Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bola cantada

Concentração do auxílio na Caixa tirou prefeitos e governadores do “jogo”

Por Dora Kramer Atualizado em 17 ago 2020, 12h41 - Publicado em 17 ago 2020, 12h38

Antes mesmo da aprovação e distribuição do auxílio emergencial de 600 reais, o governador Ronaldo Caiado (GO) já cantava a bola de que Bolsonaro iria auferir ganho de popularidade e, portanto, buscaria uma forma de transformar a emergência em situação permanente.

Firme aliado do presidente até o advento da pandemia, quando levou a discordância ao ponto da ruptura, Caiado previa, ainda nos idos do mês de março, o crescimento da avaliação positiva de Bolsonaro que, segundo ele, encontrara no auxílio uma maneira de se aproximar do eleitorado do Nordeste.

Algo que o governador dizia e que ainda não foi explicitado, merece ser registrado: a distribuição do dinheiro seria mais eficaz se o governo federal tivesse utilizado os sistemas de cadastros de estados e municípios em suas respectivas áreas de assistência social, mas a opção pela Caixa Econômica teve a intenção de concentrar os ganhos políticos decorrentes na figura do presidente.

ASSINE VEJA

A encruzilhada econômica de Bolsonaro Na edição da semana: os riscos da estratégia de gastar muito para impulsionar a economia. E mais: pesquisa exclusiva revela que o brasileiro é, sim, racista
Clique e Assine

“Ao tirar governadores e prefeitos do jogo, a ideia era fixar na população beneficiada a ligação direta entre a concessão do auxílio e Bolsonaro”, dizia o governador Ronaldo Caiado, numa análise que se na época fazia sentido, vista de hoje é de uma precisão cirúrgica.

Perderam-se no tempo dois fatores que poderiam ser negativos para o Planalto: as aglomerações em agências da Caixa e o fato de que a proposta inicial do governo era dar 200 reais e que o Congresso contra propôs 500 reais, forçando Bolsonaro a aumentar a oferta. O que ficou foi o efeito de seis notas de 100 reais nas mãos de quem não via nem duas delas quando recebia o Bolsa Família.

Continua após a publicidade
Publicidade