Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mitos alimentares: a resposta do Instituto Nacional do Câncer

Na segunda-feira, eu acusei o Instituto Nacional do Câncer de divulgar mitos e erros comuns sobre o câncer – como os de que adoçante e agrotóxicos causam a doença e alimentos orgânicos a previnem. O Inca me procurou solicitando a publicação de uma resposta, que vai abaixo. Para um próximo post, prometo uma tréplica.

@lnarloch

 

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que além de “desfazer mal-entendidos sobre o câncer”, o INCA possuiu várias outras funções. Por ano, realizamos para pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS):

7,5 mil cirurgias;

40 mil atendimentos em quimioterapia;

67 mil atendimentos em radioterapia;

240 mil consultas médicas;

14,5 mil internações.

Formamos cerca de 1.500 alunos por ano, nos nossos 60 cursos de pós-graduação, que tem conceito 6, em um total de 7, na avaliação da Capes. Nossa pós é a única de excelência na área oncológica do Brasil e formamos médicos e profissionais em Oncologia inclusive para a rede privada em todo país.

Bom, poderíamos citar outros programas e atividades do INCA, mas vamos direto às considerações sobre os três “mitos” elencados por você. Todas as recomendações do INCA são inteiramente baseadas em evidência científica. Não em um ou dois estudos pinçados na Internet, mas em todo o universo da produção científica referendada por organizações internacionais de credibilidade indiscutível, como a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC) da Organização Mundial da Saúde (OMS), da qual o INCA faz parte.

 

Adoçantes

 

A IARC verificou em 1999 que existem evidências suficientes de carcinogenicidade da sacarina sódica em estudos experimentais em animais (IARC Monography v.73, 1999).

 

Diversos estudos têm confirmado e reforçado a relação da ingestão de aspartame, mesmo em pequenas doses, com o surgimento de vários tipos de câncer incluindo os do trato urináriolinfomas e leucemias (Life-span exposure to low doses of aspartame beginning during prenatal life increases cancer effects in rats. Environ Health Perspect. 2007; Results of long-term carcinogenicity bio-assay on Sprague-Dawley rats exposed to aspartame administered in feed. Ann NY Acad Sci. 2006;  Aspartame induces lymphomas and leukaemias in rats. Eur J Oncol. 2005; The carcinogenic effects of aspartame: The urgent need for regulatory re-evaluation. Am J Ind Med. 2014; Consumption of artificial sweetener- and sugar-containing soda and risk of lymphoma and leukemia in men and women. Am J Clin Nutr. 2012).

 

Outros estudos revelam os mecanismos que explicam como o aspartame aumenta o risco de outros tipos de câncer. O aspartame induz a produção de radicais livres, que aceleram o envelhecimento e aumentam o risco de câncer, além de reduzir as defesas do corpo contra outros agentes cancerígenos, aumentar a expressão de genes que estimulam o surgimento de câncer e suprimir os genes que ajudam a prevenir o câncer (Consumption of artificial sweetener- and sugar-containing soda and risk of lymphoma and leukemia in men and women. Am J Clin Nutr. 2012; Longer period of oral administration of aspartame on cytokine response in Wistar albino rats.Endocrinol Nutr. 2015).

 

Estudos revelam também que o uso de adoçantes artificiais pode contribuir tanto para o ganho de peso como para o aumento do risco de alterações no metabolismo da glicose (como a intolerância à glicose e o diabetes tipo 2), que estão associados ao aumento da incidência de diversos tipos de câncer (Sugar-sweetened beverages and weight gain in children and adults: a systematic review and meta-analysis. Am J Clin Nut 2013; Metabolic effects of non-nutritive sweeteners. Physiology & Behavior 2015; Artificial sweeteners induce glucose intolerante by altering the gut microbiota. Nature 2014; . Obesity and Diabetes: The Increased Risk of Cancer and Cancer-Related Mortality. Physiological Reviews  2015).

 

Essas evidências obrigam o INCA a cumprir com sua responsabilidade de informar à população que o consumo de adoçantes artificiais está associado ao desenvolvimento de algumas doenças, inclusive do câncer.

 

 

Alimentos orgânicos

 

O estudo citado no seu post, realizado no Reino Unido, é contestado no mundo científico e foi considerado inconclusivo, porque não há garantias de que os alimentos consumidos pelas britânicas que participaram do experimento eram efetivamente orgânicos. A comparação feita nesse estudo não é valida.

 

O INCA jamais afirmou que “orgânicos ou que algum alimento tem o poder de combater o câncer”. Em recente posicionamento, afirmamos: “Modos de cultivo livres do uso de agrotóxicos produzem frutas, legumes, verduras e leguminosas, como os feijões, com maior potencial anticancerígeno”. Esta informação é baseada em publicações científicas, dentre elas uma recente metanálise de 343 trabalhos científicos, incluindo diversos estudos brasileiros, que demonstrou teores substancialmente mais elevados de uma variedade de compostos anticancerígenos em diversos alimentos vegetais produzidos de forma orgânica comparados àqueles produzidos com a utilização de agrotóxicos e fertilizantes sintéticos (Higher antioxidant and lower cadmium concentrations and lower incidence of pesticide residues in organically grown crops: a systematic literature review and meta-analyses. Br J Nutr. 2014).

 

Esclarecemos que os compostos anticancerígenos, como os quimiopreventivos naturalmente presentes nas frutas, legumes, verduras e leguminosas, são compostos capazes de prevenir ou reparar danos no DNA e outros danos oxidativos nas células.

 

É com base nessas evidências que o INCA afirma que os alimentos orgânicos tem um maior potencial anticancerígeno.

 

Agrotóxicos

 

A IARC publicou recentemente a avaliação do poder carcinogênico de diversos ingredientes ativos de agrotóxicos e concluiu que há evidências suficientes para confirmar que os herbicidas glifosato e 2,4-D, os mais utilizados nas lavouras brasileiras, exercem efeitos cancerígenos, o que inclui: danos ao DNA capazes de transformar células saudáveis em células precursoras de câncer e disrupções endócrinas que resultam em estímulo ao desenvolvimento de câncer (http://www.iarc.fr/en/media-centre/iarcnews/pdf/MonographVolume112.pdf).

 

A afirmação da ONG britânica que você cita (“considera que o nível atual de resíduos de agrotóxicos nos alimentos do Reino Unido não apresenta uma preocupação significativa para a saúde humana”) refere-se à realidade do Reino Unido, não a do Brasil. Os brasileiros comem basicamente alimentos produzidos no Brasil, que é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, inclusive de produtos proibidos na Europa e América do Norte.

 

Por fim, gostaríamos de enfatizar que a contabilização de casos e mortes por câncer é essencial para priorizar estratégias de prevenção e controle do câncer no país, mas recomendações e ações de prevenção não são realizadas somente em função do aumento ou redução do número de casos de câncer. Do contrário não se tratariam de ações de prevenção.

 

Com base nestas informações, o INCA tem a obrigação de alertar a população brasileira sobre o risco cancerígeno da modalidade de produção de alimentos predominante no Brasil, que se vale do uso excessivo de agrotóxicos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Laércius

    (Espero a tréplica do Narloch.)Bom,vale lembrar ainda que o 2,4-D é usado antes mesmo do plantio (da soja por exemplo) e nem tem contato sequer com a semente por ser tóxico a essa .A coisa funciona assim:aplica-se o produto sobre a grama,onde SOMENTE as plantas de “folha-larga” são afetadas.Após 10-15 pode-se plantar em semeadura profunda (ABAIXO do nível do solo).Quanto a IMPLICÂNCIA com o Glifosato é porque ele é a base do sistema de plantio direto,consequentemente é a base quase toda a agricultura praticada no mundo desenvolvido.Caso estivesse “causando câncer” a incidência desse mal teria dado um SALTO enorme de uma hora para outra a partir do início de sua fabricação e uso.
    Aproveito para comentar que principalmente a argumentação inicial do INCA alardeando o número de atendimentos ao SUS como credencial de confiabilidade não credencia a nada,pelo contrário.Houve uma pesquisa com grande amostragem de pessoas para estabelecer correlação?E o que quer dizer “MODALIDADE de produção de alimentos PREDOMINANTE no Brasil, que se vale do uso excessivo de agrotóxicos”?Qual é a “modalidade” predominante no Brasil e qual a do resto do mundo?

    Curtir

  2. Comentado por:

    Diego Luz

    “Quando a ideologia entra pela porta de uma instituição, a Ciência sai pela janela.” Dr. Zeferino Vaz – Médico.
    Mas ouçam esta excelente entrevista do Dr. Zanaga (24/06/2010)
    http://cbn.globoradio.globo.com/programas/jornal-da-cbn/2010/06/24/CERCA-DE-29-DOS-ALIMENTOS-CONSUMIDOS-PELOS-BRASILEIROS-APRESENTAM-IRREGULARIDADES-APONTA.htm

    Curtir

  3. Comentado por:

    Diego

    A FIOCRUZ é parte do exercito de difamação.
    “EGÍDIO SERPA
    egidio@diariodonordeste.com.br
    00:00 · 01.10.2015
    Carece de fundamento a notícia da direção local da Fiocruz de que o Ceará é o terceiro Estado que mais consome agrotóxicos. Primeiro: a fabricação e a venda de agrotóxicos são determinados por Lei, e seu uso segue a bula dos fabricantes. Segundo: a venda de agrotóxicos no Ceará equivale a 0,17% das vendas no País. Quem o diz é o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg). A Fiocruz, instituição respeitada e admirada pela comunidade científica do País, deve monitorar o que fala sua representação aqui. Passa a impressão de que a Fiocruz-CE se aliou ao plano de destruição da agricultura tradicional cearense. O debate sobre os agrotóxicos é científico – com dois lados distintos – e não deve, portanto, ser tisnado pelas ideologias.”
    Fonte:http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/coluna/egidio-serpa-1.209/egidio-serpa-agrotoxicos-ha-dois-lados-1.1399629

    Curtir

  4. Comentado por:

    Edem de Almeida

    Prezado Leandro, Aguardamos a tréplica. Se a tréplica não virá, porque os argumentos do INCA são irrefutáveis, é melhor pedir desculpas ao instituto, do que perder a credibilidade perante seus leitores.

    Curtir