Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Cidades sem Fronteiras Por Mariana Barros A cada mês, cinco milhões de pessoas trocam o campo pelo asfalto. Ao final do século seremos a única espécie totalmente urbana do planeta. Conheça aqui os desafios dessa histórica transformação.

Prédio da Biblioteca Nacional no Porto Maravilha terá praça pública e espaços de convivência

Nesta quinta, arquiteto Hector Viglieca doará os croquis para o acervo da instituição

Por Mariana Barros Atualizado em 31 jul 2020, 00h14 - Publicado em 27 out 2015, 07h06
Imagem área do projeto de Hector Vigliecca para o novo edifício da Biblioteca Nacional, no Porto Maravilha (Imagens Divulgação)

Imagem área do projeto de Hector Vigliecca para o novo edifício da Biblioteca Nacional, no Porto Maravilha (Imagens Divulgação)

Todos os meses, cerca de 25.000 peças são doadas para alimentar o acervo de 10 milhões de itens da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.  Nesta quinta (29), quando a Biblioteca completa 205 anos, mais algumas peças passarão a integrar a coleção. Em vez de ajudarem a manter vivo o passado, elas apontarão para o futuro. São 6 croquis e um caderno de esboços do edifício anexo da Biblioteca que será construído no Porto Maravilha, o programa de revitalização da zona portuária carioca.

Quem assina os croquis é o responsável por projetar o novo prédio, o uruguaio Hector Vigliecca. No ano passado, seu escritório venceu o concurso de arquitetura promovido por uma parceria entre Fundação Biblioteca Nacional (FBN), Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp) e Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-RJ). Na ocasião, foram avaliados 38 trabalhos de profissionais de todas as regiões do país. Vigliecca é autor da arena Castelão, em Fortaleza, entre outros projetos.

 

Um dos dois croquis que serão doados por Vigliecca nesta quinta à Biblioteca Nacional

Um dos dois croquis que serão doados por Vigliecca nesta quinta à Biblioteca Nacional

LEIA TAMBÉM:

Para arquiteto uruguaio, o maior desafio de construir na periferia é a falta de vínculo dos moradores com o espaço

Revista elege as nove melhores obras construídas no Brasil em 2014 e não inclui nenhum estádio da Copa do Mundo

Continua após a publicidade

 

A proposta de Vigliecca se destacou pela conexão com a cidade, feita a partir de uma praça coberta e um vão livre. “Não é um objeto isolado nem de ostentação”, diz o material descritivo. Dentro da Biblioteca Nacional do Cais do Porto, como deverá se chamar, haverá teatro, salas multimídia, café, galeria de exposições, restaurante e livraria, distribuídas entre a praça, o térreo e o mezanino. Existirá ainda uma biblioteca pública para pegar livros emprestados ou apenas ter alguns momentos de sossego com vista para o mar. Os volumes raros continuarão guardados no edifício principal.

Já existe um edifício pertencente à Biblioteca Nacional na zona portuária, a antiga estação de expurgo de grãos do Ministério da Agricultura, que terá parte demolida e parte reaproveitada. O custo total é estimado em 100 milhões de reais, e caberá ao presidente da Bilioteca Nacional, Renato Lessa, levantar os recursos necessários. Um caminho é permitir que empresas públicas e privadas contribuam em troca de expor suas marcas no local. A previsão de inauguração é 2017. “O novo edifício deve manifestar-se como um símbolo urbano, identificado e adotado pela população da cidade”, diz o descritivo. É pelo que todos nós torcemos.

Por Mariana Barros

Fachada do futuro edifício

Fachada da Biblioteca Nacional do Cais do Porto, como deve se chamar o prédio

Praça aberta integra o futuro edifício à cidade

Praça aberta integra o futuro edifício à cidade

Imagem interna do futuro edifício

Imagem interna das instalações do anexo

>> Acompanhe o Cidades sem Fronteiras no Facebook // Siga no Twitter// E no Instagram

Continua após a publicidade
Publicidade