Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A lei do Escola sem Partido é, sim, necessária

Não se trata de impor uma mordaça aos professores, mas garantir a liberdade de opinião dos estudantes

Suponha que, na escola pública do seu filho, o professor de história é fã de Jair Bolsonaro. Ele ensina que o governo militar não foi uma ditadura, e sim uma democracia que fez muito bem ao matar comunistas. Na prova de fim de ano, seu filho dá uma opinião diferente – e leva zero. Você reclama à diretoria, que dá razão ao professor e diz a você:

– Escola sem pensamento crítico não é escola!

Intelectuais que eu admiro, como Joel Pinheiro da Fonseca e Luiz Felipe Pondé, acreditam que o movimento Escola sem Partido acerta no diagnóstico (a doutrinação de esquerda das escolas) mas erra na solução (leis contra a doutrinação que tornariam o professor um refém).

Discordo da segunda parte. Fará muito bem às escolas públicas uma lei para proteger alunos contra o proselitismo de professores, sejam esses professores fãs de Che Guevara ou do coronel Ustra. A lei não necessariamente restringirá a liberdade de ensino e terá o poder de preservar alunos contra a discriminação ideológica.

Assim como o professor não pode agir com preconceito contra etnias ou preferências sexuais, também não pode discriminar de acordo com a opção partidária.

No ensino público (falo apenas das escolas públicas; não acho que o governo deve se meter nas escolas privadas), professores são pagos para preparar alunos ao debate, para a tolerância a ideias divergentes. Geralmente contrários à privatização, professores de esquerda privatizam o espaço público quando usam a sala de aula para pregação política. Muitos deles mal percebem a diferença entre ensino e doutrinação.

A Constituição passa rápido pelo assunto. Determina que o ensino deve ser ministrado com base no princípio do “pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino”. É pouco. Não faria mal uma lei que estabelecesse critérios mais precisos e desse ferramentas para pais e alunos reclamarem de professores abusivos.

É verdade que a tentação legiferante, a crença de que leis resolverão todos os problemas do país, costuma resultar em tiros no pé. Não é o caso aqui. A lei só garantiria uma liberdade negativa, o direito de não ser discriminado pelo professor. Os membros do Escola sem Partido já disseram diversas vezes que estão abertos à discussão e defendem uma lei que contenha abusos sem mexer na liberdade de ensino.

O apreço à divergência de ideias é o bem mais valioso que professores podem transmitir aos alunos. Se tantos professores brasileiros não reconhecem esse bem, e pior, se discriminam alunos por causa da opinião política, uma lei para proteger a livre opinião nas escolas públicas viria muito bem a calhar.

@lnarloch

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    blindado

    Aí é quando entra o importante papel dos pais. Vez por outra vou pegar meus netos na escola; chego cedo e observo bastante as periferias da escola na busca por possíveis pedófilos fazendo caça…Converso com as “tias” e procuro identificar as tendências políticas vermelhas e avalio a dosagem inata de vocação docente de cada uma. Sempre fiz isso com meus filhos, que hoje fazem com os seus.É nossa responsabilidade como pais, de ajudar a escola. Ao perceber o errado, confrontar/avisar outros pais/denunciar as autoridades/conversar com filhos e netos etc…Deixar tudo como sendo responsabilidade das escolas, é preguiça/desleixo/pouco caso/não perceber a importância/dizer que não tem tempo etc…Vamos lá pais!.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Carlus

    A livre opinião política não precisa de lei numa democracia, mas a escola não pode ser doutrinária de acordo com o governo como o PT fez.

    Curtir

  3. José Aloisio Soares

    Pais educam, escolas ensinam… Temos um problema: parte expressiva dos lares brasileiros os pais delegaram essa sua atribuição para as escolas que não existem para isso… MEC está infestado pelo corpo docente adeptos de ideologias; tentam doutrinar seus alunos… Parte deles cai no canto da sereia. Por isso que é necessária regulamentar a ideia “Escola Sem Partido”. Estudantes não devem ficar reféns da orientação partidária do seu professor. Como foi dito acima vai que o aluno na prova responda opinião diferente da que foi enunciada… Sistema de ensino brasileiro está falido. Governantes não se interessam em oferecer ensino de qualidade… Brasil marca passo em competições internacionais quanto a medição de conhecimentos escolares… Estamos sempre nas últimas colocações nesses rankings.

    Curtir