Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mandetta dita o ritmo da saída

União por permanência do ministro só fez acentuar a erosão do poder de Bolsonaro

Por Dora Kramer Atualizado em 7 abr 2020, 11h11 - Publicado em 6 abr 2020, 21h01

Evidente que a saída de Luiz Henrique Mandetta do governo é coisa certa. Será assim que a crise sanitária arrefecer e ocorrerá por iniciativa do ministro e não por imposição do presidente que hoje teve importante demonstração do quanto o seu poder está em franco processo de erosão.

Jair Bolsonaro bem que gostaria de ter demitido Mandetta, mas não o fez porque não pôde. Embora não seja homem de se render às evidências, foi convencido de que o prejuízo político seria irrecuperável e ainda teve de ouvir o ministro reafirmar publicamente a autonomia na aplicação de critérios científicos, exortar a equipe para “ficar até quando eu disser que é para ficar”, repreendê-lo indiretamente por investidas contra as orientações do Ministério da Saúde, além de não lhe citar o nome nenhuma vez.

ASSINE VEJA

Até quando? As previsões dos cientistas para o fim do isolamento A imensa ansiedade para a volta à normalidade possível, os dramas das vítimas brasileiras e a postura equivocada de Bolsonaro diante da crise do coronavírus
Clique e Assine

Bolsonaro não conseguiu exonerar o ministro por vários motivos. Primeiro, não tinha uma justificativa; segundo, não saberia explicar a razão de abrigar um auxiliar que cria problemas graves, como Abraham Weintraub, enquanto demite outro que trabalha por soluções; terceiro, teria contra si os governadores dos estados; quarto, se arriscaria a ser abandonado por ministros que apoiam as diretrizes de Mandetta; quinto, teria de amargar uma inevitável rejeição ao substituto fosse quem fosse; sexto e definitivo ponto: pagaria a conta do alastramento do vírus e, consequentemente, dos doentes e dos mortos.

Ainda assim, o ambiente não está apaziguado e a questão longe de ser resolvida pois, de maneira traiçoeira, os dragões da maldade que alimentam as piores investidas do presidente seguirão tentando desmoralizar o ministro da Saúde.

Continua após a publicidade
Publicidade