Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Fernando Haddad e o sonho de uma chapa Lula-Alckmin

Composição do ex-presidente com o tucano daria ao ex-prefeito um cenário mais confortável na corrida ao Palácio dos Bandeirantes

Por Clarissa Oliveira 10 nov 2021, 10h03

Fernando Haddad não queria ser candidato ao governo de São Paulo em 2022. Assim como, em 2020, recusou todos os apelos para concorrer a mais um mandato na prefeitura paulistana, contribuindo para levar o partido a um fiasco completo nas urnas. Na época, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estava inelegível e fazia sentido o ex-prefeito argumentar que uma nova derrota na capital o enfraqueceria como alternativa para o Palácio no Planalto.  Mas Lula voltou para o jogo e tudo mudou.

Desta vez, Haddad não teve como recusar o pedido do ex-presidente para concorrer ao Palácio dos Bandeirantes. E a situação está longe de lhe ser confortável. No PSDB até segunda ordem, Geraldo Alckmin já deixou claro que não quer abandonar o plano de disputar um novo mandato de governador. O tucano se movimenta com apoio de Márcio França, do PSB. E, agora, conta com um reforço do PSD, com quem negocia uma possível filiação. Perder feio para essa turma poderia derrubar Haddad da lista de alternativas do PT para disputar a Presidência lá na frente, em 2026.

Esse é o resumo feito por quem convive de perto com o ex-prefeito de São Paulo. É por isso, conta um interlocutor, que Haddad se transformou num dos maiores defensores da tal chapa presidencial encabeçada por Lula, tendo o ainda tucano Geraldo Alckmin na posição de vice. Se é para entrar na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes, que seja sem tanta competição.

 

 

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade