Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Cidades sem Fronteiras Por Mariana Barros A cada mês, cinco milhões de pessoas trocam o campo pelo asfalto. Ao final do século seremos a única espécie totalmente urbana do planeta. Conheça aqui os desafios dessa histórica transformação.

Isenção de IPI para carros alimentou corrupção sem contrapartidas para melhorar vias ou transporte

Fortaleza e Manaus são campeãs do aumento da frota registrado no ano passado

Por Mariana Barros Atualizado em 31 jul 2020, 00h23 - Publicado em 2 out 2015, 19h30

observatorio_metropoles04

observatorio_metropoles05

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Um levantamento do Observatório das Metrópoles, ligado ao Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia, revela que apenas ao longo do ano passado, 3,2 milhões de carros passaram a circular no país. Com isso, a frota alcançou 57 milhões de automóveis. Ou seja, há 1 carro para cada 4 brasileiros, a maior taxa já registrada.

Fortaleza teve o maior aumento percentual da frota entre as cidades analisadas. Ao longo de 2014, o número de carros por lá cresceu 6,7%. Ela aparece no ranking seguida por Manaus (6%) e Natal (5,8%).

As cidades que registraram maior aumento percentual da frota em 2014

As cidades que registraram maior aumento percentual da frota em 2014

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

O aumento  reflete a melhoria da renda da população, alavancada partir de 2003. Revela também a completa falta de diretrizes para o desenvolvimento das cidades. Segundo o pesquisador Juciano Rodrigues, coordenador do relatório do Observatório, os governos relegam a segundo plano as políticas de transporte público de massa e reduzem quase a zero a implementação de políticas para o transporte não motorizado.

Pior do que isso, a priorização do carro embute um esquema de corrupção que agora começa a ser revelado. Uma reportagem publicada nesta semana pelo jornal O Estado de S. Paulo mostrou que montadoras de veículos foram beneficiadas em troca de pagamentos durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (leia mais aqui).

Lobistas que atuam pelo setor receberam até 36 milhões de reais das montadoras para conseguir do Executivo a aprovação da medida provisória que prorrogou os descontos de IPI (imposto sobre produtos industrializados) para automóveis. Os incentivos fiscais chegaram a 1,3 bilhão de reais por ano.

Gráfico mostra a disparada na quantidade de carros nas ruas do país a partir de 2006

Gráfico mostra a disparada na quantidade de carros nas ruas do país principalmente a partir de 2006

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

O legado do episódio está traduzido nos números do Observatório: um aumento da frota sem precedente e sem infraestrutura adequada para acomodá-la. Nada foi revertido em benefício da população: nem vias melhores para quem adquiriu carros sem IPI nem alternativas de transporte público de qualidade.

E agora que a própria indústria automobilística enfrenta problemas para manter a produção, é ainda mais difícil entender qual foi a vantagem de longo prazo prevista por manter por tantos anos os incentivos para a compra de automóveis. O escândalo envolvendo o governo Lula comprova que poucos são os que pensam a longo prazo quando têm a oportunidade de tirar vantagem do uso do dinheiro público.

O estudo do Observatório pode ser lido na íntegra aqui.


Por Mariana Barros

>> Acompanhe o Cidades sem Fronteiras no Facebook // Siga no Twitter// E no Instagram

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Publicidade