Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A cocaína da política econômica

O governo Dilma viciou o país em expansão monetária; agora não há alternativa senão cortar gastos e enfrentar uma crise de abstinência

A crise atual do Brasil é uma crise de abstinência. O governo Dilma viciou o país num estimulante, a expansão monetária. Agora só resta a Michel Temer cortar o vício e penar algum tempo numa clínica de reabilitação das contas públicas.

A expansão monetária é a cocaína econômica. Não há metáfora melhor.

No começo, a maior quantidade de dinheiro em circulação acorda e revigora o país. Como alguém que acabou de cheirar uma carreira de cocaína no banheiro da festa, o país se anima e se sente poderoso.

O governo injeta dinheiro na economia gastando mais ou aumentando a oferta de crédito. Esse dinheiro se espalha pelos cidadãos e pelas empresas, que consomem mais e contratam mais trabalhadores. O consumo aumenta, o desemprego diminui. A festa vai até de manhã.

Mas a sensação de poder acaba logo. Para reavivá-la, o usuário precisa de doses cada vez mais altas do estimulante. Querendo evitar que a festa acabe e o país entre numa impopular recessão, o político não dá ouvidos a quem avisa que é hora de parar. E repete o erro de injetar mais e mais dinheiro na veia da economia.

Uma hora o corpo não aguenta. O dinheiro emitido pelo governo gera um consumo maior do que o país é capaz de produzir. Ou, em economês, a “demanda ultrapassa o pleno emprego dos meios de produção”.

Com a demanda maior que a oferta, os preços sobem. Surge então o principal sintoma de um país viciado em expansão monetária: a inflação. Até os anos 1940, o termo “inflação” não significava “aumento de preços”, mas “economia inflada, com dinheiro demais em circulação”.

Outro sintoma da dependência é o rombo das contas públicas. Para manter o vício, o dependente é obrigado a vender a TV de casa, o aparelho de som e algumas estatais. Se o político no poder decidir continuar imprimindo dinheiro para pagar as contas, o vício sai do controle. O país se torna uma vítima triste e maltrapilha da hiperinflação.

Talvez tivéssemos esse destino se Dilma continuasse na presidência. Mas o governo mudou e, a muito custo, percebeu que era hora de parar. Não há outro caminho para se livrar do vício em expansão monetária senão cortar logo os gastos e a oferta de crédito.

É nessa fase que estamos agora. No curto prazo, as medidas de austeridade doem como uma crise de abstinência. Mas são essenciais ao tratamento e à reabilitação do viciado.

@lnarloch

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Octávio

    Boa comparação. Mas, como em todo tratamento de drogadicção, a margem de sucesso é pífia. Greves por aumento de salários acima da inflação, gritos pelos subsídios na Cultura, boicote a gastos públicos, etc. e tal, vão fazer esta “cracolândia econômica” eterna. Adeus Real.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Peter Valduga

    Texto totalmente equivocado, para dizer o mínimo. O que temos no Brasil é justamente o contrário.
    Temos uma das menores quantidades de moeda circulante proporcionalmente ao PIB do mundo.
    Nossa indústria está com uns 30~40% de capacidade ociosa. Mentira descarada falar em inflação por excesso de demanda neste cenário.
    Enfim, Texto falacioso para justificar as privatizações e retirada de direitos.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Berlatto

    Duro é explicar isso pros petralhas e asseclas né? Narloch. Não sabem nada de economia. Acham que o estado é que produz a riqueza de um país. E que deve distribuí-la a todos os cidadãos. Criam os bolsas isso e aquilo. Os políticos adoram isso. Aí aparece o populismo… Vejam o que aconteceu na Venezuela e no Brasil do Lulo-Petismo. Uma hora a conta chega. Como dizia Roberto Campos, se não estou enganado, “Não existe almoço grátis”. Alguém sempre paga a conta. No caso, esse alguém é o contribuinte brasileiro, não?
    Em tempo: quem produz riqueza, esquerdistas/socialistas/petistas, somo nós. Quem trabalha, quem emprende, quem produz, quem gera empregos e recolhe impostos. O governo, qualquer governo, tem é que ter sabedoria na administração dessa riqueza. Simples assim.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Andre Cavalcante

    Ao Sr. Peter Valduga:
    Favor perceber que o articulista listou dois momentos: no primeiro momento há a euforia (o boom, o pleno emprego dos recursos, é o uso da droga) depois a depressão (o crash, a correção econômica). Você, sem querer, acabou concordando com o articulista quando mostra que o estado atual é o de depressão econômica, exatamente como o articulista fala. Mais atenção na próxima.
    Até mais

    Curtir

  5. Comentado por:

    Celio Aparecido Alves Beserra

    Aos senhores Peter Valduga e Berbigao sugiro que estudem o fenômeno inflacionário em bons manuais de economia, particularmente dos economistas da Escola Austríaca. Compreenderão que a inflação é causada unicamente pelo governo, que detém o monopólio da emissão de moeda fiduciária. E os maiores prejudicados sempre serão os mais pobres.
    Banco ganha com a inflação e mais ainda sem inflação…
    O argumento apresentado pelos senhores confunde o essencial com aquilo que é meramente acessório.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Angela

    Sempre ouvindo governo gasta mais do que pode. Aí vem a chatice seu salário não pode ser maior do que você gasta! Um porre! Agora alguém por gentileza me responda: falam que a roubalheira já chega aos trilhões certo. E a roubalheira não é a responsável pelo déficit público ? Sempre sobra para o servidor público .ESTOU OBSERVANDO QUE A IMPRESA EM GERAL DETESTA O SERVIDOR PÚBLICO. VOCÊS TÊM O PODER DE PISAR E ALGUNS CHEGAM AFALAR QUE NÃO TRABALHAMOS E ACHAM QUE UM AUMENTO VAI LEVAR O PAIÍS AO CAOS. É O DINHEIRO ROUBADO NÃO AFETA O DÉFICIT PÚBLICO E LOGICAMENTE AO PIBINHO. Por gentileza não apague o meu comentário .PRECISO URGENTE DE UMA EXPLICAÇÃO CORRETA.ATUALMENTE OS ECOOMISTAS ESTÃO MAIS PARA A MÃE DINAH .ATIRAM PARA TODOS OS LADOS PARA NÃO PERDERAM ACREDIIBIILIDADE . O MAISON DA NÓBREGA É UM DELES. O culpado são os aumentosdos dos servidores públicos !! Chega !! É a roubalheira de onde saiu o dinheiro !! Lógico que está relacionado u com outro. . POR GENTILEZA EXPLIQUEM MELHOR !! E peço , suplico que não apaguem o meu comentário . Queremos uma resposta certa.

    Curtir