Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsa Família: como uma ideia da direita se tornou a principal bandeira da esquerda brasileira

 

bolsa_familia1
Tucanos dizem que quem criou os programas de transferência de renda foi FHC; petistas insistem que nada a existia no Brasil antes de Lula. Os dois partidos escondem a verdadeira origem dos programas de renda mínima. A ideia que se tornou a grande bandeira da esquerda nasceu com Friedrich von Hayek e Milton Friedman – dois ganhadores do Nobel de Economia rejeitados pela própria esquerda como os “os pais do neoliberalismo”.

A história é desconhecida, mas não se trata de um segredo. Até Eduardo Suplicy admite a influência neoliberal. No livro Renda de Cidadania, Suplicy afirma que ele próprio se inspirou em estudos de economistas neoclássicos que conheceu na década de 60, durante o mestrado em economia na Michigan State University. Entre várias fontes de inspiração, como Karl Marx e Jesus, Suplicy menciona Hayek e Friedman. Ele inclui no final do livro até mesmo uma entrevista com Milton Friedman, realizada em 2000.

“Ser contra a renda mínima só porque Friedman a defendeu é semelhante a ser contra o imposto de renda só porque países capitalistas o aplicam”, escreveu Suplicy.

A proposta de Friedman está no livro Capitalismo e Liberdade, de 1962. Ele sugere que, em vez de impor regulações que distorcem o mercado, como leis de salário mínimo e controles de preços, o governo deveria criar um “imposto de renda negativo”.  Quem ganha menos que o piso de recolhimento do imposto de renda deveria pagar um valor negativo (ou seja, receber um subsídio) proporcional ao valor que falta para chegar ao piso.

No Brasil de hoje, a mordida do imposto começa com 7,5% sobre o que excede o salário de R$ 1900. Na proposta de Friedman, quem tivesse o salário de R$ 1200 ganharia 7,5% de R$ 700, ou R$ 52,50.

“As vantagens são claras”, escreveu Friedman. “A prática explicita o custo que impõe à sociedade. Opera fora do mercado. Como qualquer outra medida para mitigar a pobreza, reduz o incentivo para que os pobres ajudem a si próprios, mas não o elimina inteiramente.”

Os argumentos de Hayek são mais teóricos, relacionados a sua visão de liberdade humana. Hayek vê a propriedade privada e o livre mercado como as principais armas contra a coerção e a submissão. Nesse raciocínio, quem não tem propriedades ou renda fica vulnerável à coerção e ao abuso de poder. “A garantia de uma renda mínima para todos, ou uma espécie de piso abaixo do qual ninguém precisa descer, mesmo quando incapaz de se sustentar por si mesmo, parece constituir uma proteção perfeitamente legítima contra um risco comum a todos”, afirmou o austríaco.

Como uma ideia liberal se tornou bandeira da esquerda?

A história ganha coerência se voltarmos trinta anos. Nos anos 80, com o Muro de Berlim ainda em pé, os militantes da esquerda defendiam reformas estruturais – luta de classes, reforma agrária, fazendas de produção coletiva. Já os conservadores diziam que o avanço do capitalismo livre das unhas do governo era o melhor sistema para os pobres no longo prazo. O que, então, fazer com a miséria no curto prazo? Atenuá-la com programas focados em atenuar a pobreza.

Não é à toa que a maioria dos programas de transferência de renda surgiu logo depois da queda do Muro de Berlim, quando ficou bem ridículo falar em luta de classes. A expressão “redução da pobreza” ganhou as passarelas enquanto “revolução do proletariado” ficou encostada no armário. Na América Latina, dezessete países criaram programas desse tipo entre 1990 e 2010.

A ironia mais saborosa dessa história é sobre o pioneiro dos programas de transferência na América Latina. O Subsidio Único Familiar, implantado em 1981 pelo governo chileno, dava dinheiro a mães pobres que mantivessem o filho na escola.

Pois é. O ditador Augusto Pinochet foi o primeiro a implantar o programa que, décadas depois, daria origem ao Bolsa Família.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Guilherme Cé

    “Sempre achei que um dos mais graves problemas dos países subdesenvolvidos é sua incompetência na descoberta dos seus verdadeiros inimigos. Assim, por exemplo, os responsáveis pela nossa verdadeira pobreza não são o liberalismo nem o capitalismo, em que somos noviços destreinados, e sim a inflação, a falta de educação básica e um assistencialismo governamental incompetente, que faz com que os assistentes passem melhor do que os assistidos.” Roberto Campos
    http://alanternanapopa.blogspot.com.br/

    Curtir

  2. Comentado por:

    Luiz Otavio de Almeida

    Entre Pinochet e Salvador Allende, qual você escolheria para casar com sua filha?

    Curtir

  3. Comentado por:

    Professor de História

    Porque foi o Lula que o programa foi mal aplicado e hoje virou apenas uma forma moderna de voto de cabresto. Pe. Carlos Ferreira da Silva por isso mesmo você não tem que comemorar a aplicação que teve esse programa, já que ele é aplicado de forma totalmente errada. Vou repetir novamente, o grande problema do bolsa família é a forma como ele é aplicado, pois ele não possui critérios de responsabilidade para as pessoas de recebem. Primeiro que ele tem uma tolerância de 5 filhos, o que já é um absurdo, deveria ter a tolerância de 1 filho, pois se a pessoa não tem dinheiro para criar aquele filho direito e esta pedindo ajuda para o governo, porque diabos vai fazer um segundo filho? Deveria se ter uma educação com esse casal, oferecendo uma vasectomia gratuita para o marido dessa mulher. Segundo, deveria se cobrar da criança um retorno maior, pois pelo que eu conheço eles só cobram que o aluno tenha frequência, porém o correto deveria se cobrar disciplina e dedicação nos estudos para o aluno não reprovar, além da presença dos pais nas reuniões bimestrais da escola. Caso falhe em algum desses pontos, a família perde a bolsa.”

    Curtir

  4. Comentado por:

    Antonio Francisco de Souza

    Pela analise das discussões, concluo que a Bolsa-Família é uma bastarda que por ser muito bonita muitos a querem registrar como filha legítima.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Rulk

    ‘Bolsa Família” ideia da direita??? a ampliação do Bolsa escola entre outros benefícios e as politicas que andam juntas com o programa, foi uma ideia de direita?

    Curtir

  6. Comentado por:

    Odilon Rocha

    Essa ideia não poderia ter sido nem de direita nem de centro e nem de esquerda.
    Um lixo que desmerece e vicia as pessoas à vagabundagem.

    Curtir

  7. Comentado por:

    deusalemos

    Olá. Boa tarde!Lendo todos os comentários. ..Fiquei impressionada com todo tipo de leitores . Agora, eu pgto, pq nenhum é canditado (a)?Li q todos são uma assumidade em tudo . Agora, com tantos conhecimentos. ..E todos desperdiçados só aqui…Vamos, gente . Vão lá fazer bonito com o q escrevem aqui. Aí, Sim . É ação pra tirar o GOVERNO que não fez e não faz nada! Falar, ,criticar é fácil. Quero ver por a mão na massa e construir . Não gosto de nenhum partido. Só sou brasileira com mto orgulho!!!

    Curtir

  8. Comentado por:

    ricardo

    Vamos fazer uma lista de medidas em que o pt foi contra mas quando chegou no governo continuou mesmo chamando de heranca maldita………plano real, programa de transferencia de renda, lei de responsabilidade fiscal, cambio no flutuante, regime de metas de inflacao……que mais gente?

    Curtir

  9. Comentado por:

    Luiz Santos

    Programas de subsídios e políticas públicas já existiam desde da social democracia liberal sueca. Nada a ver com Hayek ou Friedman. Que só rebatizaram e falaram mais do mesmo com outras palavras. E o que fazem os conservadores e pseudo-liberais tupiquins antes mesmo de subir ao poder? Querer acabar com os programas sociais.

    Curtir