Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Anvisa desmente Bolsonaro 

Tudo o que disse a agência contrariou o que diz o presidente  

Por Dora Kramer 17 jan 2021, 16h30

Depois de idas e vindas cercadas por um (por vezes justificado) ambiente de desconfiança quanto à independência da agência, a Anvisa deu mostra da importância da regulação autônoma no aparelho de Estado, na reunião/anúncio da aprovação do uso emergencial das vacinas de Oxford e Coronavac.

Tudo o que disseram técnicos e diretores ao longo de mais de cinco horas contrariou o que vem dizendo o presidente Jair Bolsonaro em sua saga de desqualificação dos imunizantes e da negação do combate contundente e eficiente à pandemia. O corpo da agência parecia ter-se livrado de manifestações que estavam “entaladas”. 

Em todo o contexto sobre a premência da vacinação, duas afirmações feitas por diretores se destacaram. Uma, a que não há medicações alternativas ao combate do vírus. Outra, a que a atribui a situação calamitosa do Brasil à “incúria do Estado”, vale dizer, do governo. 

Há quem tenha visto excesso de propaganda na reunião, mas ela foi importante para que a Anvisa falasse e detalhasse um cenário de razão em oposição às posições negacionistas do presidente. Na atual conjuntura em que se tem de lutar contra doença e contra o governantes que a despreza, antes o show da Anvisa que o espetáculo diário da ignorância presidencial. 

Continua após a publicidade
Publicidade