Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sim à imigração, não ao relativismo cultural

Defender a livre imigração não envolve acreditar que os imigrantes são seres angelicais

Muita gente tem me perguntado se continuo a favor da livre imigração mesmo depois dos casos de agressão sexual na Alemanha. As mulheres agredidas contaram à polícia que os criminosos eram “homens jovens, de aparência árabe ou norte-africana”. Casos como esse não seriam um bom motivo para impedir a imigração?

Não. Casos como os da Alemanha são um bom motivo para se opor ao relativismo cultural e para defender a tolerância zero contra imigrantes criminosos. Ser favorável à livre imigração não envolve achar que os imigrantes são todos bonzinhos. Também não exige aderir aos politicamente corretos e relativistas culturais, para quem o respeito a culturas exóticas é mais importante que a noção tradicional de direitos humanos.

Imigração é uma excelente notícia se os imigrantes forem um ativo para o país (e não um passivo, que demanda gastos do governo), e se não ameaçarem o império da lei. O que põe a Europa em risco não é a imigração, mas a tolerância relativista.

O maior erro desse debate é acreditar que o Estado consegue deter a imigração. Queiram os engenheiros sociais ou não, os imigrantes entram. Dentro do país, transformá-los em ilegais só agrava o problema. A burocracia e a consequente ilegalidade mantêm guetos, dificultam a assimilação e criam mercado para mafiosos (que medeiam conflitos entre quem não pode contar com a mediação da polícia).

Nos Estados Unidos, onde há mais liberdade econômica e menos relativismo, a assimilação é maior. Por lá, a conexão entre imigrantes e criminalidade “é mítica”. “Muitos estudos mostram que recém-chegados têm menos chances que os nativos de cometerem crimes violentos ou serem presos”, diz Jason Riley, colunista do Wall Street Journal – e da Fox News.

Uma discussão elegante costuma respeitar o “Princípio da Caridade”, segundo o qual é preciso interpretar da melhor forma possível as afirmações e os argumentos do adversário de um debate. Da próxima vez que um imigrante muçulmano cometer um crime, peço aos opositores à imigração que se lembrem desse princípio. Eu não admiro culturas exóticas, não acho que os muçulmanos são todos bondosos e não quero dar abraços grátis em terroristas. Acredito apenas que deter a imigração traz muito mais prejuízos que benefícios.

@lnarloch

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    PEDRO TENVIA

    Não importa o que digam os “politicamente corretos”, a invasão que agora está ocorrendo na Europa, não tem nada de pacifica, está mais para tomada de Roma, que após ter se convertido ao cristianismo, se tornou mais “tolerante” deu no que deu. Os muçulmanos, na verdade não estão indo ao primeiro mundo, estão levando o terceiro mundo junto com eles. Os alemães ainda vão lamentar e muito a permissividade que lhes custará na melhor das hipóteses a condição de “dimi”, devendo pagar o zakat, para que os muçulmanos, possam fazer tranquilamente em profusão aquilo que os alemães estão fazendo pouco, “filhos muçulmanos”, que vão substituir a população nativa ou escravizá-la.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Rafael

    Caio no alto de sua estupidez letrada parece acreditar que os mulçumanos migrantes de hj são os mesmos do tempo das cruzadas, que seus países não existem prédios, escolas,hospitais e que todos vivem em tendas. Muita retórica para disfarçar o preconceito.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Nill

    “Muita gente tem me perguntado se continuo a favor da livre imigração mesmo depois dos casos de agressão sexual na Alemanha. As mulheres agredidas contaram à polícia que os criminosos eram “homens jovens, de aparência árabe ou norte-africana”. Casos como esse não seriam um bom motivo para impedir a imigração?
    Não. Casos como os da Alemanha são um bom motivo para se opor ao relativismo cultural e para defender a tolerância zero contra imigrantes criminosos” Então ! Leandro Narloch ! Você não vai ficar contra a livre imigração só por causa de casos de agressão sexual na Alemanha. Tenho um vídeo que mostra muçulmanos arrastando uma alemã para estrupa-la no metrô. http://folhabrasil.org/cenas-fortes-video-mostra-muculmanos-arrastando-alema-para-estupra-la-em-metro/
    Leandro Narloch , você viu este vídeo ? De qualquer maneira, ‘isto’ (o estupro de uma mulher alemã ou muitíssimas delas) não é motivo para acabar com a migração de muçulmanos na Europa,na sua opinião. Não é ?

    Curtir

  4. Comentado por:

    Kandy

    A derrocada da Europa é apenas questão de tempo. A taxa de natalidade dos muçulmanos é muito superior, por questões óbvias. O problema do Ocidente é o vazio moral, intelectual e espiritual que chegou ao ponto sadomasoquista de alimentar o próprio Leão que vai devorá-lo futuramente. Defender Multiculturalismo quando se trata de culturas hostis é um tiro no próprio pé, mas as pessoas estão tão bestializadas que não conseguem ver isso. Além disso, qualquer um com massa encefálica sabe que o objetivo deles é aplicar a Sharia em toda a Europa.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Laércius

    Angela Merkel sofreu uma grande pressão interna e externa (mesmo de fora da Europa) para afrouxar a mão há meses atras.Espero que os criminosos sejam punidos exemplarmente.Há sim uma militância organizada para que todos “aceitem posturas diferentes” de estrangeiros e grupos, na Europa e em grande parte do mundo,que nada mais são do que uma busca de poder por esses.

    Curtir