Clique e assine a partir de 9,90/mês
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Louca escapada

Weintraub está para o Bird como Eduardo esteve para a embaixada

Por Dora Kramer - Atualizado em 26 Jun 2020, 12h03 - Publicado em 25 Jun 2020, 10h44

A indicação de Abraham Weintraub para uma diretoria-executiva do Banco Mundial toma um rumo em vários aspectos semelhantes à trajetória da fracassada nomeação de Eduardo Bolsonaro para embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

De início, apesar de todas as críticas, baseadas na evidente falta de qualificação do deputado para o posto mais importante da diplomacia no exterior, vigorava no Itamaraty a convicção de que o plano seria bem sucedido.

Até diplomatas muito experientes e respeitados, alguns ex-embaixadores em Washington, outros ex-chanceleres, todos contrários à indicação, interpretavam que Eduardo Bolsonaro acabaria mesmo sendo o chefe da representação brasileira nos EUA. Não foi, em decorrência do volume da polêmica e da insensatez da ideia.

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil
Clique e Assine

Agora também, apesar de todos os senões prevalece a avaliação de que Weintraub acabará sendo aceito como diretor do Bird. Só que ele, como Eduardo, não reúne qualificação necessária, a começar por ser avesso a organismos multilaterais. A indicação do ex-ministro, assim como ocorreu com o filho do presidente, sofre pesada pressão contrária.

Continua após a publicidade

Em decorrência dos processos dos quais é alvo no Brasil, entre o quais um por racismo e ainda atrai suspeições de fraude na até agora mal explicada saída do país e entrada nos Estados Unidos. Sem contar as contestações à legalidade da permanência dele em terra norte-americana.

A favor dele pesa a tradição de nunca um diretor do Bird ter sido recusado. Até aí, tampouco havia registro na história de desistência de nomeação para embaixador do Brasil em Washington por reações à evidente inépcia do indicado.

Outro traço de semelhança: se aprovado, Weintraub representará mais um ponto negativo para o Brasil na escala de ladeira abaixo em que o presidente Bolsonaro pôs o país diante do mundo.

Publicidade