Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Contra fatos não há ironias

A firmeza e a clareza do ministro Herman Benjamin na exposição de seus argumentos tem o condão de inibir as ironias de Gilmar Mendes

Por Dora Kramer - 8 jun 2017, 16h27

A irrepreensível firmeza e a inquestionável clareza com que o ministro relator vem expondo seus argumentos nesses três dias de julgamento no Tribunal Superior Eleitoral, tiveram um efeito evidente sobre o ministro Gilmar Mendes. Irônico, provocativo e em boa medida deseducado no primeiro dia em relação a Herman Benjamin, o presidente do TSE mudou de atitude. Deixou de lado as ironias para se referir ao relato do colega de modo bastante mais respeitoso.  Sereno, e ao mesmo tempo contundente, o relator  impôs ao ambiente um clima desfavorável a performances individuais. Em outras palavras, mostrou a Gilmar Mendes que brincadeira tem hora.

Publicidade