Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Negada por Bolsonaro, garantia de igualdade salarial é lei desde 1943

Candidato é contra 'interferência' em empresas que diferenciam salários de homens e mulheres; no Congresso, parlamentares querem promover aplicação da norma

Negada por Jair Bolsonaro (PSL), a garantia de que homens e mulheres devem ter igualdade salarial existe desde 1943 (portanto, há 75 anos) em ao menos dois artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Para o presidenciável, as empresas não devem sofrer qualquer interferência ou punição por conta de suas políticas remuneratórias.

Levantamento de VEJA a partir de dados do InteliGov, plataforma de inteligência em relações governamentais, mostra que o debate no Congresso Nacional está um passo à frente da argumentação do capitão da reserva: são dezesseis projetos (sendo que doze tramitam em conjunto), na Câmara dos Deputados ou Senado, para criar novos mecanismos que inibam discriminação salarial, como aumento nas multas e listas de divulgação de infratores.

O projeto com tramitação mais avançada foi proposto neste ano pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ). Em síntese, o texto aprovado pelo Senado, que pode ser lido na íntegra, determina o aumento na multa hoje estabelecida pela legislação (50% do teto da Previdência Social, cerca de 2.800 reais, mais a restituição da diferença salarial) em caso de reincidência e prevê, como medida de combate, a criação de uma lista pública, a ser elaborada e divulgada pelo Ministério do Trabalho, que exponha as organizações que não cumprem a regra por um período de dois anos.

Está na lei

Art. 373-A. Ressalvadas as disposições legais destinadas a corrigir as distorções que afetam o acesso da mulher ao mercado de trabalho e certas especificidades estabelecidas nos acordos trabalhistas, é vedado:

[…]

III – considerar o sexo, a idade, a cor ou situação familiar como variável determinante para fins de remuneração, formação profissional e oportunidades de ascensão profissional;

Art. 461. Sendo idêntica a função, a todo trabalho de igual valor, prestado ao mesmo empregador, no mesmo estabelecimento empresarial, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, etnia, nacionalidade ou idade.

[…]

§ 6o No caso de comprovada discriminação por motivo de sexo ou etnia, o juízo determinará, além do pagamento das diferenças salariais devidas, multa, em favor do empregado discriminado, no valor de 50% (cinquenta por cento) do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social.

Fonte: Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)

Ainda na proposta do senador petista, que agora tramita na Câmara, a inclusão do nome de uma empresa na relação implicará, enquanto esta continuar listada, que técnicos do ministério a visitem a cada três meses para observar se o problema persiste. Atualmente, o projeto está na Comissão de Finanças e Tributação (CFT), onde o deputado Lucas Vergílio (SD-GO) o analisa há três meses para elaborar seu parecer.

Os outros projetos sobre o tema têm espírito semelhante e não há, conforme a base do InteliGov, propostas no sentido do que defende o candidato do PSL. Para outros dois senadores, José Medeiros (Pode-MT) e Fernando Bezerra (MDB-PE), o valor pago a menos a mulher durante o contrato não só deve ser devolvido, como precisa ser pago em dobro.

Esses projetos estão parados no Senado desde 2015, no gabinete do relator, o senador Romero Jucá (MDB-RR), assim como uma proposta da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), que prevê que organizações com mais de 250 funcionários exponham publicamente quando ganham as mulheres e os homens da empresa e qual a diferença entre eles.

Bolsonaro e as mulheres

O tema foi levantado pelo candidato do Podemos, Alvaro Dias, no debate da Band na última quinta-feira e é uma pedra no sapato do capitão da reserva desde 2014. Em entrevista ao jornal Zero Hora, Bolsonaro entendeu que seria possível que mulheres recebessem menos já que podem engravidar, o que representa um custo para o empregador. O deputado nega ter dado essa declaração.

Depois da última negativa, feita em sabatina ao canal pago GloboNews na semana passada, quando reafirmou que não pretende adotar medidas para promover a igualdade salarial, o Zero Hora divulgou o áudio da conversa do candidato do PSL com o jornalista do veículo.

“Pode escrever aí: quando o cara vai empregar, entre um homem e uma mulher jovem, o que que o empregador pensa? ‘Poxa, essa mulher aqui tá com aliança no dedo, não sei o quê, ela vai casar, é casada, daqui a pouco engravida, seis meses de licença-maternidade, bonito para c*, para c*, “. Quem que vai pagar a conta? É o empregador. No final, ele abate no INSS, mas ele fala o seguinte: quebrou o ritmo de trabalho. Quando ela voltar, vai ter mais um mês de férias. Então, no ano, ela vai trabalhar cinco meses”, disse, complementando na pergunta seguinte “por isso que o cara paga menos para a mulher”.

Na resposta a pergunta de Dias, Bolsonaro, que tenta se aproximar do discurso econômico liberal nos últimos anos, afirmou que era contra uma política mais específica contra o problema porque “o estado não deve interferir nessa área. Quanto mais o estado entra, pior fica o negócio no Brasil”. “Tem muito local que mulher ganha mais do que homem. Deveríamos então lutar para diminuir o salário dessas mulheres competentes?”, questionou.

Pesquisa do instituto Ideia Big Data, divulgada com exclusividade por VEJA, mostra que o candidato, que lidera todos os cenários sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), tem seu pior desempenho entre as mulheres. Na pesquisa espontânea, por exemplo, Bolsonaro é lembrado por 14% dos eleitores – esse número é de 22% entre homens e de apenas 7% quando são observadas só as mulheres.

A relação do candidato do PSL com a ideia de que a gravidez é motivo para que elas recebam menos é considerada um dos motivos para essa diferença nas intenções de voto. Trata-se de um problema real e de difícil solução. Levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado neste ano, mostra que, entre 2012 e 2016, mulheres com ensino superior receberam 75% do que homens sob mesmas condições.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Ricardo Souza Stefanone

    LASTIMÁVEL VER UM JORNAL PARCIAL IGUAL A “VEJA”. QUALQUER PESSOA QUE ASSISTIU O DEBATE, SABE QUE ELE NÃO FALOU NADA EM NEGAR, APENAS MENCIONOU EM NÃO INTERFERIR.

    AS EMPRESAS JÁ PRATICAM E VALORIZAM A MULHER A MUITO TEMPO…
    VOCÊS DA “VEJA” TEM QUE PARAR DE TRATAR SEUS LEITORES COMO ANALFABETOS, TOMEM VERGONHA, ESTA NA HORA DE CRESCER…

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    Por isto que nossas fronteiras estão aboarrotadas de trabalhadoras americanas em busca desta garantia. Lá não tem.

    Curtir

  3. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Cabe lembrar que Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) é inspirada na Carta del Lavoro do Partido Nacional Fascista de Benito Mussolini. E para com esse papo de igualdade, paga-se melhor para os mais competentes independente se é homem ou mulher. O patrão tem selecionar os melhores e mais competentes e pagar-lhes bem.

    Curtir

  4. Paulo Bandarra

    Se mulheres produzissem o mesmo com salários menores teriam tomado o mercado de trabalho.

    Curtir

  5. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Estas são algumas das jabuticabas do Brasil: igualdade e isonomia. Você acha certo que uma pessoa incompetente, seja homem ou mulher, ganhar igual a uma pessoa competente.

    Curtir

  6. André Silva

    A ideologia esquerdista inspira todo tipo de controle estatal até mesmo onde não tem razão de ser. E se por pressão de uma lei que obrigue as empresas em todos os casos igualdade absoluta de remuneração, os empresários resolverem não mais contratarem mulheres? Aí a “solução” vai ser mais uma lei criando cotas para contratar mulheres? Que é isso?! O Brasil só não ficou mais bizarro por que o PT saiu do poder e ainda existem políticos como Bolsonaro.

    Curtir

  7. Márcio Matos

    Deturpadores da verdade. Esse tipo de jornalismo não tem futuro.

    Curtir

  8. Issacar Lamarck

    Se a veja é exemplo, deveria divulgar o quanto paga aos seus funcionários homens e mulheres, negros e brancos, assim como outros meios de comunicação.

    Curtir

  9. Um país incapaz de assegurar os direitos mais básicos aos cidadãos vai conseguir sim aplicar essa lei com rigor. Mais uma reportagem parcial de Veja.

    Curtir

  10. Edilson Mourao

    É por essas e outras tentativas de tutelar, que a grande mídia está no fundo do poço e rumo a falência…

    Curtir