Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A cara do pai

Iniciativa de Bolsonaro, o voto impresso renasce obsoleto

PAÍS de acentuados contrastes, o Brasil vive também suas contradições. Ora benéficas, quando o confronto leva ao avanço; muitas vezes maléficas, quando entre as opções postas escolhe o caminho do atraso. É o caso agora da adoção do voto impresso acoplado ao sistema de votação eletrônica, alegadamente para dar mais segurança contra fraudes no processo eleitoral.

O assunto não tem tido destaque no noticiário político, e, talvez por isso, o caro leitor e a prezada leitora não tenham sido devida e suficientemente informados a respeito. Pois bem: a partir da eleição presidencial deste ano, a Justiça Eleitoral fica obrigada a imprimir cada voto dado na urna eletrônica, para conferência em caso de suspeitas de fraude.

Parece bom, não? Afinal, tudo o que for feito para assegurar a lisura do pleito em princípio deve ser bem recebido. Pois é, mas desde que tais propostas garantam de verdade a integridade legal do processo, não sejam inúteis na prática (falsas, portanto) nem se destinem a atender aos ditames do sentimento persecutório mais desinformado que realista.

Premissa número 1: o voto eletrônico vem sendo paulatina e seguramente implantado no país desde 1996 em âmbito nacional. Número 2: transcorridos mais de vinte anos, não houve contestação significativa de resultados por parte dos derrotados nem indicativos precisos de fraude. Número 3: além de seguro, o processo permite apuração rápida e, consequentemente, contestação imediata.

Afora os evidentes avanços proporcionados pela votação eletrônica, a Justiça Eleitoral começou desde 2008 a implantar a biometria, processo em que o eleitor é identificado por meio de impressão digital, o que impede a duplicação de votos. Hoje já são mais de 72 milhões os eleitores cadastrados e até a eleição deste ano serão mais de 82 milhões, dos 146 milhões de brasileiros aptos a votar em onze dos 27 estados. A ideia é finalizar a biometria até 2022.

Esta, sim, uma medida de segurança eficaz, cujos benefícios são os seguintes: 1. controle sobre ambiente de circulação restrita, em tese permeável a fraudes; 2. redução do risco de clonagem da identidade do eleitor; 3. facilidade na identificação de quem esteve no local de votação; 4. preservação de senhas eletrônicas por parte dos funcionários encarregados do sistema eletrônico.

É de se perguntar, portanto, qual a razão de optar pela impressão de um imenso e inútil papelório analógico, quando se tem em andamento a adoção de um sistema digital de segurança talvez não inquebrantável, mas certamente muito menos questionável.

Nessa história nada combina com nada, a não ser o fato de que o retrocesso saiu da cabeça do deputado Jair Bolsonaro, que, em 2015, conseguiu convencer número suficiente de colegas sob o argumento de que o PT (então na Presidência) dominaria o país mediante um plano de inclusão fraudulenta de votos nas urnas eletrônicas para se perpetuar no poder.

Jair Bolsonaro fez uma lei, hoje contestada pela Procuradoria-Geral da República e no âmbito dos tribunais superiores, cujo conteúdo não deixa dúvida: é a cara do pai.

Publicado em VEJA de 14 de fevereiro de 2018, edição nº 2569

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Edison Bittencourt

    O artigo da senhora Kramer é uma mistura de afirmações distorcidas ( não houve contestação ampla…) . Como vamos contestar ? Não há como comprovar fraude neste sistema eletrônico. Teria que existir um comprovante o voto impresso. O Brasil tem cientistas e especialista no assunto- Já foi o tempo que os jornalistas diziam merecia ser ouvido. Hoje a complexidade é bem maior. E neste caso o que senhora Kramer “acha” não revela nada além de falta de conhecimento no tema

    Curtir

  2. Fabio Barreto

    VEJA, por falar em democracia, libere meus dois comentários que foram postados dia 09FEV18. Desde já agradeço!!!

    Curtir