bolsonaro (fez isso ao prestar homenagem aos que trabalham na linha de frente da crise sanitária), e anunciou a existência de um plano de diretrizes para ajudar estados e municípios a fim de se diferenciar da dinâmica de atrito adotada pelo presidente.

A nomeação de um substituto enfrentará um obstáculo praticamente intransponível: ninguém que tenha nome a zelar na comunidade científica aceitará o papel de submissão aos “achismos” e obsessões presidenciais, exigência determinante de Bolsonaro para a sobrevivência de seus auxiliares.

Sendo assim, talvez a única solução seja recorrer à disciplina militar.

Publicidade