Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Diário da Vacina Por Laryssa Borges A repórter Laryssa Borges, de VEJA, relata sua participação em uma das mais importantes experiências científicas da atualidade: a busca da vacina contra o coronavírus. Laryssa é voluntária inscrita no programa de testagem do imunizante produzido pelo laboratório Janssen-Cilag, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

Anvisa discutirá vacina prevista no PNI e desejada por clínicas privadas

Depois da Covaxin será a vez da Janssen se reunir com a Anvisa para discutir o uso emergencial de sua vacina

Por Laryssa Borges Atualizado em 12 mar 2021, 10h56 - Publicado em 9 mar 2021, 12h01

9 de março, 11h36: Depois de o governo ter anunciado, em meio ao novo recorde de mortes por Covid-19, que 14 milhões de doses da vacina da Pfizer estarão disponíveis aos brasileiros, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fará hoje uma reunião para a discussão de documentos que permitam que o imunizante indiano Covaxin também seja usado em caráter emergencial no país. O encontro, agendado para as quatro da tarde, funciona como uma espécie de prévia antes de o laboratório protocolar o pedido para uso de emergência do fármaco no Brasil.

Nesta terça, a Precisa Medicamentos, que distribui a vacina com exclusividade no país, chegou a anunciar que a requisição para uso emergencial já havia sido protocolada junto à agência reguladora. Acabou desmentida pela própria Anvisa, que disse que a reunião de hoje servirá para analisar se existem dados suficientes que a permitam cogitar autorizar mais uma vacina em benefício dos brasileiros. Em uma etapa futura é que a farmacêutica poderá protocolar o pedido para comercializar o fármaco.

A vacina Covaxin faz parte dos planos do governo federal no Plano Nacional de Imunizações (PNI), embora sequer tenha obtido anuência da Anvisa ou tenha feito testes clínicos com voluntários brasileiros. A ideia do Ministério da Saúde é receber 20 milhões de doses do imunizante até maio. Ela também é a menina dos olhos de clínicas privadas, que negociam paralelamente com o laboratório Bharat Biotech a importação dos insumos para a venda a grupos prioritários.

Na semana que vem será a vez de representantes da Janssen-Cilag, de cuja vacina sou voluntária, se reunirem com a Anvisa. O produto desenvolvido pelo braço farmacêutico da Johnson & Johnson cumpriu mais etapas e está em tramitação mais avançada na agência reguladora. Já teve aprovação de órgãos sanitários internacionais, como os dos Estados Unidos e do Canadá, e fez testes de sua vacina experimental com 7.560 voluntários no país.

A AdVac 26, nome comercial da vacina da Janssen, e a Covaxin devem ser os próximos imunizantes na lista de compra de governo federal. Estamos precisando. De acordo com dados consolidados pelo consórcio de veículos de imprensa nesta segunda-feira, em média 1.540 pessoas morreram de Covid-19 no Brasil por dia nesta semana. É o 47º dia seguido de óbitos acima da casa dos mil. No Brasil, março tende a ser o pior mês de toda a pandemia.

Continua após a publicidade
Publicidade